X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Polícia

Corpo de mulher desaparecida há 17 dias é encontrado esquartejado em Goiana

Vilma Simplício da Silva, de 57 anos, morava no Cabo de Santo Agostinho. Suspeito do crime, companheiro dela foi preso


Imagem ilustrativa da imagem Corpo de mulher desaparecida há 17 dias é encontrado esquartejado em Goiana
|  Foto: Reprodução/Redes sociais

O corpo de uma comerciante que estava desaparecida há 17 dias foi encontrado em decomposição no domingo (20), na cidade de Goiana, Zona da Mata Norte de Pernambuco.

Segundo a Polícia Civil, a cabeça e o braço de Vilma Simplício da Silva, 57, foram decepados. Uma perícia está sendo feita para confirmar se o suspeito do crime foi responsável pelo esquartejamento, ou algum animal arrancou as partes do corpo.

Um homem de 35 anos, com quem a vítima mantinha um relacionamento, foi preso suspeito de cometer o crime. Ele teria atraído a mulher para saírem, no dia 2 de agosto, do município de Cabo de Santo Agostinho até Goiana.

"Num primeiro momento, ele se mostrou inocente. Ao ser confrontado com as provas, filmagens dele saindo de Santo Agostinho no dia 2 de agosto, filmagem dele com o celular da vítima no município de Goiana, ele viu que não teria escapatória e confessou o crime", disse o delegado José Alexandre.

O homem, de acordo com a polícia, chegou a responsabilizar uma suposta terceira pessoa pelo crime, mas o delegado descartou a hipótese. "Essa versão não corrobora com as provas nos autos. Se de fato existiu esse tal de 'José', ele poderia ter procurado a polícia, seja naquele dia ou depois. Mas ele foi para o centro beber e vender o celular da vítima".

O suspeito atraiu a vítima até o local de mata fechada com a promessa de que iria fazer um "trabalho religioso" para curá-la de um suposto problema na pele. Após a morte da mulher, o homem ainda fez saques com o cartão da comerciante e transferências na modalidade pix.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: