X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Economia

Pernambuco e Recife se destacam na geração de empregos no Nordeste

Estado ficou em primeiro lugar no ranking da região, enquanto o Recife alcançou o segundo


Imagem ilustrativa da imagem Pernambuco e Recife se destacam na geração de empregos no Nordeste
O resultado positivo foi puxado, principalmente, pelos setores de Serviços (3.119) |  Foto: Divulgação

Pernambuco atingiu, pelo terceiro mês consecutivo, a maior geração de postos de trabalho do Nordeste, com 8.272 novas carteiras assinadas. Os números de outubro representam um aumento de mais de 9,5% em relação ao mesmo período do ano passado.

Os dados são do Novo Caged, divulgados nesta terça-feira (28) pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). No acumulado dos dez primeiros meses do ano, são 52.477 empregos gerados.

"Mesmo sendo um ano que enfrentamos desequilíbrio de contas e orçamento defasado, estamos trabalhando muito e os resultados começam a se consolidar. Recolocar Pernambuco no trilho do desenvolvimento representa garantir mais emprego e renda para combatermos as mazelas sociais, que precisam e vão ficar no passado", destaca a governadora Raquel Lyra.

O somatório de vagas criadas apenas nos últimos três meses, ou seja, agosto, setembro e outubro, foi de 42.881, o que corresponde a 81,7% do total de postos gerados desde janeiro.

Setores - Todos os cinco grandes setores produtivos em Pernambuco tiveram saldo de empregos positivo no mês de outubro de 2023. O resultado foi puxado, principalmente, pelos setores de Serviços (3.119), Comércio (2.392) e Indústria (1.824). Em seguida, vieram Agropecuária (686) e Construção (251).

NO RECIFE - De um saldo total de 8.272,  o Recife contribuiu com 2.778 novos empregos com carteira assinada. É o décimo mês consecutivo com saldo positivo na geração de postos de trabalho em 2023.

No último mês, foram criados 2.778 novos empregos, marcando o segundo melhor desempenho do ano. Isso contribui para um total de 17.712 vagas geradas de janeiro a outubro. Com esses números, o Recife alcança um estoque de 546.988 empregos formais.

De acordo com a secretária de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Recife, Joana Portela Florêncio, diversos movimentos realizados ao longo do ano deram retorno nos números de empregos formais - um dos principais indicadores de bem estar econômico e social.

“Crescer e continuar entregando resultados positivos é o resultado de um conjunto de esforços alinhados com o empreendedor, entendendo as demandas e viabilizando o ambiente para que os negócios sigam prosperando na cidade e, consequentemente, gerando mais empregos para quem vive no Recife”, destacou a secretária.

Entenda os dados

Os dados do Caged referentes a outubro revelam 17.954 admissões e 15.176 desligamentos no Recife. Com um saldo positivo de 2.778 empregos formais, a cidade se destaca como a segunda maior geradora de postos com carteira assinada no Nordeste no período, ficando atrás apenas de Fortaleza (CE), que registrou 3.090 novos empregos.

No âmbito setorial, o segmento de Serviços lidera com o maior saldo (1.816), resultado de 10.870 contratações e 9.054 demissões. O Comércio também apresenta um saldo positivo, com a criação de 1.050 empregos. A Indústria (saldo de 155) e a Agropecuária (6) também contribuem para o crescimento, enquanto a Construção apresenta o único saldo negativo (-249).

Ao analisar os dados por escolaridade, o ensino médio completo continua sendo o nível mais recrutado, com 2.411 admissões em outubro. Trabalhadores com ensino superior incompleto somam 132, e os com ensino médio incompleto, 118. Quanto ao gênero, as mulheres superam os homens, totalizando 1.552 contra 1.226, respectivamente.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: