X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Polícia

Filha e amiga simulam sequestro e se automutilam para extorquir R$ 50 mil da mãe

Em pânico, imaginando que a filha corria risco de vida, a mulher extorquida procurou a polícia



Imagem ilustrativa da imagem Filha e amiga simulam sequestro e se automutilam para extorquir R$ 50 mil da mãe
Delegado do GOE Jorge Pinto fala que a suposta vítima de sequestro estava enviando mensagens do próprio celular |  Foto: Reprodução de imagens de Onilldo Xavier/TV Tribuna PE/Band (canal 4)

Uma história de falso sequestro, que teria ocorrido no município de Abreu e Lima, na Região Metropolitana do Recife, foi descoberta pelo Grupo de Operações Especiais da Polícia e revelada, nesta terça-feira (20), pelo delegado Jorge Pinto.

De acordo com o delegado, uma mulher de 26, cujo nome ainda não pode ser revelado, ligou para a mãe, uma professora aposentada, contando que tinha sido sequestrada na cidade já mencionada. Ela informou que estava num cativeiro com uma amiga, de 24 anos, e enviou fotos expondo vários cortes pelo corpo. 

A mãe foi contatada por telefone pela filha. A suposta vítima contou, pelo próprio celular, que as duas estavam sendo ameaçadas de morte. Ela também pediu dinheiro à mãe para poder ser resgatada com vida, um valor de R$ 50 mil.

Automutilação

Imagem ilustrativa da imagem Filha e amiga simulam sequestro e se automutilam para extorquir R$ 50 mil da mãe
As imagens enviadas para a mãe exibiam vários cortes no corpo da mulher, tufo de cabelo no chão e sangue |  Foto: Reprodução de imagens de Onilldo Xavier/TV Tribuna PE/Band (canal 4)

As imagens enviadas para a mãe exibiam vários cortes no corpo da mulher, tufo de cabelo no chão e sangue. A reportagem foi apurada pela repórter Luciana Queiroz e exibida no Brasil Urgente, da TV Tribuna PE, programa transmitido às 16h, no canal 4.

As duas suspeitas só não esperavam uma surpresa: a professora aposentada tinha acionado a polícia, temendo pela vida de sua vida. A mãe procurou uma delegacia do bairro, no dia 16 de fevereiro, e as investigações passaram para o Grupo de Operações Especiais (GOE), que ficou com a responsabilidade de monitorar todas as ligações.

“Com o prosseguimento das apurações foi descoberto que nunca houve sequestro, mas sim, uma trama para obter vantagem indevida da mãe de criação dela. A mãe vivenciou momentos de terror com o pai”, disse o delegado Jorge Pinto. O nome do pai e da mãe também não foram revelados.

Com interferência do GOE, a mãe e professora aposentada foi orientada a não fazer a transferência e as supostas vítimas decidiram voltar para casa. Chegando à residência da mãe, no bairro de San Martin, no Recife, foram abordadas pela Polícia, que também estava chegando no mesmo local.

Armação

As duas mulheres pegaram uma kombi e vieram de Paulista. A investigação mostraram que, pelo caminho, elas chegaram a se automutilar ainda mais.

Com a constatação da fraude, os policiais do GOE prenderam as duas em flagrante pelo crime de extorsão majorada. A mulher de 26 anos, que tramou tudo, teve o flagrante convertido em prisão temporária. Já a amiga foi liberada depois de passar por audiência de custódia.

Mais de 10 anos de reclusão

Após a conclusão das investigações e, a depender do Ministério Público e do julgamento, o crime de extorsão majorada pode passar de 10 anos de reclusão.

Segundo o delegado, as duas mulheres teriam forjado o falso sequestro durante uma festa e, possivelmente, alugado uma casa para fazer de falso cativeiro.

“O planejamento foi curto. A gente não notou um requinte organizacional na empreitada. Uma delas, a principal investigada nossa (a filha), já responde a processo de tráfico de drogas no Paraná, estava em liberdade provisória. A mãe relatou que ela sempre foi complicada, tinha envolvimento com drogas, furto e roubo de celulares”.

Antes de serem  conduzidas para depoimento, a filha recebeu tratamento hospitalar, pois fez vários ferimentos no próprio corpo.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: