X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

12 carros e motos são roubados todos os dias na Grande Vitória

Já em todo o Estado, a média diária de roubo de carros e motos aumenta para 17. Foram 6.418 registros no ano passado

Eliane Proscholdt e Kananda Natielly, do jornal A Tribuna | 22/01/2022 12:28 h

Na Grande Vitória,  4.504 veículos, entre carros e motos, foram roubados, de janeiro a dezembro do ano passado
Na Grande Vitória, 4.504 veículos, entre carros e motos, foram roubados, de janeiro a dezembro do ano passado |  Foto: Lucas Sandonato/AT
 

Seja para desmanche ou o  cometimento de crimes, bandidos têm roubado cada vez mais veículos no Estado. Prova disso é  a quantidade de carros e motos    levados durante assaltos  em todo o Espírito Santo: foram 6.418 ocorrências no ano passado, o que representa 17  vítimas por dia.     

Os dados são da Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) e revelam também a quantidade de veículos  roubados  na Grande Vitória:  de janeiro a dezembro, foram 4.504, o equivalente a 12 registros  por dia. 

Só de carros   levados sem que a vítima percebesse, os chamados furtados, foram 824 ocorrências. Já os veículos levados sob grave ameaça (roubados) somam 1.615.

Os dados revelam   aumento nos casos de furto e roubo de carros, se comparados ao ano anterior, 2020, quando foram registrados 2.877 casos no Estado e 2.325 na Grande Vitória, o equivalente a seis  vítimas roubadas por dia.   

Titular da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV), o delegado Ricardo Toledo explicou que  furto e roubo se  diferem de outros crimes. 

“Quando alguém rouba o celular, a intenção é vender, seja para o tráfico ou   outro fim. O veículo, não. Cerca de 80% dos veículos são roubados para  prática de crimes, como tráfico de drogas, desmanche, clonagem de placas, arrastões e homicídios. Quanto mais crimes eles visam cometer, mais veículos   vão querer roubar”, analisou.

Segundo o delegado,  alguns desses carros são recuperados com ajuda do Cerco Inteligente, mas a maioria deles é abandonada pelos criminosos.  Toledo explicou que, nesse tipo de crime,  o bandido não escolhe suas vítimas pelo sexo, mas  pela oportunidade.

 “Ele vê a facilidade, se a pessoa está desatenta, se entra no carro sem olhar ao seu redor, se fica muito tempo parada dentro do veículo, com os vidros abertos. É nesses casos que  ele (bandido) pratica o roubo”, disse.

Especialista em Segurança Pública e privada, Emir Pinho  citou que esses crimes são  sazonais,   mudam de locais e   épocas, levando a crer que sejam organizados por quadrilhas semelhantes que atuam como que em “temporadas” numa determinada região. 

Como alternativa para frear esses   roubos, ele sugere aumento da fiscalização por meios de tecnologias integradas, como cercamentos eletrônicos, radares, etc.

Números. Fonte: Sesp
Números. Fonte: Sesp |  Foto: Reprodução A Tribuna
  

Ladrões levaram mais de 3 mil motos em um ano

Por serem alvos fáceis  para furto,  as motocicletas também  são muito visadas pelos bandidos.  Levantamento da Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) mostra que, somente no ano passado, 3.454 motos  foram levadas por criminosos no Estado.

 O número considerou os registros feitos em delegacias de todo o Estado, de janeiro a dezembro do ano passado.  Somente na Grande Vitória, foram 2.065  veículos roubados.

O delegado Ricardo Toledo, titular da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV),  explicou que, por ser um tipo de veículo que não possui um sistema de segurança que consiga impedir os roubos, o veículo  acaba sendo um dos alvos dos criminosos. 

 “Se o indivíduo usa uma chave de fenda, ele consegue fazer com que a moto pegue.  Essa falta de sistema de segurança dá uma facilidade muito grande para esses criminosos”, explicou o delegado.

Especialista em Segurança Pública e privada, Emir Pinho   destacou que o veículo é muito  utilizado para cometer   diversos tipos de crimes. 

“Tanto para efetuar assaltos, acompanhar ações criminosas,  assim como para efetuar fugas rápidas. Além disso, por sua natureza ágil, as motocicletas são os meios de transporte mais utilizados por essas quadrilhas no dia a dia”, explica. 

Ele orienta a instalação de  rastreadores e sistemas de bloqueios nos veículos para evitar roubos.

Na mira de uma arma 

Carro foi roubado
Carro foi roubado |  Foto: Acervo pessoal
 

Um aposentado de 80 anos foi vítima de um assalto, enquanto mostrava o seu carro, um Renault Kwid  prata para um amigo, em Novo México, Vila Velha. A vítima, que tinha ganhado o veículo de presente da família cinco dias antes do crime, contou que ficou traumatizado. 

“Você fica sem reação. O ladrão apontou a arma para minha cabeça e levou o carro. Tinha ganhado o carro há cinco dias, e ele me levou do nada”, desabafou o idoso, que pediu para não ter a identidade revelada.

Moradores denunciam roubos na porta de escolas

Quadrilhas, especializadas em assaltar mães e pais de alunos, estão atacando na porta de escolas de Vila Velha. A informação é de educadores e de  moradores de bairros onde os casos estão acontecendo. 

Um diretor pedagógico, de 43 anos,  contou que presenciou um caso. Ele, que trabalha em uma escola no bairro Itaparica contou que estava saindo do local em seu carro quando viu a mãe de um aluno sendo atacada por  bandidos. 

“Chegaram em três. Um fez a abordagem e os outros dois entraram no carro e a empurraram para fora e levaram o veículo.  A palavra certa que fica é impotência”, afirmou o educador.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS