search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Para quem vai o seu voto
Martha Medeiros
Martha Medeiros

Martha Medeiros


Para quem vai o seu voto

Os candidatos costumam declarar: vou governar para todos. É, de fato, o que devem prometer e cumprir, mas, na prática, há uma parcela da sociedade para quem o nome do prefeito ou prefeita pouco influi. Meu caso, por exemplo. Sou uma privilegiada. Tenho carro, não uso transporte público, nem creches e escolas públicas. O prédio onde moro tem câmeras e portaria 24h – não resolve o problema da violência das ruas, mas é uma proteção.

Tenho previdência privada e plano de saúde – também não significa que eu não precise eventualmente do SUS, mas ajuda muito a conseguir atendimento rápido e não ficar em filas.

Sou sócia de um clube com parque privativo, canchas de tênis, academia, piscinas, tudo limpo e bem cuidado. Meu lazer é exclusivo, com carteirinha de acesso.

Além disso, minha rede de contatos pessoais inclui médicos, advogados, engenheiros, empresários, jornalistas: se eu vier a precisar deles, basta um telefonema.

Claro que necessito, como toda a população, de ruas bem iluminadas e arborizadas, feiras livres, serviço de bombeiros e polícia, trânsito desobstruído, eventos culturais e tudo o que torna uma cidade acolhedora, mas, em se tratando das questões básicas, o prefeito ou prefeita que se eleger mudará pouco o meu dia a dia.

Enorme diferença fará, isso sim, na vida de quem depende do poder público para tudo: segurança, educação, transporte, saúde.
Ou seja, dos bairros e comunidades mais pobres. E mais ainda se não forem pessoas brancas e héteros como eu, que ainda tenho esta regalia: nunca fui vítima de preconceito.

As cidades que terão segundo turno ganharam mais tempo para pensar. Então pense. Se você tem os mesmos privilégios, dê uma chance a quem está se propondo a melhorar o cotidiano de quem vive com muito mais aperto que nós.

Ninguém será um salvador da pátria, isso não existe, todos os governantes acertam e erram, mas sejamos corajosos para apostar em gente jovem, gente que precisa da experiência de gerir uma cidade, que necessita dessa vitrine para mostrar a que vieram.

Permita que essa eleição faça parte da construção da carreira política de quem, certamente, buscará ir mais longe, e que não desperdiçará a oportunidade de começar bem.

Se onde você mora não há uma liderança renovadora competindo, que ao menos a juventude esteja no espírito do seu candidato. E no nosso.
Não tenhamos medo. Acomodação é para quem perdeu a capacidade de sonhar e de se comover. Falo por mim: considero emocionante votar. É quando me reconheço uma cidadã, alguém que importa, que é útil à sociedade. Vote dia 29.

Mas não vote pensando em você mesmo, nas suas crenças espirituais, nas suas simpatias ou antipatias. Vote pensando nos outros. Vote pensando naqueles que precisam urgentemente ser mais beneficiados do que você e eu.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Martha Medeiros

Não basta falar em Deus

Um leitor me pergunta por e-mail: “Como podes atacar um homem tão bom, um aliado de Deus?”. Não preciso dizer a quem ele defendia. A mensagem era cortês, de alguém que acredita que um político que se …


Exclusivo
Martha Medeiros

Aprimorar-se

“Aprimorada pelo tempo”. Gostei dessa definição que li no livro A Ciranda das Mulheres Sábias, da Clarisse Estés. Envelhecer não é nenhum escândalo, mas aprimorar-se é um verbo mais simpático. Na …


Exclusivo
Martha Medeiros

De repente, um sinal de WhatsApp

Me sento em frente ao computador e olho para a tela em branco. Estou decidida a escrever algo a respeito do Dia dos Namorados, mas o quê? A clássica angústia dos colunistas. Antes que me venha a …


Exclusivo
Martha Medeiros

Por trás das máscaras

Ela vinha caminhando em minha direção, de rabo de cavalo, óculos escuros e máscara. Graças à educação que recebi em casa, disse a ela “bom dia”, como digo a todos com quem cruzo durante uma caminhada…


Exclusivo
Martha Medeiros

Vamos comprar um poeta

Sou obrigada a dar o crédito à maldita pandemia: estou lendo bem mais. Ando faminta pelas histórias dos outros, pela vida em sua amplitude e assim vou atualizando as versões de mim mesma. A leitura …


Exclusivo
Martha Medeiros

O que será de nós?

Quem conhece a obra do psicanalista Contardo Calligaris deve ter se sentido, como eu, meio órfã com sua partida precoce. Suas colunas de jornal, entrevistas, palestras, tudo servia como uma espécie …


Exclusivo
Martha Medeiros

Recorrendo à utopia

Em determinadas cidades, o comércio pode ficar aberto; em outras, deve fechar. Em alguns países, os surtos diminuíram; em outros, foram detectadas novas variantes do vírus. Há crianças sem aulas por …


Exclusivo
Martha Medeiros

Flower Power

Em meio ao desespero pandêmico, foi baixado um decreto autorizando supermercados gaúchos a venderem apenas produtos essenciais – o que fosse supérfluo deveria ser coberto por um plástico ou qualquer …


Exclusivo
Martha Medeiros

Realeza e realidade

Quando criança, figuras monárquicas eram personagens da minha imaginação, com todos os estereótipos que lhes cabiam: a princesa bela, a rainha ardilosa, o príncipe salvador, o rei indolente – nada …


Exclusivo
Martha Medeiros

Uma bandeira destruída

Não sou de me ufanar, mas é difícil segurar a emoção quando vejo um atleta receber uma medalha olímpica enquanto nosso hino toca e a bandeira do País é hasteada. Nesses momentos, sou tomada de um …