search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Piloto de parapente envolvido em acidente não era habilitado, diz federação

Notícias

Publicidade | Anuncie

Cidades

Piloto de parapente envolvido em acidente não era habilitado, diz federação


O piloto envolvido no acidente que deixou uma vítima, na manhã deste domingo (12), na Rampa do Urubu, em Viana, não era credenciado. A informação é do presidente da Federação Capixaba de Voo Livre (FCVL), Marx Loureiro. 

"Ainda não tive informações técnicas suficientes para fazer um manifesto. Mas o que sabemos até o momento é que a pessoa que estava voando não era um instrutor credenciado pela Federação", afirmou Marx. 

O acidente aconteceu por volta das 11h e, de acordo com o Corpo de Bombeiros, após o acidente, o instrutor desceu para procurar o rapaz, identificado como o empresário Luiz Bessa, 34 anos. O local era de difícil acesso.

O acidente aconteceu na manhã deste domingo (12), na Rampa do Urubu, no bairro Universal em Viana. (Foto: Reprodução)
O acidente aconteceu na manhã deste domingo (12), na Rampa do Urubu, no bairro Universal em Viana. (Foto: Reprodução)

Equipes do Corpo de Bombeiros também foram acionadas e de acordo com o Ciodes, localizou o corpo do empresário, que foi submetido à perícia da Polícia Cívil.

Mais tarde, o corpo foi encaminhado ao Serviço Médico Legal. De acordo com peritos da Polícia Civil a ocorrência será registrada como encontro de cadáver e o equipamento utilizado durante o voo não foi localizado para ser periciado.

Possíveis causas

Mesmo sem informações técnicas do que tenha causado o acidente da manhã deste domingo, o presidente da Federação Capixaba de Voo Livre (FCVL) levantou algumas suspeitas das possíveis causas da fatalidade deste domingo (12). 

"O passageiro cair de um voo, isso é problema de conexão de equipamentos. Existem travas de peito e perna. Pelo vídeo que recebi, provavelmente, foi isso que aconteceu: um problema de conexão. Ou até mesmo um mosquetão que partiu por não ter checagem de equipamento", disse Marx Loureiro. 

Ainda de acordo com Marx, a prática do voo livre é algo seguro e acidentes como esses são raros. "É inconcebível a gente não confiar no que a gente faz. O normal é voar bem, pousar e voltar em segurança para a sua família", concluiu.

Alerta

Na tarde deste domingo (12), a Federação Capixaba de Vôo Livre (FCVL) emitiu uma nota ressaltando a necessidade de profissionais habilitados e lamentando a morte do empresário.

"A tristeza de uma tragédia não pode nos desanimar de nossos objetivos e se transforma em um obstáculo no difícil caminho para todos nós, pilotos, instrutores, alunos e apaixonados pelo vôo livre. A FCVL - Federação Capixaba de Vôo Livre lamenta profundamente a perda de uma vida, e nos solidarizamos com a família, parentes e amigos, que estão neste momento de imenso sofrimento pela tragédia ocorrida hoje na Rampa do Urubu, onde ocorreu o óbito do passageiro, que infelizmente não sobreviveu ao acidente que ocorreu durante o vôo.

A Segurança em nosso esporte é primordial para a nossa sobrevivência. A Natureza tem suas variáveis, e portanto, o conhecimento dos riscos que nos cercam, é fundamental para que possamos praticar nosso esporte. Da mesma forma, temos que estar atentos aos procedimentos de segurança, análise das condições climáticas, situação dos nossos equipamentos (checagem, revisão), se temos a capacidade para voar em certos horários, certos sítios de vôo, e com determinados tipo de equipamento. Em linhas gerais, os princípios são os mesmos, porém, há de se observar as variáveis que nos protegem e nos ameaçam.

Um fator muito discutido entre os praticantes do vôo livre, , se realmente somos livres para voar. Sim... somos livres... mas, isso não significa que não existem regras, normas e procedimentos, que devem sempre ser observados com critérios técnicos e seguindo a ciência, que nos permitirão praticar este esporte / lazer maravilhoso, encantador, mas, que é muito perigoso, e nem por isso, devemos não considerar como um Esporte de Aventura Seguro. Os riscos eminentes, devem ser minimizados sempre, e isso nos aproxima da nossa paixão por voar, mas, pousarmos com segurança.

Cada acidente, tem variáveis que se somam e podem / devem ser analisadas e comparadas a cada vôo, a cada pouso... Nunca se repetirão as circunstâncias, porém, de forma analítica, podemos dizer que os acidentes acontecem por uma sequência de fatores e motivos, que, se não forem entendidos, passamos a sofrer do pânico e perdemos a credibilidade nas questões de segurança.

A Federação Capixaba é composta de Pilotos e Instrutores Habilitados, com Clubes e Associações que prezam pela prática segura e desenvolvimento do nosso esporte. A regulamentação do nosso esporte é uma das premissas para termos critérios que contribuem para a prática do esporte, assim como dos praticantes que queiram apenas lazer. Para isso, recomendamos sempre, para iniciantes e turistas, que procurem escolas e instrutores habilitados para que cumpram as etapas do curso, ou, em se tratando de vôo panorâmico, que procurem um instrutor habilitado, onde em nossos quadros, possuímos vários pilotos com alto nível de conhecimento que possam oferecer cursos e vôo dentro das normas de segurança, equipamentos com revisão periódica, qualificação do material didático e principalmente, dos pilotos homologados para tal.

É lamentável e muito triste a notícia dessa tragédia de hoje, mas, não podemos nos calar diante riscos eminentes, que vem sendo objeto de nosso esforço em informar e alertar sobre os riscos dessa prática com pilotos não habilitados. Os Instutores, as Escolas, os Clubes e as Associações, assim como nossos pilotos federados buscam a conscientização daqueles que querem praticar o vôo livre com segurança.

Não devemos esquecer que somos apenas uma parte de um todo. Existem pilotos que não estão em nosso quadro de atletas, aqueles que já não voam há um bom tempo, e aqueles que voam com alta frequência, mas, cada um deles, tem que saber de suas responsabilidades .

No quesito Vôo Duplo, as coisas são mais complexas, principalmente por estarmos colocando em risco, a vida de terceiros. A prática do vôo duplo, deve ser feita com critérios mais exigentes, para isto, existe uma Habilitação, um caminho a ser percorrido pelos que desejam voar com passageiro.

O piloto ao final do curso, recebe sua habilitação de Piloto Nível 1, e para além do controle das Escolas e dos Instrutores, cada piloto tem seu currículo de acordo com os cursos e treinamentos que virão em sua carreira de Piloto.

A tragédia de hoje, nos obriga a continuar nossa luta pela regulamentação do Vôo Livre, onde o caminho mais fácil se torna muito doloroso, e nem sempre , a melhor escolha.

Que Deus conforte a dor dessa perda e que possamos caminhar em busca de mais segurança em nosso meio."

O alerta que sempre passamos aos que desejam praticar o vôo livre com segurança, é procurar um instrutor habilitado, escolas credenciadas. 

Um dia triste para todos nós. Que Deus nos abençoe e conforte a família por essa tragédia.

Marx C. Borges Loureiro
Presidente FCVL

 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados