X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Acusado de matar Gerson Camata divide cela com ex-pastor preso pelas mortes de filho e enteado

| 04/08/2021 07:56 h | Atualizado em 04/08/2021, 08:56

Em depoimento que durou cerca de cinco horas, o acusado de matar o ex-governador Gerson Camata contou que recebe conselhos espirituais do ex-pastor Georgeval Alves, preso em 2018 pela morte do filho e enteado, com quem divide cela.

Pastor Georgeval e Marco Venício estão na mesma cela
Pastor Georgeval e Marco Venício estão na mesma cela |  Foto: A Tribuna e Divulgação/PCES

O julgamento de Marcos Venício Moreira Andrade, de 69 anos, teve início na terça-feira (3), durou mais de 12 horas e recomeça às 10 horas desta quarta (4), no Fórum Criminal José Mathias de Almeida Netto, no Centro de Vitória.

Marcos Venício Moreira Andrade citou o ex-pastor ao falar que tudo o que acontece na vida tem relação com as coisas espirituais. O ex-assessor de Gerson Camata disse ainda que vem recebendo orientação divina através de Georgeval.

Durante o depoimento o ex-assessor confessou que atirou em Camata pela frente, mas negou que tivesse planejado o crime. Aos prantos, disse que “nunca imaginou que tiraria a vida de alguém”, principalmente de uma pessoa de que ele tanto gostava.

Sentença vai ser definida hoje

O Conselho de Sentença do júri popular é composto por sete mulheres e a sentença será definida nesta quarta-feira. 

O crime aconteceu no dia 26 de dezembro de 2018, por volta das 17 horas. O ex-governador havia acabado de comprar um livro e falava com colegas em frente a uma banca de revista que fica na Praia do Canto, em Vitória, quando foi abordado pelo ex-assessor Marcos Venício.

O acusado, que portava uma arma de fogo, segundo testemunhas, chegou dizendo que queria conversar com Camata e logo em seguida, após dizer que “era injusto”, atirou contra a vítima, que morreu no local aos 77 anos.

Marcos foi preso em flagrante horas depois do ocorrido e, no dia seguinte, teve a prisão temporária convertida em preventiva.

Em 2019, ele confessou o crime em interrogatório prestado ao juiz Felipe Bertrand Sardenberg Moulin. Ele foi denunciado pelo Ministério Público do Estado (MP-ES) pelo crime de homicídio qualificado por motivo torpe e mediante recurso que dificultou a defesa do ex-governador.

O acusado disse ao juiz que, no dia do crime, abordou a vítima para questionar sobre processo judicial por danos morais movidos por Camata, em que o ex-assessor teve cerca de R$ 60 mil bloqueados na conta bancária pela Justiça.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS