X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Adolescente sofre estupro coletivo em escola pública e família denuncia agressõe

O jovem de 12 anos passou por um exame no Instituto Médico Legal e, depois, registrou um boletim de ocorrência

Larissa Maestri, com informações do G1 | 21/07/2022 18:43 h

O jovem de 12 anos passou por um exame no Instituto Médico Legal e, depois, registrou um boletim de ocorrência
O jovem de 12 anos passou por um exame no Instituto Médico Legal e, depois, registrou um boletim de ocorrência |  Foto: Arquivo/AT
 

A família de um adolescente de 12 anos denunciou que o filho sofreu agressões e estupro coletivo em uma escola pública estadual, em Recife. O crime teria sido cometido por outros alunos e, agora, é investigado pela Polícia Civil.

Segundo informações do portal g1, os agressores perseguiam o menino em salas de aula e também nos horários de intervalo. O adolescente parou de sair por medo.

“Eles entravam, jogavam ele no chão e espancavam ele ali, no chão, para ninguém ver. Chegaram ao ponto de levar ele para o banheiro, né? Aí, botaram arma na cara dele. E foi quando três deles seguraram ele e os outros cometeram o abuso”, contou a mãe da vítima ao g1.

Agora, a família se mudou para outra cidade. “Acabou com a saúde mental, social, saúde. Acabou com a vida do meu filho”, relatou a mulher. “Eles sabiam onde ele morava, eles ameaçavam toda a família, sabiam o nome da gente.”

O jovem de 12 anos passou por um exame no Instituto Médico Legal e, depois, registrou um boletim de ocorrência. Em respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), os nomes do garoto e dos parentes não serão divulgados.

A mãe afirmou que o menino, que era um bom aluno e um jovem alegre, passou a se isolar e parou de sair de casa. A família começou a ficar preocupada, mas o menino não expunha o que ocorria. O jovem pediu ajuda para a avó, que relatou o caso para a mãe.

“Pediam a ele dinheiro. Queriam dinheiro, a todo tempo dinheiro. E cada vez que ele chegava na escola, que ele não tinha conseguido dinheiro, ele apanhava”, contou a mãe ao g1.

Em um determinado período, o menino fingia para a família que ia para a escola, mas não aparecia. O colégio, então, ligou para a casa do aluno. Quando a mãe expos a situação de agressões e abusos, a escola negou. “Disseram que era tudo coisa da cabeça dele. Que nada disso era verdade, que eu não desse importância porque era tudo coisa da cabeça dele.”

O caso aconteceu em 15 de março e a denúncia foi feita em 13 de abril na Delegacia de Crimes contra Criança e Adolescente. O jovem está medicado e está em tratamento psicológico.

O que diz a Secretaria de Educação

À TV Globo, a Secretaria de Educação e Esportes de Pernambuco enviou uma nota, afirmando que o caso está sendo investigado pela Polícia Civil.

“A Secretaria de Educação reitera o compromisso com a cultura de paz no ambiente escolar, onde todo e qualquer tipo de preconceito é inadmissível. Em caso de violência, os estudantes são orientados a informar aos professores e a gestão da escola, que fazem escuta ativa e tomam as medidas cabíveis para sanar o problema.”

A Polícia Civil não respondeu a emissora sobre o caso.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS