search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

PM vai ficar 14 dias preso após atacar petistas em rede social

Notícias

Polícia

PM vai ficar 14 dias preso após atacar petistas em rede social


 (Foto: Reprodução TV Tribuna)
(Foto: Reprodução TV Tribuna)
Um cabo foi acusado de denegrir a imagem da Polícia Militar após fazer uma publicação contra petistas em seu perfil do Instagram. A postagem foi feita no dia 30 de outubro de 2018 e a punição de 14 dias de detenção foi publicada nesta quinta-feira (23).

O cabo Fábio Barbosa da Fonseca publicou uma foto de um porrete colocado sobre um colete à prova de balas e uma legenda sobre resistência.

"Preparando os equipamentos. Resistência contra uma democracia não é resistência é vandalismo, é criminoso. Resistência é o venezuelano que vai às ruas tentar derrubar um ditador que mata seu povo de fome e miséria. Resistência é o cubano que não pode fugir do seu país devido o terror institucionalizado. Você, jovem "petista", é apenas um conformado de bunda no sofá que durante mais de uma década se calou diante do financiamento da opressão das ditaduras...", escreveu.

O post foi considerado uma ameaça contra os simpatizantes com o Partido dos Trabalhadores e a Corregedoria da PM entendeu que a publicação fez alusão à violência policial. 

De acordo com o documento, o cabo Fonseca foi considerado culpado de "ter conduta incompatível com os princípios da hierarquia, ética e valores militares, manifestar-se publicamente a respeito de assuntos políticos, sem autorização e em prejuízo da Corporação e discutir ou provocar discussões, por qualquer veículo de comunicação, sobre assuntos de segurança pública".

"Por ter, no dia 30/10/2018 proferido supostas ameaças em seu perfil de rede social - Instagram, as quais estariam incitando a violência por meio da imagem de um bastão de madeira contendo o dizer "#RESISTÊNCIA", posicionado sobre uma capa preta de colete, com a identificação "CABO FONSECA O+", dessa forma, fazendo alusão à violência policial, denegrindo, assim, a imagem da Polícia Militar. Concedido o direito à ampla defesa, não justificou sua conduta. O militar deverá cumprir a punição no âmbito do 7º BPM, com início às 08:00 horas e término às 22:00, tão logo seja notificado", diz a nota de punição.

Procurado pela reportagem do Tribuna Online, o policial afirmou que já sabia que poderia receber essa punição. Confira a nota encaminhada por ele:

Com 10 anos de instituição tenho a ficha repleta de elogios e a conduta ilibada sendo classificado como comportamento excepcional dentro da própria Polícia Militar.

Respeito a decisão do Coronel mesmo que ele não tenha fundamentado a motivação pela qual ele não aceitou nem o relatório da Sindicante, que averiguou que não havia elementos tipificadores de crime ou de transgressão a disciplina e nem mesmo disse os motivos pelos quais não aceitou o parecer do encarregado do procedimento que me inocentou em 3 acusações que eram as mais graves. Ou seja fui inocentado duas vezes.

Já sabia que poderia tomar receber essa punição e adiantei minha licença especial e volto para a instituição dia 15/04, até lá estou dentro do período recursal e pretendo juntamente com a ACS Associação de Cabos e Soldados convencer ao coronel que mude seu parecer.

Por último lamento o fato de que o militar estadual seja tradado como um sub humano, onde o mesmo não possui as garantias do artigo 5° da Constituição Federal que prevê inclusive a liberdade de expressão.

Em nota, a assessoria da PM disse que o policial militar deve ser cuidadoso com suas manifestações, em especial quando vincula a opinião pessoal à imagem institucional.

Leia a nota na íntegra:

"A Polícia Militar informa que após o devido processo apuratório, de cunho disciplinar, previsto em legislação castrense, o Sd Fábio Barbosa da Fonseca foi considerado culpado pela conduta de incitação à violência, quando, por meio de rede social, publicou a imagem de um bastão sobreposto a um colete da corporação, com os dizeres: “resistência”.

De acordo com o regulamento disciplinar, o militar infringiu os Artigos133, inciso II (Transgressão Grave), alínea q) “ter conduta incompatível com os princípios da hierarquia, ética e valores militares”;

o Art. 141, inciso I (Transgressão Gravíssima), alínea b) “publicar ou contribuir para que sejam publicados fatos, documentos ou assuntos militares que possam concorrer para o desprestígio da Corporação ou firam a disciplina ou a segurança”;

o Art. 141, inciso III (Transgressão Média), alínea a) “manifestar-se publicamente a respeito de assuntos políticos, sem autorização e em prejuízo da Corporação”;

o Art. 141, inciso III (Transgressão Média), alínea d) “discutir ou provocar discussões, por qualquer veículo de comunicação, sobre assuntos de segurança pública, excetuando- se os de natureza exclusivamente técnica, quando devidamente autorizados”. Com as agravantes dos incisos I e IV do art. 26 e com as atenuantes dos incisos I, II, III, VIII e IX do art. 27, do RDME;

A PMES ressalta que, enquanto protetora do estado democrático de direito, garante a cada um de seus integrantes o direito à manifestação individual de crenças, posicionamento político, ideológico, entre outros, desde que não vincule tais manifestações à imagem instrucional, por não representarem, muitas vezes, aquilo que a instituição traz como valor.

Portanto, enquanto agente público, o policial militar deve ser cuidadoso com suas manifestações, em especial quando vincula a opinião pessoal à imagem institucional".


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados