X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Adolescente alvo dos disparos que mataram Alice admite que conhece atirador

| 12/02/2020 11:33 h

Alice tinha 3 anos e estava radiante com os primeiros dias de aula.
Alice tinha 3 anos e estava radiante com os primeiros dias de aula. |  Foto: Reprodução Facebook
O adolescente de 17 anos, baleado na perna e que era alvo dos disparos que mataram a menina Alice da Silva Almeida, de 3 anos, contou à PM que conhecia o autor do crime. Ele prestou depoimento, na manhã de terça-feira (11), na condição de vítima, na Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM) e saiu do local dentro de um carro da Polícia Civil.

Quando recebia os primeiros socorros, ainda no Pronto Atendimento (PA) da Glória, o menor relatou aos militares que estava na rua conversando com o pai de Alice, quando um Gol branco parou no local e o atirador saiu do carro.

“Ele (menor) contou que estava conversando na porta da casa da menina com o pai dela. Foi quando um carro com quatro ocupantes parou na rua. O suspeito teria descido e efetuado os disparos na direção dele. Ele tentou correr, mas, mesmo assim, foi baleado na perna e dois tiros acertaram a menina”, relata o que ouviu do adolescente o sargento José Antônio Soares, que atua no 4º Batalhão da Polícia Militar, em Vila Velha.

O sargento explicou que tanto o atirador quanto o menor moram na mesma rua e que teriam tido um desentendimento por conta da disputa pelo tráfico de drogas.

“O problema foi que tanto o atirador quanto o menor eram da mesma gangue e tiveram uma desavença particular que envolve as vendas das drogas. Ele disse isso”.

A versão contada ao sargento foi a mesma dita na Polícia Civil.

Sobre o momento em que tentou fugir dos tiros, o jovem negou que tivesse pulado o muro da residência. “O portão da casa do pai de Alice estava aberto, segundo ele (menor). No desespero, contou que empurrou o portão e entrou”, destaca uma aposentada de 59 anos e familiar do rapaz, que pediu para não ser identificada e que o aguardava na DHPM, no início da tarde de terça. Ele foi liberado assim que terminou o depoimento.

Veja mais:

Mãe, pai e avó de Alice prestam depoimento na delegacia

Disputa por mais de mil bocas de fumo está por trás da morte da menina Alice

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS