search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Os cem dias
Gilmar Ferreira
Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira


Os cem dias

A prestação de contas do plano de metas elencadas para os primeiros 100 dias da gestão de Jorge Salgado na presidência do Vasco não é das mais animadoras para o torcedor. Porque em última análise o vascaíno que acompanha o time de futebol quer saber mesmo é da captação de dinheiro que possa amenizar a fraqueza do caixa e trazer jogadores de bom nível.

E sobre este item, explicado na 22ª tela do comunicado, a diretoria alega que o “fundo de debêntures” projetado para injetar R$ 70 milhões na economia do clube precisou ser reestruturado após a queda para a Série B do Brasileiro, no final de fevereiro.

No Rio de Janeiro, o Vasco é um dos clubes mais difíceis de ser analisado. Porque, independentemente de erros e acertos nas ações voltadas para o futebol, os anos de chumbo da gestão de Eurico Miranda atrasaram a discussão sobre o futuro do clube.

Somados à experiência malsucedida da administração entregue a Roberto Dinamite, percebem-se as duas décadas perdidas.

Na virada para o novo século, o clube tinha um contrato com o Nations Banks que lhe renderia U$ 100 milhões em dez anos.

Hoje, amarga uma dívida que supera os US$ 150 milhões (R$ 800 milhões) e um saldo de quatro rebaixamentos na divisão nacional.

Tão ruim quanto isso é perceber que o clube perdeu a unidade. Politicamente, o Vasco é multifacetado, perdido entre boas ideias de gestão. Modelos que na verdade não deveriam ser excludentes. Mas que não conseguem ser implementados e continuados porque está sempre a voltar duas casas, tropeçando nas armadilhas de sua política interna.

DNA
Em linhas gerais, a falta de um líder com o DNA do clube separa os vascaínos. Todos querem a mesma pujança, mas as correntes acreditam que sua capacidade de gestão é sempre a mais eficaz. Até assumirem o poder. Daí para frente é justificativa atrás de justificativa.

E assim o Vasco caminha. A rigor, Jorge Salgado e os vascaínos que com ele dividem o poder assumiram o clube em janeiro de 2021 e tiveram doze rodadas do Brasileirão para evitar a queda à Série B e consequente perda de receitas. Faltou competência e paciência.

Agora, não há alternativa de recuperação, senão a união em torno das metas elencadas. Dentre os “homens do presidente” está até o “vascaíno” que cuidou das finanças da gestão de Alexandre Campello e abandonou o clube alegando divergências com o ex-presidente. Ele deve ser bom...

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões...

Passaram-se cinco rodadas do Brasileirão e um dado específico da tabela de classificação me chama atenção: os dois primeiros colocados são de novo os times dirigidos por um português e por um …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

De olho no Maracanã...

O governador Cláudio Castro publicará nos próximos dias o edital de chamamento público para a licitação onerosa do Complexo do Maracanã – tecnicamente chamado de Procedimento de Manifestação de …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Nau a pique...

Décimo-quinto colocado na Série B do Brasileiro, com duas derrotas em casa em quatro jogos e a um ponto acima da zona de rebaixamento à Série C, o Vasco se vê próximo a ter de refazer o planejamento …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O básico

As críticas dos argentinos à qualidade dos gramados brasileiros trazem à luz um ponto crucial que tem sido deixado à margem na discussão sobre o futebol que se joga no Brasil. Tanto Lionel Messi, o …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

É muito provável que a celeuma criada em torno da realização da Copa América no Brasil, com críticas à postura da comissão técnica e dos jogadores, possa fortalecer o trabalho do técnico Tite. Ao …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Clubes irão à CBF

Falta maturidade aos dirigentes do futebol brasileiro para discutir a relação com a CBF, algo que pareceu a contento sob a existência do Clube dos 13, entre 1987 e 2011. Por isso, a pretensão do …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Rebelde sem causa

É até certo ponto curiosa a queda de braços entre o Flamengo e a CBF, instituições que no ano passado se abraçaram para encarar as barreiras impostas ao futebol brasileiro pela pandemia da Covid-19. …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Sem negócio

Fui informado ontem de que não há negociação aberta entre Santos e Fluminense para cessão por empréstimo do meia Paulo Henrique Ganso, de 31 anos. Fonte muito boa me diz que até agora só há uma …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões...

Há anos que não se via a CBF mergulhada numa crise institucional tão severa e vexatória. O afastamento de Rogério Caboclo da presidência pelas denúncias de assédios sexual e moral deu-se logo após a …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O encaixe perfeito

Carlos Alberto Parreira costuma dizer que o grande passo para a conquista do tetra, em julho de 1994, nos Estados Unidos, começou um ano antes, quando, às vésperas do confronto com a Venezuela, em …