X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Brasil perde para russos no vôlei masculino e não vai à final das Olimpíadas pela 1ª vez desde 2000

| 05/08/2021 06:48 h

Uma das favoritas ao ouro em Tóquio, a seleção brasileira de vôlei masculino não conseguiu mais uma vez superar os russos, perdeu na semifinal, por 3 sets a 1 (25/18, 21/25, 24/26 e 23/25), e ficou fora da disputa pelo ouro pela primeira vez desde Sidney-2000.

Brasil perde para russos no vôlei masculino e não vai à final das Olimpíadas pela 1ª vez desde 2000
Brasil perde para russos no vôlei masculino e não vai à final das Olimpíadas pela 1ª vez desde 2000 |  Foto: Reprodução/Twitter @timebrasil

O time do técnico Renan Dal Zotto fracassou diante da seleção do Comitê Olímpico da Rússia, que já havia batido os brasileiros na fase de grupos por 3 a 0 -mesmo placar na Liga das Nações, em junho, na Itália.
O terceiro set foi crucial para o emocional dos atletas de Renan. O Brasil chegou a abrir 20 a 12, mas deixou os adversários, eficientes no bloqueio e no saque, virarem e chegarem com o confiança no quarto e último set na Ariake Arena, que contou com a presença de integrantes a delegação brasileira, entre eles Ana Marcela, medalha de ouro na maratona aquática.

Agora, o Brasil vai disputar o bronze contra França ou Argentina, que jogam na noite desta quinta-feira.
A queda na semifinal em Tóquio tirou a seleção brasileira do que poderia ser sua quinta final consecutiva. Nas quatro edições anteriores, a seleção levou o ouro no Rio, em 2016, e em Atenas-2004. Ficou com a prata em Londres-2012 e Pequim-2008. O ouro veio em Barcelona-1992, oito anos depois da prata em Los Angeles-1984, que tinha Renan em quadra.

Campeão da Copa do Mundo de 2019, a seleção brasileira vinha sendo apontada como uma das principais equipes na briga por medalha em Tóquio. No entanto, a equipe não conseguiu se sobressair ante ao estilo de jogo dos russos, que são bem eficientes no bloqueio e apresentam consistência no saque.

Depois de passar pelo Japão na semifinal, o técnico Renan Dal Zotto disse que era o momento de tirar o estudo para encontrar uma alternativa de pará-los na semifinal.

Para dinamitar a muralha russa, a seleção precisaria contar com o passe do levantador Bruninho e finalizações certeiras dos ponteiros Leal e Lucarelli e do oposto Wallace.

Assim que acabou o confronto contra o Japão pelas quartas de final, Renan disse que era o momento de tirar o estudo da gaveta para conseguir vencer os russos. A seleção fez um primeiro set quase impecável tanto na defesa quanto no ataque.

Diante do poderoso bloqueio russo, os brasileiros foram felizes na cobertura dos atacantes, e fecharam o primeiro set por 25 a 18.

Na segunda parcial, porém, os brasileiros cometeram erros no. No último ponto, o ponteiro Kliuka encheu o braço, e o líbero Thales não conseguiu chegar na bola. Thales e Leal bateram boca em quadra, e Bruninho pediu calma.

O tempo fechou de vez para o Brasil a partir do terceiro set. O time controlava a partida, chegou a abrir 20 a 12, mas tomou uma virada de 26 a 25. Os atletas não conseguiam esconder o abatimento, assim como o técnico Renan.

A última vez que o Brasil caiu na semifinal foi nos Jogos de Seul-1988, contra a Argentina. Na campanha do título em 2016, a seleção passou pelos russos na semifinal, uma espécie de revanche após os brasileiros perderem o ouro para os europeus em Londres.

Apesar da possibilidade do bronze, o elenco da seleção deixou Ariake Arena em clima de luto. Havia grande expectativa de brigar pelo título olímpico depois de um ciclo com bons resultados, entre eles a Copa do Mundo de 2019.

O time se reencontrou neste ano, após a pandemia de Covid-19 cancelar a temporada de 2020. Conquistou a Liga das Nações, em junho, em Rimini, na Itália. Competição na qual a equipe verde-amarela também levantou a taça e foi comandada pelo auxiliar Carlos Schwanke.

O técnico Renan Dal Zotto, que contraiu o coronavírus em abril, só voltou a comandar a seleção em julho deste ano, a poucas semanas da estreia do Brasil contra a Tunísia.

Após 36 dias internado com quadro grave de coronavírus, ele cumpriu uma rotina rigorosa de recuperação física, com até três sessões diárias de fisioterapia, para conseguir chegar e trabalhar em Tóquio.

Renan, presente em três Olimpíadas como jogador, assumiu a seleção em janeiro de 2017 no lugar de Bernadinho e sob desconfiança: não conduzia uma equipe à beira da quadra há quase dez anos.

Substituir Bernardinho é uma tarefa das mais complicadas. No cargo por 16 anos, o treinador conduziu o Brasil a dois ouros (Atenas-2004 e Rio-2016) e duas pratas (Pequim-2008 e Londres-2012).

O Brasil alternou altos e baixos momentos ao longo da competição na capital japonesa. Dos cinco confrontos na primeira fase, perdeu somente para Rússia por 3 sets a 0 e demonstrou dificuldades de superar a marcação e o bloqueio dos europeus. Teve boa vitória contra os Estados Unidos, mas por pouco não foi derrotado pela Argentina e a França.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS