X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Cidades

SES-PE identifica 278 casos suspeitos de Maré Vermelha em Tamandaré

Técnicos da Secretaria Estadual de Saúde fizeram mapeamento de possíveis casos de intoxicação causados por algas nocivas


Imagem ilustrativa da imagem SES-PE identifica 278 casos suspeitos de Maré Vermelha em Tamandaré
|  Foto: Divulgação/SES-PE

Representantes da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), através da Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária (Apevisa), da Diretoria Geral de Vigilância Ambiental e Saúde do Trabalhador e III Gerência Regional de Saúde (III Geres), estiveram no município de Tamandaré, nesta quinta-feira (1º), em visita técnica, para identificar e mapear os possíveis casos de intoxicação relacionada ao fenômeno da Maré Vermelha (popularmente conhecido Tingui, Febre de Tamandaré), que é uma Floração de Algas Nocivas.

Os técnicos da SES-PE, juntamente com as equipes de saúde do município, realizaram o levantamento e análise dos prontuários de atendimentos dos pacientes que buscaram o hospital local, no período de 26 a 30 de janeiro, com relato de cefaleia (dor de cabeça), mal-estar, dor no corpo, náusea, dor abdominal, vômitos e irritação ocular, de garganta, nasal e de pele com contato direto ou indireto com o mar.

Em uma análise preliminar do período, 278 casos suspeitos foram identificados nos prontuários do Hospital Municipal. Os casos serão analisados para confirmação ou não. O número de casos poderá ser alterado até o final da investigação.

Pelo momento atual do ciclo da floração dessas algas, a tendência é que haja a diminuição de casos relacionados ao fenômeno. Porém, é importante o monitoramento constante por parte dos órgãos ambientais, uma vez que novos episódios podem ocorrer durante o verão.

Não há, neste momento, a orientação para evitar a ida ao mar ou praia, bem como para evitar o consumo de moluscos (mariscos, ostras e sururu). Mas a população deve estar atenta ao odor e a coloração da água do mar que pode sinalizar possíveis novos episódios. Nessa situação, deve-se evitar a proximidade com os locais afetados.

Ainda durante a visita, representantes da SES e do município de Tamandaré estiveram presentes na Associação de Pescadores, a convite da presidente da Associação, Maria Madalena, que foi a responsável pelo sinal de alerta às autoridades de saúde do Estado.

Na oportunidade, foi informado que cerca de 200 pescadores apresentaram sintomas da intoxicação durante a Maré Vermelha. Alguns relatos dos pescadores foram feitos durante o encontro. Eles acreditam que o "Tingui" - forma como eles conhecem o fenômeno-, foi mais forte do que em anos anteriores, visto que desde a década de 1940 episódios semelhantes ocorreram na região.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: