search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Padre não consegue voltar para Portugal e morre de Covid em Minas Gerais

Notícias

Publicidade | Anuncie

Coronavírus

Padre não consegue voltar para Portugal e morre de Covid em Minas Gerais


O padre Adriano Martins da Mata, 46 anos, que atuava em Portugal e era assistente Geral da Sociedade de Vida Apostólica Milícia de Cristo (Milicianos), no Espírito Santo, morreu na madrugada desta terça-feira (6) vítima da Covid-19.

Ele viajou para o Brasil no final do ano passado para comemorar o aniversário de 100 anos da avó, mas não conseguiu retornar para Portugal por causa de restrições de voo devido à pandemia. No final de março, acabou adoecendo, foi diagnosticado com o novo coronavírus e não resistiu.

O padre Adriano da Mata tinha 46 anos e também atuou no Espírito Santo (Foto: Acervo Pessoal)
O padre Adriano da Mata tinha 46 anos e também atuou no Espírito Santo (Foto: Acervo Pessoal)

Adriano da Mata estava internado na UTI da Santa Casa de Misericórdia, em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Ordenado padre em 2015, pela Diocese de Beja, em Portugal, ele trabalhou no Espírito Santo na Casa Geral e no Lar de Idosos - Centro de Acolhida Monsenhor Alonso, localizados na Capital, na época em que era seminarista.

Como assistente geral, ele atualmente participava da diretoria do instituto Milícias de Cristo e auxiliava nas questões internas da instituição. Além disso, também foi responsável por duas paróquias em Nanuque, Minas Gerais, uma em Porto Seguro, na Bahia, e nos dias atuais cuidava de nove paróquias em Portugal.

De acordo com o padre Reuber Daltio, que atua no Espírito Santo, o colega morava em Portugal e veio ao Brasil também para comemorar o centenário da avó. No entanto, ela acabou falecendo em fevereiro, antes da comemoração.

Depois disso, Adriano foi para casa de familiares no interior de Minas Gerais, pois não estava conseguindo remarcar a passagem de volta para Portugal, em razão das restrições sanitárias adotadas pelo país europeu por causa da pandemia.

Nesse período em que esteve no Brasil, padre Adriano tentou marcar a passagem de volta por pelo menos seis vezes. Em abril, finalmente conseguiu.

“Ele havia conseguido remarcar a passagem de volta para a Sexta-feira da Paixão, dia 2 de abril, porém testou positivo para covid-19 dias antes e acabou tendo complicações. Faleceu em seguida”, detalhou padre Reuber Daltio.

Reuber, que é tesoureiro do Instituto Milícias de Cristo e também trabalha na administração do Centro de Acolhida Monsenhor Alonso, no Parque Moscoso, em Vitória, disse que ele e Adriano eram amigos há dez anos e foi o padre quem o substituiu em Portugal.

“Adriano era uma pessoa muito querida por todos de nossa comunidade. Sentimos muito sua partida”, contou.

O enterro aconteceu nesta terça-feira (06), às 17 horas, na cidade natal do padre Adriano, Dr. Joaquim Murtinho, em Congonhas, Minas Gerais.

A Arquidiocese de Vitória emitiu uma nota em seu site, lamentando a morte do religioso e se solidarizando com a congregação, familiares e amigos do padre.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados