Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

6 mil casos de estupro em cinco anos no Estado

Somente neste ano foram registrados 1.379 casos de estupro no Estado

Kananda Natielly, do jornal A Tribuna | 21/12/2021 10:10 h

Delegacia da Mulher: orientação é que as mulheres denunciem os casos
Delegacia da Mulher: orientação é que as mulheres denunciem os casos |  Foto: Beto Morais - 18/10/2020
 

Todos os dias, pelo menos, quatro mulheres, adolescentes e crianças são vítimas de estupro no Estado.  É o que revelam os dados da Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp), que já contabilizou 1.379 casos desse tipo este ano. 

Se forem somados os quatro  últimos anos, os números aumentam quase cinco vezes: 6.261 casos. O equivalente a quase cinco ocorrências por dia. 

Delegada-chefe da Divisão Especializada de Atendimento à Mulher, Cláudia Dematté afirma que a violência sexual ainda faz parte da realidade diária das mulheres brasileiras e do mundo todo. 

Para ela, o delito é uma das mais graves violências que este público  pode sofrer.

“A mulher tem sua dignidade, liberdade sexual e seu corpo violados. São crimes repugnantes que devem ser punidos com todo o rigor. Por isso, a mulher que for vítima desse tipo de crime contra a dignidade sexual não deve se calar, tem de denunciar”, disse a delegada. 

Com uma vasta experiência  em casos de violência doméstica, a delegada aposentada  e agora escritora Maria Aparecida Rasseli Sfalsini diz que os dados chamam a atenção. 

Ela lembra que boa parte dos casos são cometidos contra crianças e que a maioria deles, muitas das vezes, não chegam para a polícia. 

“Chama muito a atenção porque  é um crime que choca a todos, principalmente os cometidos contra crianças e adolescentes, que em parte dos casos sofrem em silêncio. Infelizmente, nós acreditamos que esses números sejam ainda maiores, uma vez que muitas vítimas não denunciam, seja por vergonha ou medo”, apontou.

Sofrimento

Sobre os crimes cometidos contra mulheres adultas, Ariane Rasseli Sfalsini, advogada criminalista, acredita também existir subnotificação dos casos. 

“As mulheres se sentem até culpadas, não denunciam e ficam sofrendo o resto da vida delas. Isso causa um trauma muito grande porque afeta muito o lado psicológico. É algo que  afeta a vida da vítima para sempre. Por isso, elas devem tomar atitude e denunciar os casos, indo à delegacia”, disse a especialista.   

Inocentado por falta de provas

Mari Ferrer acusou empresário de tê-la dopado e tirado sua virgindade, mas ele foi inocentado pela Justiça. O advogado dela promete recorrer
Mari Ferrer acusou empresário de tê-la dopado e tirado sua virgindade, mas ele foi inocentado pela Justiça. O advogado dela promete recorrer |  Foto: Redes sociais
 

Dois anos após um episódio que ganhou grande repercussão  nacional, a influenciadora digital e modelo Mariana Ferrer, de 25 anos,  continua  colhendo maus  frutos   do que viveu   em dezembro de 2018, em um clube de  Florianópolis, Santa Catarina. 

É o que afirma o seu advogado, Júlio César Ferreira da Fonseca. Segundo ele, a jovem ficou muito abalada, após as acusações, feitas pela defesa do empresário e principalmente pelo que alega ter vivido em 2018.

“Hoje é uma menina que vegeta dentro de casa. Ela sofre de depressão, síndrome do pânico, fobia e não sai  mais de casa e  só consegue se manifestar por meio do Instagram. Hoje, é  uma moça que tem o psicológico destruído”, disse o advogado.

Entenda 

A jovem acusa o  empresário André de Camargo Aranha de tê-la dopado em uma festa na boate  e depois de ter tirado sua virgindade enquanto ela  estava vulnerável, sem capacidade  de resistir, em 2018.

O caso ganhou atenção a partir dos relatos da própria vítima em seu perfil no Instagram.

André  acabou inocentado por falta de provas em setembro de 2020. Mariana recorreu da decisão, mas a absolvição de André foi confirmada, por unanimidade, na segunda instância, o que, segundo a defesa da modelo, será recorrido novamente. 

“A defesa vai entrar com recursos em  Brasília,  pedindo a invalidade da audiência e, consequentemente, a  sentença  da audiência”, disse o advogado.

Ele também falou sobre o episódio que aconteceu durante audiência, em que o advogado do empresário teria feito acusações  de caráter misógino contra a vítima. “Isso foi terrível, ela ficou completamente  indefesa e prejudicou e muito o  depoimento dela”, ressaltou.

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS