search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Obcecados pelo amor
Regina Navarro Lins
Regina Navarro Lins

Regina Navarro Lins


Obcecados pelo amor

Nunca houve na História um período em que tanta gente considerasse o amor tão importante, nem pensasse tanto em amor, nem usasse tantas palavras para expressá-lo, como no século XX. As pessoas estão convencidas de que se não conhecerem o amor, a vida será desperdiçada.

Enfermidade?

“Homens e mulheres consideram o amor como sendo condição para uma vida feliz. O valor atribuído à vida emocional era tão alto, que se tornou moda entre os cientistas sociais considerar o amor como espécie de enfermidade”, diz o historiador americano Morton Hunt.

Os ideais equivocados do amor romântico

1. Há a convicção de que, para cada indivíduo, existe “um companheiro (a) certo”, que também é considerado como sendo o único no mundo, a espera de ser encontrado. É tarefa então de todas as pessoas solteiras esperar ou sair à procura, até que esse ser único seja localizado.
“Em algum lugar eu o encontrarei”, e em “algum lugar, neste mundo, ele está à sua espera” são apenas duas das várias centenas de expressões familiares dessa crença.

2. O significado do “ato de se apaixonar”. Em geral, presume-se que as pessoas se encontram distraídas e não preparadas para receber o ataque, que acontece de súbito, e com o máximo de força, seja à primeira vista, seja logo após; e então a vítima, ao que se supõe, cai, sem possibilidade de defesa, nas garras de uma vontade superior.

3. A ideia de que o amor é cego, e que a pessoa que ama nem observa as imperfeições da pessoa amada, seja de caráter, seja de beleza, nem as admite, quando lhe são apontadas.

4. O amor tudo conquista. A força poderosa do amor consegue derrubar todos os obstáculos, todos os raciocínios e todos os vínculos.

Supremacia masculina

Até os anos 1970, mesmo sendo capaz e talentosa, a mulher se sente insegura acreditando ser antinatural fazer uso de seus talentos. Afinal, ela ouvia muitos conselhos.

Na Inglaterra, a supremacia masculina se reinstala tão claramente que um guia dos anos 50, “Como ser uma esposa perfeita”, aconselha: “Sejam alegres... preocupando-se com o conforto dele trará grandes satisfações pessoais... Mostre sinceridade no desejo de agradar ... Fale com voz lenta, quente e agradável... Lembre-se que ele é o patrão e que por isso vais exercer sempre seu poder com justiça e habilidade... Não faça perguntas... uma boa esposa sabe reconhecer seu lugar.”

Busca da individualidade

A busca da individualidade caracteriza a época em que vivemos. A grande viagem do ser humano é para dentro de si mesmo. Cada um quer saber quais são suas possibilidades na vida, desenvolver seu potencial.

O amor romântico propõe o oposto disso; prega que os dois se transformam num só, havendo complementação total entre eles.

O desafio numa relação amorosa

A maioria das pessoas tem apenas um relacionamento íntimo, tido como monogâmico. Trata-se de uma relação fechada em que não se admite a presença de mais ninguém. Cada vez se torna mais comum uma das partes propor a abertura da relação — partir para uma relação não monogâmica.

Exigência de exclusividade

Preservar a própria individualidade começa a ser fundamental, e a ideia básica de fusão do amor romântico deixa de ser atraente porque vai no caminho inverso aos anseios contemporâneos.

O amor romântico já está dando sinais de sair de cena, e ao sair de cena está levando com ele a sua característica básica que é a exigência da exclusividade. Por isso, assistimos a tantas novas formas de amar surgirem.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O amor em cada época se apresenta de uma forma

É comum se pensar no amor como se ele nunca mudasse. Mas a forma que amamos é construída socialmente, e em cada época e lugar se apresenta de um jeito. Crenças, valores e expectativas determinam a …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Briga de casal

Devido ao descompasso entre o que se esperava da vida a dois e a realidade, as frustrações vão se acumulando e, de forma inconsciente, gerando ódio. Mas até chegar a esse ponto, o casal se esforça …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Medo de amar

Os romanos desenvolveram a ideia de prudência, de lutar contra o amor, visando evitar o sofrimento do amor. Para o poeta-filósofo Lucrecio, o amor sexual apaixonado devia ser cuidadosamente evitado: …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Conhece alguém que nunca viveu uma grande paixão?

Você conhece alguém que nunca se apaixonou? É raro. Nós todos aprendemos, desde cedo, a desejar viver uma paixão. Mas é um sentimento tão forte e invasivo, que pode levar a pessoa a ignorar suas …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Os segredos do sexo

Um manual escrito em 1720, com “os segredos do sexo”, banido na época, foi a leilão no Reino Unido. O autor, desconhecido, usava o pseudônimo de Aristóteles e oferecia várias recomendações aos …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O aprendizado no sexo

Desde que trabalhos de grande repercussão como os de Alfred Kinsey e Masters & Johnson foram publicados, na metade do século XX, o sexo passou a ser discutido cada vez mais abertamente. O …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

O homem duro, viril a toda prova, felizmente, está saindo de cena

No tempo em que meninos, jovens e adultos ouviam com frequência “Seja homem!”, “Prove que você é homem!”, “Vem cá se você é homem!”, ou seja, sempre desafiados a provar sua masculinidade, surgiu o …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

É possível ficar bem após o fim de um relacionamento

A separação inicia seu processo lentamente, na maior parte das vezes de forma inconsciente. A relação vai se desgastando e a vida cotidiana do casal deixa de proporcionar prazer. Aos poucos, o …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Esposas submissas

“Uma boa esposa não rouba do marido certos prazeres, mesmo que estes a contrariem. Mesmo arriscando-se, por exemplo, a não adormecer, deixa um abajur aceso para que ele possa ler as notícias dos …


Exclusivo
Regina Navarro Lins

Contos de fadas

O mais grave nos contos de fadas, como o de Cinderela, é a ideia de que as mulheres só podem ser salvas da miséria, ou melhorar de vida, por meio da relação com um homem. As meninas vão aprendendo, …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados