search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Os jogos precisam ser legalizados no Brasil
Tribuna Livre

Os jogos precisam ser legalizados no Brasil

O ano era 1946. No dia 30 de abril, foi publicado o Decreto Lei 9215 que proibiu os (erroneamente) denominados jogos de azar. Os fundamentos da proibição? Que a repressão aos jogos de azar é um imperativo universal; que os povos cultos visam tal proibição; que a tradição do povo brasileiro é contrária à prática de jogos de azar; que, das exceções abertas à lei geral, decorreram abusos nocivos à moral e aos bons costumes e que as licenças e concessões para prática e exploração de jogos de azar foram dadas a título precário, podendo ser cassadas.

Os fundamentos — à exceção do último, mero argumento tecnocrata — são fragorosamente errôneos. Já eram àquela época, e, hoje, salta aos olhos a ignomínia da proibição.

Em 1946, foram perdidos 53.200 postos de trabalho. Eram milhares de profissionais que gravitavam internamente ou ao redor da indústria do jogo. Mais recentemente, quando do fechamento dos bingos, o país perdeu cerca de 120 mil postos de trabalho.

Vamos falar de PIB. O Japão autorizou, recentemente, o jogo em situação moderada (grandes resorts). A expectativa é de um crescimento do PIB japonês em torno de 1%.

Se tivermos no Brasil o mesmo 1% de incremento (e podemos ter até mais), serão 20 bilhões de dólares (R$ 84 bilhões).

Vejamos agora como os argumentos usados contra o jogo são um equívoco. Antes de tudo, mudemos o nome. De jogos de azar para jogos de azar ou fortuna, pois, se for só azar, é estelionato, e não jogo.

Os jogos de azar ou fortuna não têm nenhum imperativo da consciência “universal” para sua extinção. Não há legislação de povos “cultos” que impliquem vedação ao jogo, a não ser que Estados Unidos, Portugal, Mônaco e tantos outros países sejam “selvagens” ou “incultos”.

Quanto à tradição do brasileiro, a manutenção de outros jogos entre nós demonstra que temos, sim, nos jogos, uma fonte de lazer e prazer, e não um acinte.

Para se ter uma ideia, em 2014 as apostas legais (loterias Caixa, loterias Estaduais e jóqueis) movimentaram R$ 14 bilhões. O jogo do bicho — o ilegal mais amado — movimentou R$ 12 bilhões!
Somando com as apostas ilegais na internet, bingos e caça-níqueis ilegais, teremos quase R$ 20 bilhões. Atentem: sem nenhum imposto recolhido. Eis o fruto da manutenção da proibição.

Com a legalização, teremos a cobrança pela concessão, que alguns países fixam em até 35%, e o imposto municipal sobre serviços (5%, atualmente).

Os principais interessados são, portanto, os municípios, mas, atualmente, poucos prefeitos se movimentam em prol da aprovação dos Projetos de Lei que tramitam no Congresso Nacional, que precisam ser melhorados e atualizados.

Se o argumento do vício levasse à proibição, deveríamos proibir jogos eletrônicos, já que estão catalogados pela Organização Mundial da Saúde como doença a chamada Gaming Disorder.

Se a possibilidade de gastos financeiros fosse a definição para a proibição, também os jogos eletrônicos movimentam, apenas a título de Skin Bettings – espécie de mercado de distintivos e premiações que um jogador recebe –, milhões de euros, sem qualquer regulação.

Boa regulação, e não proibição. Essa é a fórmula do sucesso. A proibição leva à clandestinidade, ao não recolhimento de tributos, à corrupção. A Gaming Industry exige regras claras e transparência.

Luiz Henrique Alochio é advogado e doutor em Direito

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Meditação é de graça e fácil

Li outro dia uma coisa engraçada sobre a meditação, mas que traduz uma grande verdade: “Se correr o bicho pega; se ficar o bicho come; se meditar o bicho some”. Sim, o bicho some completamente …


Exclusivo
Tribuna Livre

O uso da geointeligência no combate ao crime

Nas últimas décadas, a humanidade vivencia grandes invenções tecnológicas. Sua constante necessidade de compreender e ocupar o meio em que vive a obriga ter novos conhecimentos a sua disposição. …


Exclusivo
Tribuna Livre

Ionização negativa como cura e prevenção

Muitas pessoas não sabem, mas existe uma situação em que a palavra negativo se completa perfeitamente com a palavra positivo. Sim, quando falamos em íons negativos, que são partículas rápidas da …


Exclusivo
Tribuna Livre

Cidadania ativa é o caminho

O mundo está mudando, as pessoas já não aceitam mais ser espectadoras da cena política, o incômodo parece ser geral, corações e mentes em franco processo de transformação. Parece desordem, fim …


Exclusivo
Tribuna Livre

Donald Trump, Brexit e eleições municipais

Nós, brasileiros, vivenciamos nas últimas eleições nacionais uma guinada política. Sem qualquer juízo de valor, destaco apenas que foi possível verificar nas urnas uma escolha da substancial maioria …


Exclusivo
Tribuna Livre

Depressão, um problema que não podemos ignorar

Um alerta da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontou que a depressão entre idosos lidera o ranking de novos diagnósticos. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou, por …


Exclusivo
Tribuna Livre

Menos cortes e mais cultura

A cultura faz parte da estrutura identitária de um povo. É o elo de pertencimento do indivíduo com a coletividade, e deve ser tratada como política pública, de matriz constitucional. Se depender …


Exclusivo
Tribuna Livre

O julgamento do Tribuna do Júri

O primeiro imperador do Brasil, D. Pedro I, instituiu, em 1822, o Tribunal do Júri no Brasil, com competência exclusiva para julgar os crimes de imprensa. No ano de 1824, outorgou a primeira …


Exclusivo
Tribuna Livre

Tecnologia e o trabalho humano entre operadores do Direito

Sou um advogado em meio a 1,1 milhão de outros advogados espalhados pelo Brasil, aproximadamente. Frente a isso, temos ainda as tecnologias, robôs e equipamentos eletrônicos que tendem a ocupar força …


Exclusivo
Tribuna Livre

Constelação sistêmica familiar como uma ferramenta de cura

A constelação sistêmica familiar, organizacional e jurídica é uma ferramenta de cura desenvolvida por Bert Hellinger, que viveu muitos anos na África com os índios da tribo Zulu, onde estudou padrões …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados