search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Peste, indiferença e luta
Tribuna Livre

Peste, indiferença e luta

Quando a peste resolve sair de seu recôndito esconderijo e assombrar a humanidade, o desespero e a indiferença vêm na bagagem. Desespero porque, por mais pestes e guerras que já tenham havido na história, como nos lembra Albert Camus, elas sempre nos pegam desprevenidos, o que gera uma inevitável sensação de desalento.

E indiferença, pois, com o passar dos dias (e das mortes), o relativismo e o automatismo tomam conta das pessoas, uma frieza lhes cobre o rosto como um gélido lençol de hospital.

Toda peste causa morte, variam apenas a quantidade e a velocidade do extinguir das vidas. Uma vez vivo, é preciso lidar com o perecimento, mal ou bem, traumaticamente ou com leveza, cada qual ao seu modo.

Seja a morte a conta-gotas, seja aos baldes, não há uma maneira uniforme de encarar a perda da vida. Uns choram muito, outros pouco, alguns nem choram, aguardando resignadamente a sua vez.

O susto que a peste causa, de início, logo se dissipa com a naturalização da tragédia, essa grande especialidade humana – tanto por insensibilidade, como por mecanismo de defesa psicológica ou, até mesmo, por mera necessidade de seguir em frente.

O fato é que a impassibilidade rapidamente ocupa o centro da vida social, em meio à desolação da peste. As mortes transformam-se em estatísticas, números vazios, sem rostos, numa contagem ascendente – ou descendente, a depender do ponto de vista.

A peste pode ter natureza variada, bacteriana, viral ou política. Pois sim, certos regimes políticos merecem ser equiparados à peste, em razão de sua vocação para incutir medos, limitar horizontes e ceifar vidas. E a peste política também deságua em indiferença com o passar do tempo.

O mesmo imobilismo social que se tem diante do empilhar de cadáveres no curso da peste biológica é observado durante a peste política, à medida que abusos, censuras e todo tipo de violência passam a fazer parte do cotidiano.

Enquanto a peste não bate à minha porta, calo-me e sigo a vida, fingindo haver normalidade para além da porta – e para dentro da mente.

Combater os causadores das pestes é tarefa tão hercúlea quanto necessária, ainda que na contramão da frieza coletiva. Se na peste biológica, cientistas trabalham infatigavelmente na pesquisa de remédios, vacinas e medidas profiláticas, quando vem à tona a peste política, devem entrar em ação, também de maneira incansável, os defensores da “saúde política”.

Pessoas racionais e razoáveis, capazes de doar tempo e energia ao desenvolvimento de técnicas de preservação das liberdades e de proteção aos direitos humanos. Muitas vezes, até mesmo contra o discurso de certos líderes e a apatia da opinião pública.

Como em toda peste, os primeiros sintomas são sinais de alerta para a reação do sistema de precauções. Barreiras sanitárias e institucionais devem ser erguidas imediatamente e vozes não obscurantistas merecem ser ouvidas com redobrada atenção.

Na história da humanidade, uma lição clara emana de todo tipo de peste: cuidar de todos é cuidar de si, cuidar de si é cuidar de todos.

Carlos Fonseca é magistrado e escritor

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Por que continuar pagando a escola durante a pandemia?

A situação epidêmica causada pela Covid-19 interrompeu as atividades educacionais presenciais em diversas partes do País. No Espírito Santo não foi diferente. Desde 17 de março as aulas presenciais …


Exclusivo
Tribuna Livre

Um Dia dos Pais muito diferente para comemorar

Hoje, segundo domingo de agosto, comemoramos o Dia dos Pais no Brasil. A data foi celebrada pela primeira vez em 1953 e sua criação é atribuída ao jornalista Roberto Marinho, que apontou como …


Exclusivo
Tribuna Livre

A explosão no Porto de Beirute e a sobrevivência no Líbano

Não fosse a explosão do Porto de Beirute uma tragédia em si, as condições a que estava submetido o Líbano, seja do ponto de vista econômico, dada a crise financeira expressa na desvalorização de 80% …


Exclusivo
Tribuna Livre

A violência doméstica durante a pandemia

Devido ao isolamento social na pandemia da Covid-19, houve um aumento da violência doméstica. A Lei 11.340, de 7 de agosto de 2006 – que completa 14 anos hoje –, mais conhecida como Lei Maria da …


Exclusivo
Tribuna Livre Nutridicas

Cuidados com a alimentação para manter a saúde do paizão

Os homens estão cada vez mais cuidando da sua beleza, mas... e com relação à saúde, como estão? Será que estão tão ligados assim? Não há como negar que os cuidados com a saúde devem estar presentes …


Exclusivo
Tribuna Livre

Privatização do Porto de Vitória volta a ser discutida

A privatização do sistema portuário capixaba voltou a ser pautada. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, afirmou que em outubro, provavelmente, será realizada uma consulta pública para a …


Exclusivo
Tribuna Livre

Afastem-se logo dos milagreiros tributários

Em meio à grave crise econômica que assola o Brasil e o mundo, empresas se veem cada vez mais descapitalizadas e diante de uma equação que leva à pena de morte: inadimplência e custos cada vez mais …


Exclusivo
Tribuna Livre

Cuide da saúde do seu coração durante o isolamento social

Nesses tempos de distanciamento social, quem possui alguma doença cardiovascular deve redobrar a atenção com a saúde. De acordo com dados divulgados pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, as …


Exclusivo
Tribuna Livre

Mudanças de hábito valorizam a importância do papel

As embalagens estão cada vez mais no radar das empresas. Seja papel cartão, papelão ondulado ou nos moldes de leite longa vida, as embalagens de papel têm se tornado a menininha dos olhos no mundo …


Exclusivo
Tribuna Livre

A sociedade precisa saber mais sobre a agricultura familiar

Não há governante que, nos dias atuais, consciente do seu papel, não compreenda a necessidade de se investir num setor tão importante para o povo brasileiro. Muito se fala em manutenção do homem …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados