search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Os jogos precisam ser legalizados no Brasil
Tribuna Livre

Os jogos precisam ser legalizados no Brasil

O ano era 1946. No dia 30 de abril, foi publicado o Decreto Lei 9215 que proibiu os (erroneamente) denominados jogos de azar. Os fundamentos da proibição? Que a repressão aos jogos de azar é um imperativo universal; que os povos cultos visam tal proibição; que a tradição do povo brasileiro é contrária à prática de jogos de azar; que, das exceções abertas à lei geral, decorreram abusos nocivos à moral e aos bons costumes e que as licenças e concessões para prática e exploração de jogos de azar foram dadas a título precário, podendo ser cassadas.

Os fundamentos — à exceção do último, mero argumento tecnocrata — são fragorosamente errôneos. Já eram àquela época, e, hoje, salta aos olhos a ignomínia da proibição.

Em 1946, foram perdidos 53.200 postos de trabalho. Eram milhares de profissionais que gravitavam internamente ou ao redor da indústria do jogo. Mais recentemente, quando do fechamento dos bingos, o país perdeu cerca de 120 mil postos de trabalho.

Vamos falar de PIB. O Japão autorizou, recentemente, o jogo em situação moderada (grandes resorts). A expectativa é de um crescimento do PIB japonês em torno de 1%.

Se tivermos no Brasil o mesmo 1% de incremento (e podemos ter até mais), serão 20 bilhões de dólares (R$ 84 bilhões).

Vejamos agora como os argumentos usados contra o jogo são um equívoco. Antes de tudo, mudemos o nome. De jogos de azar para jogos de azar ou fortuna, pois, se for só azar, é estelionato, e não jogo.

Os jogos de azar ou fortuna não têm nenhum imperativo da consciência “universal” para sua extinção. Não há legislação de povos “cultos” que impliquem vedação ao jogo, a não ser que Estados Unidos, Portugal, Mônaco e tantos outros países sejam “selvagens” ou “incultos”.

Quanto à tradição do brasileiro, a manutenção de outros jogos entre nós demonstra que temos, sim, nos jogos, uma fonte de lazer e prazer, e não um acinte.

Para se ter uma ideia, em 2014 as apostas legais (loterias Caixa, loterias Estaduais e jóqueis) movimentaram R$ 14 bilhões. O jogo do bicho — o ilegal mais amado — movimentou R$ 12 bilhões!
Somando com as apostas ilegais na internet, bingos e caça-níqueis ilegais, teremos quase R$ 20 bilhões. Atentem: sem nenhum imposto recolhido. Eis o fruto da manutenção da proibição.

Com a legalização, teremos a cobrança pela concessão, que alguns países fixam em até 35%, e o imposto municipal sobre serviços (5%, atualmente).

Os principais interessados são, portanto, os municípios, mas, atualmente, poucos prefeitos se movimentam em prol da aprovação dos Projetos de Lei que tramitam no Congresso Nacional, que precisam ser melhorados e atualizados.

Se o argumento do vício levasse à proibição, deveríamos proibir jogos eletrônicos, já que estão catalogados pela Organização Mundial da Saúde como doença a chamada Gaming Disorder.

Se a possibilidade de gastos financeiros fosse a definição para a proibição, também os jogos eletrônicos movimentam, apenas a título de Skin Bettings – espécie de mercado de distintivos e premiações que um jogador recebe –, milhões de euros, sem qualquer regulação.

Boa regulação, e não proibição. Essa é a fórmula do sucesso. A proibição leva à clandestinidade, ao não recolhimento de tributos, à corrupção. A Gaming Industry exige regras claras e transparência.

Luiz Henrique Alochio é advogado e doutor em Direito

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

A violência doméstica durante a pandemia

Devido ao isolamento social na pandemia da Covid-19, houve um aumento da violência doméstica. A Lei 11.340, de 7 de agosto de 2006 – que completa 14 anos hoje –, mais conhecida como Lei Maria da …


Exclusivo
Tribuna Livre Nutridicas

Cuidados com a alimentação para manter a saúde do paizão

Os homens estão cada vez mais cuidando da sua beleza, mas... e com relação à saúde, como estão? Será que estão tão ligados assim? Não há como negar que os cuidados com a saúde devem estar presentes …


Exclusivo
Tribuna Livre

Privatização do Porto de Vitória volta a ser discutida

A privatização do sistema portuário capixaba voltou a ser pautada. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, afirmou que em outubro, provavelmente, será realizada uma consulta pública para a …


Exclusivo
Tribuna Livre

Afastem-se logo dos milagreiros tributários

Em meio à grave crise econômica que assola o Brasil e o mundo, empresas se veem cada vez mais descapitalizadas e diante de uma equação que leva à pena de morte: inadimplência e custos cada vez mais …


Exclusivo
Tribuna Livre

Cuide da saúde do seu coração durante o isolamento social

Nesses tempos de distanciamento social, quem possui alguma doença cardiovascular deve redobrar a atenção com a saúde. De acordo com dados divulgados pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, as …


Exclusivo
Tribuna Livre

Mudanças de hábito valorizam a importância do papel

As embalagens estão cada vez mais no radar das empresas. Seja papel cartão, papelão ondulado ou nos moldes de leite longa vida, as embalagens de papel têm se tornado a menininha dos olhos no mundo …


Exclusivo
Tribuna Livre

A sociedade precisa saber mais sobre a agricultura familiar

Não há governante que, nos dias atuais, consciente do seu papel, não compreenda a necessidade de se investir num setor tão importante para o povo brasileiro. Muito se fala em manutenção do homem …


Exclusivo
Tribuna Livre

Novos modos de vida e a “economia de baixo contato”

Enquanto algumas tendências sinalizam movimentos socioculturais ou respostas para os desafios globais persistentes, outras emergiram do contexto específico da pandemia da Covid-19. A tendência da …


Exclusivo
Tribuna Livre

Trezena de Santo Antônio muda de data sem perder a vocação

Há quase oito décadas, com festivas solenidades, é pela primeira vez que a Trezena de Santo Antônio deixou de acontecer nos 13 dias do mês de junho, na Paróquia e Santuário-Basílica, em Vitória. A …


Exclusivo
Tribuna Livre

A modernização dos cartórios em tempos de Covid-19

Mesmo antes da pandemia, o sistema cartorário já tinha migrado diversos serviços para serem solicitados e feitos através das centrais online. Durante o período da quarentena, essas centrais se …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados