X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Cidades

Segurança de loja de shopping é preso por acusar sem provas cliente negro de roubo

Constrangimento aconteceu em um shopping da Zona Sul do Recife


Imagem ilustrativa da imagem Segurança de loja de shopping é preso por acusar sem provas cliente negro de roubo
|  Foto: Reprodução/Google Maps

O auxiliar administrativo Irenildo Florêncio prestou queixas na delegacia de polícia do Bairro de Boa Viagem sobre uma acusação sem provas de ter roubado meias da loja Riachuelo, do Shopping RioMar, no Bairro do Pina, Zona Sul do Recife.

O homem contou aos policiais, que ao sair da loja, onde foi comprar meias, foi abordado por um segurança da Riachuelo que pediu que ele devolvesse as meias que havia escondido no bolso da calça. Irenildo então mostrou os três pares de meia que havia comprado, junto com a nota fiscal de aquisição do produto.

O segurança afirmou que as câmaras de monitoramento da loja mostraram quando, supostamente, Irenildo tinha praticado o roubo, e pediu para ele esvaziar os bolsos. Não havia nada  nos bolsos, além de papel. O segurança então pediu desculpas e se retirou.

RACISMO

O auxiliar administrativo conta que percebeu que se tratava, além do constrangimento, de um crime de racismo pois nenhum outro cliente da loja foi abordado pelo segurança, e que ele fora acusado, mesmo sem provas. Irenildo procurou imediatamente a polícia que prendeu o segurança da loja em flagrante por "constrangimento ilegal". Após passar por audiência de custódia, o segurança foi liberado para responder ao processo em liberdade.

O advogado de Irenildo Florêncio quer que o segurança da loja responda também pelo crime de racismo, por conta da abordagem, segundo o advogado, discriminatória. De acordo com o portal G1, a Riachuelo respondeu em nota que "repudia todo e qualquer ato discriminatório" e que está à disposição das autoridades para colaborar como for preciso para esclarecimento dos fatos.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: