X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Cidades

Histórico Edifício Holiday, em Boa Viagem, vai a leilão em março de 2024

Imóvel está desocupado desde 2019 para garantir a segurança de mais de 3 mil moradores


Imagem ilustrativa da imagem Histórico Edifício Holiday, em Boa Viagem, vai a leilão em março de 2024
O imóvel virou símbolo de decadência, com riscos estruturais, ligações elétricas clandestinas, arrombamentos e furtos. |  Foto: Divulgação

O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) decretou um capítulo decisivo na história do Edifício Holiday, localizado em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife. O TJPE determinou a realização de um leilão para a venda do Edifício Holiday, que, em 2019, foi desocupado devido a riscos estruturais que comprometiam a segurança dos mais de 3 mil habitantes.

A sentença proferida pelo juiz estabelece o leilão inaugural para a venda do Holiday em 28 de março de 2024, ao meio-dia, com um segundo leilão agendado para 25 de abril.

Agora, os proprietários dos 476 apartamentos, que viram seu lar ser evacuado, aguardam a indenização prometida pela recente decisão judicial. O edifício histórico tem 17 andares, cujos moradores iniciais testemunharam o desenvolvimento da cidade desde sua construção em 1956. O Holiday foi um dos primeiros arranha-céus do Recife.

O magistrado responsável pela sentença, Luiz Gomes da Rocha Neto, da 7ª Vara da Fazenda Pública da Capital, coloca em perspectiva o destino dos proprietários, destacando que, ao negligenciarem a função social de suas propriedades, abdicaram do direito de posse.

Para eles, resta apenas o direito subjetivo à indenização pela perda do bem imóvel.

O Edifício Holiday, ao longo dos anos, passou de ícone arquitetônico a um símbolo de decadência, enfrentando não apenas desafios estruturais, mas também riscos iminentes, como ligações elétricas clandestinas que aumentaram o perigo de explosões.

O processo judicial, que se estendeu por quatro anos, testemunhou o declínio do edifício, marcado por arrombamentos frequentes e furtos, enquanto o condomínio e os interessados eram incapazes de garantir a segurança do patrimônio.

 Este é o epílogo de uma era para o Edifício Holiday, que, após décadas de história, enfrenta um novo capítulo na encruzilhada entre a preservação do passado e a necessidade de segurança e progresso.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: