search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Pedido para regulamentar profissão de musicoterapia

Notícias

Publicidade | Anuncie

Cidades

Pedido para regulamentar profissão de musicoterapia


A musicoterapia, tratamento terapêutico por meio da música, está presente na realidade das pessoas, ainda que de maneira tímida, mas com poder de atuação em diversos casos. No entanto, apesar de ser regularizada, a categoria agora busca a regulamentação da profissão para expandir e facilitar o acesso das pessoas à musicoterapia.

De acordo com o presidente da Associação de Musicoterapia do Espírito Santo (Amtes), Alexandre Araújo, os profissionais buscam, junto à União Brasileira das Associações de Musicoterapia (Ubam), a regulamentação da profissão, que tramita em Brasília, restando apenas a definição do Congresso Nacional.

“Já pedimos a regulamentação da musicoterapia por meio de projeto de lei desde o ano passado. Ele seria aprovado este ano, mas, por conta da pandemia, deram preferência para pautas relacionadas à Covid-19. Mesmo assim, ainda estamos na expectativa de que seja aprovado antes do fim deste ano ou ainda no primeiro semestre do ano que vem”, relatou.

“Com a regulamentação, os profissionais da área terão mais presença no mercado, bem como mais oportunidades de contratação de novos musicoterapeutas, por meio de concursos, e melhorias nas políticas públicas”, afirmou Alexandre que, junto ao músico Gabriel Geraldo, atende os pacientes Jupira de Araújo e Adalberto Nunes.

“A regulamentação vai facilitar a atuação dos profissionais no mercado, principalmente de quem vai utilizar esse trabalho dentro do serviço público”.

Para a musicoterapeuta Orliene Zandonade, que atua na área há 13 anos, a regulamentação vai ser importante para a valorização do profissional e para garantir a qualidade do trabalho, além de evitar atuações irregulares na profissão.

No Estado, há hoje 26 musicoterapeutas registrados na Amtes.

Alexandre Araújo e  o músico  Gabriel Geraldo com os pacientes Jupira de Araújo e Adalberto Nunes (Foto: Kadidja Fernandes/AT)
Alexandre Araújo e o músico Gabriel Geraldo com os pacientes Jupira de Araújo e Adalberto Nunes (Foto: Kadidja Fernandes/AT)


Entenda


Musicoterapia

  • A musicoterapia é o tratamento terapêutico que utiliza melodia, harmonia e ritmo. A música é a chave para ajudar os pacientes que buscam esse tipo de tratamento.

  • Esse tipo de tratamento lida com situações emocionais. A ligação entre música e ser humano é profunda.

  • Pode ser utilizada desde bebê até em idosos, e em pessoas com alguma necessidade especial, como autismo e casos de demência.

  • As pessoas podem usar a musicoterapia para superar traumas, como a morte de um familiar, um divórcio, perturbações e até mesmo traumas causados por acidentes físicos.

  • Entre os benefícios da musicoterapia estão a melhora na comunicação, a sociabilidade, a melhoria da compreensão cognitiva e a capacidade de retenção de informação.

Regulamentação

  • A Amtes entrou com um pedido, junto à União Brasileira das Associações de Musicoterapia (Ubam), para a regulamentação da profissão. O pedido foi feito em 2019 e tramita em Brasília.

  • A expectativa é de que o Projeto de Lei seja aprovado entre o fim deste ano e o 1º semestre do ano que vem.

  • A regulamentação vai tornar os profissionais mais presentes no mercado, além de garantir mais oportunidades de contratação e evitar atuações irregulares na profissão.

Fonte: Presidente da Amtes, Alexandre Geraldo Nunes de Araújo.
 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados