search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Polícia prende fiscal do Carrefour por participação no assassinato de Beto Freitas

Notícias

Publicidade | Anuncie

Polícia

Polícia prende fiscal do Carrefour por participação no assassinato de Beto Freitas


Homem foi espancado no acesso ao estacionamento do supermercado. (Foto: Reprodução/Redes Sociais)
Homem foi espancado no acesso ao estacionamento do supermercado. (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

A Polícia Civil prendeu mais uma pessoa ligada à morte de Beto Freitas, 40, espancado até a morte no Carrefour, em Porto Alegre. A prisão preventiva da fiscal Adriana Alves Dutra ocorreu na tarde desta terça-feira (24). É ela quem aparece na filmagem vestindo uma blusa branca ao lado dos agressores.

"Foi verificada a participação decisiva dela porque depois se verificou que ela tinha posição de comando. A lei contempla como coautora a pessoa que tem poder de evitar e não o fez", disse a delegada Vanessa Pitrez, do Departamento de Homicídios.

Adriana se apresentou à Polícia. Segundo Pitrez, ela pode ser presa porque é eleitora de um município onde não haverá eleição no próximo domingo.

Esta é a terceira prisão do caso. Os dois seguranças terceirizados do Carrefour, da empresa Grupo Vector, foram presos em flagrante após a morte. A Justiça converteu a prisão de ambos em prisão preventiva.

Os dois investigados, que vem sendo identificados como seguranças, cumpriam a função de fiscais no supermercado.

"Ela tinha o poder de fazer cessar as agressões por ser superior imediata dos seguranças", disse Bertoldo.

Ela é investigada por homicídio doloso triplamente qualificado. Inicialmente, Adriana não foi localizada em sua residência. Ela foi informada por telefone, por meio de sua defesa, do mandado de prisão expedido e se apresentou à polícia.

Adriana prestou depoimento e relatou episódios anteriores de conflito com Beto Freitas no Carrefour. A polícia investiga se de fato há incidentes anteriores.

Os policiais também apuram se a funcionária mentiu no depoimento dado no mesmo dia da morte de Beto Freitas. O depoimento foi tomado como parte do auto de prisão em flagrante dos seguranças.

Ela disse que um cliente tentou apaziguar a agressão. O suposto cliente, porém, era o funcionário temporário Giovane Gaspar da Silva, policial temporário que estava em seu primeiro dia de "bico" no mercado.

A fiscal pode responder, entre outros crimes, por falso testemunho, se ficar comprovado ao final do inquérito que ela mentiu.

A delegada Roberta Bertoldo disse que investiga a possibilidade de falso testemunho, além de omissão de socorro e racismo.

Adriana Alves Dutra disse também que Beto teria empurrado uma cliente dentro da loja, o que não ficou comprovado até o momento com as imagens das câmeras internas do mercado.

Em novo depoimento, na tarde em que se entregou à polícia, Adriana disse que falou que o funcionário era cliente do local pois havia retornado há pouco de férias e não sabia que ele trabalhava no supermercado.

Um motoboy que filmou as agressões disse que a fiscal do Carrefour feriu a própria mão, afirmando que Beto havia cortado seu dedo. "Ela pegou a unha dela e começou a forçar no dedo. Não tinha machucado, eu olhei bem. Me chamou atenção ela tentar machucar a própria mão", disse.

A reportagem obteve depoimento de outra funcionária que também apresenta indícios de contradições. No depoimento, a mulher afirma que Beto a teria "encarado". Depois, que ele a teria intimidado com "olhar agressivo" e, por fim, que teria dito algo que ela não entendeu porque ele usava máscara no momento.

A funcionária disse que, então, se afastou e ele teria feito um sinal que ela não soube interpretar. Em imagens obtidas pela reportagem, ele parece estar sinalizando com o polegar para baixo.

Perguntada pela polícia se o gesto foi ofensivo, ela disse que não. Entretanto, quando questionada sobre por que Beto foi acompanhado pelos seguranças até a saída, diz supor que foi porque ele a teria importunado.

Os seguranças optaram por não dar depoimento à polícia após serem presos em flagrante, recorrendo ao direito constitucional de permanecerem em silêncio. A Justiça decretou a prisão preventiva de ambos.

A morte de Beto Freitas já tem sido considerada mais violenta que a de George Floyd, nos Estados Unidos. Beto Freitas foi velado e sepultado no último sábado (21) no cemitério São João, em Porto Alegre, sob pedidos de justiça e fim do racismo.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados