search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Policia confirma uma morte em ataque a tiros em escola nos EUA

Notícias

Publicidade | Anuncie

Internacional

Policia confirma uma morte em ataque a tiros em escola nos EUA


Várias pessoas, incluindo um policial, foram baleadas em um ataque a tiros na segunda-feira (12) em uma escola de segundo grau na cidade de Knoxville, no Estado do Tennessee, informaram autoridades locais. A polícia confirmou uma morte.

A polícia não identificou imediatamente nem o suspeito nem a vítima -- apenas informou que ambos eram homens.

O Departamento de Polícia de Knoxville comunicou mais cedo, por meio de sua conta oficial no Twitter, que as autoridades estavam no local do ataque, a escola Austin-East Magnet. O tuíte acrescentava que um oficial do Departamento de Polícia de Knoxville havia sido ferido.

Bob Thomas, o superintendente das Escolas do Condado de Knox, tuitou confirmando o ataque e informando que o prédio já estava seguro.

"O prédio da escola foi fechado e os alunos não envolvidos no incidente foram entregues às suas famílias", disse Thomas. Ele acrescentou em um tuíte posterior que as autoridades estavam coletando informações sobre "esta situação trágica" e que informações adicionais seriam fornecidas mais tarde.

O Tennessee Bureau of Investigation, principal agência estadual de combate ao crime, enviou agentes à escola.

 (Foto: Freepik) (Foto: Freepik)

O ataque acontece uma semana após o governador republicano Bill Lee aprovar uma legislação que tornaria o Tennessee o 19º Estado americano a permitir o porte de armas sem permissão, verificação de antecedentes e treinamento.

A lei, que não se aplica a armas de longo alcance, entrará em vigor em 1º de julho. A nova medida também aumenta algumas penalidades. Por exemplo, o roubo de uma arma de fogo -- agora uma contravenção que acarreta uma sentença de 30 dias -- se tornará um crime com prisão obrigatória de seis meses. Também faz exceções para pessoas com certos transtornos mentais e condenações criminais.

Quando questionado no início deste ano se recentes tiroteios em massa na Geórgia, Colorado e outros Estados causaram a ele alguma preocupação, Lee respondeu que o aumento das penas significa que "nós de fato estaremos fortalecendo as leis que ajudariam a prevenir crimes com armas no futuro".

Uma série ataques a tiros ocorreram nos Estados Unidos desde meados de março. Na semana passada, um homem abriu fogo em uma fábrica de marcenaria no Texas, onde trabalhava, matando uma pessoa e ferindo outras seis antes de ser levado sob custódia. Oito pessoas foram mortas em spas da área de Atlanta, 10 pessoas em um supermercado em Boulder, Colorado, e quatro pessoas, incluindo um menino de 9 anos, em uma imobiliária em Orange, Califórnia.

Tiroteios em escolas têm sido um flagelo recorrente nos Estados Unidos desde o trágico massacre de Columbine, Colorado, em abril de 1999.

Denunciando uma "epidemia" de violência armada, o presidente democrata Joe Biden divulgou na semana passada uma série de medidas para limitar a proliferação de armas de fogo no país. (Com agências internacionais)

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados