X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Polícia

Júri do caso Marcos Laurindo é suspenso e retoma na manhã desta quarta-feira

Júri popular foi suspenso na noite desta terça-feira, no Fórum Desembargador Rodolfo Aureliano, na Ilha de Joana Bezerra


Imagem ilustrativa da imagem Júri do caso Marcos Laurindo é suspenso e retoma na manhã desta quarta-feira
Marcos Laurindo, então com 21 anos de idade, foi morto por um policial militar no dia 16 de maio de 2013 |  Foto: Foto: Reprodução/Whatsapp

O júri popular do caso Marcos Laurindo foi suspenso na noite desta terça-feira (20), após quase 12 horas de julgamento. O caso será retomado às 9h desta quarta-feira (21), no Fórum Desembargador Rodolfo Aureliano, na Ilha de Joana Bezerra, no Centro do Recife. Marcos Laurindo, então com 21 anos de idade, foi morto por um policial militar no dia 16 de maio de 2013, na comunidade Bola na Rede, na Guabiraba, Zona Norte do Recife.

Nesta terça-feira (20), durante a primeira etapa do júri, foram ouvidas cinco testemunhas, entre elas, a mãe da vítima, Lúcia Conceição, de 62 anos, que viu o filho ser morto a tiros por um policial militar.

O PM, identificado como Diogo Pereira de Barros, também prestou depoimento nesta terça-feira (20). Responsável pelos disparos, ele é réu por homicídio duplamente qualificado (motivo torpe por impor medo com uso de truculência, e não ter dado chance de defesa à vítima).

Além dele, o Ministério Público também acusa o PM Paulo Sérgio Reis da Silva, que estava na viatura ao lado de Diogo no momento do assassinato. O policial é réu por fraude processual. Ao ser ouvido nesta terça, Paulo respondeu apenas aos questionamentos da juíza e se declarou inocente.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: