search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O que será de nós?
Martha Medeiros
Martha Medeiros

Martha Medeiros


O que será de nós?

Quem conhece a obra do psicanalista Contardo Calligaris deve ter se sentido, como eu, meio órfã com sua partida precoce. Suas colunas de jornal, entrevistas, palestras, tudo servia como uma espécie de farol que iluminava o caminho rumo à maturidade. Ele defendia a construção de uma trajetória individual autêntica, com experiências variadas, bem diferente da felicidade fabricada com fórmulas de obediência social. Era uma de suas frases mais conhecidas: “melhor que ser feliz é ter uma vida interessante”.

A também psicanalista Maria Homem, sua esposa, em um texto emocionante publicado dias atrás, compartilhou algumas conversas íntimas do casal, onde a pergunta “o que seria de mim sem você?” surgia em diferentes momentos do relacionamento, inclusive de forma cômica. Até que, na etapa final da doença que o levou, a pergunta ganhou um aspecto trágico.

Quando estamos na iminência de perder alguém, essa amputação realmente nos assombra: o que vai ser de mim sem você?

A resposta que Contardo deu à Maria serve para todos nós. “Vai ser o que você quiser”. A ideia sempre foi essa: crie sua própria vida, em vez de se deixar levar ao sabor do vento.

É preciso fazer escolhas e se responsabilizar por elas, mesmo sabendo que em tudo há prós e contras, tudo é dicotômico. O risco faz parte da aventura de viver.

Pois é, mas veio essa parada forçada. Cerca de 350 mil famílias perderam parentes, outros milhares perderam amigos, e a população inteira lida com variadas anulações de suas rotinas: a perda dos planos a longo prazo, a perda das idas aos teatros, palestras, shows, feiras e festivais, a perda dos contatos íntimos: não se pode mais sentir o toque, a vibração da voz, a intensidade do olhar de cada um.

Tudo o que existia antes ficou distante, e o futuro parece tão distante quanto. Estamos encurralados num presente perpétuo, que nos roubou a mobilidade – não só de entrar em outros países, mas de entrar na vida de novas pessoas, de conhecê-las profundamente, de evoluir através delas.

Está difícil renovar o estoque de emoções e descobertas. Fomos obrigados a nos contentar com a convivência online, que não possui a mesma potência energética, a mesma substância da presença.

O movimento possível, agora, é para dentro. Leitura, reflexão, aprendizado. A busca incessante por conteúdo, única chance de trapacearmos as limitações.

Inventar a própria vida requer uma disposição corajosa para a mudança e autonomia para agir, para lutar contra a banalização dos dias, para criar uma história que nos honre e orgulhe. É o nosso maior desafio hoje: mesmo sem liberdade plena, e avariados por tantas perdas, continuar decidindo o que será de nós.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Martha Medeiros

Recorrendo à utopia

Em determinadas cidades, o comércio pode ficar aberto; em outras, deve fechar. Em alguns países, os surtos diminuíram; em outros, foram detectadas novas variantes do vírus. Há crianças sem aulas por …


Exclusivo
Martha Medeiros

Flower Power

Em meio ao desespero pandêmico, foi baixado um decreto autorizando supermercados gaúchos a venderem apenas produtos essenciais – o que fosse supérfluo deveria ser coberto por um plástico ou qualquer …


Exclusivo
Martha Medeiros

Realeza e realidade

Quando criança, figuras monárquicas eram personagens da minha imaginação, com todos os estereótipos que lhes cabiam: a princesa bela, a rainha ardilosa, o príncipe salvador, o rei indolente – nada …


Exclusivo
Martha Medeiros

Uma bandeira destruída

Não sou de me ufanar, mas é difícil segurar a emoção quando vejo um atleta receber uma medalha olímpica enquanto nosso hino toca e a bandeira do País é hasteada. Nesses momentos, sou tomada de um …


Exclusivo
Martha Medeiros

Mães solo

Semanas atrás publiquei uma coluna em que citava Amanda Gorman, que leu um poema na posse do presidente americano Joe Biden. Em dado momento do texto, a apresentei como ela mesmo se apresentou …


Exclusivo
Martha Medeiros

Pampa profundo

Normalmente, nesta época do ano, eu estaria tirando uns dias junto ao mar, mas o “normalmente” foi cancelado. Neste verão, a estrada me levou para o sentido oposto ao azul marítimo e às …


Exclusivo
Martha Medeiros

Adorável esquisitice

Nunca tinha ouvido falar de Fran Lebowitz. Seu sobrenome me remeteu instantaneamente à fotógrafa Annie Leibovitz (frutos do mesmo pé, pensei), mas logo percebi que era ilusão de ótica: o “w” de uma …


Exclusivo
Martha Medeiros

A montanha que escalamos

“Onde podemos encontrar luz nesta sombra sem fim?” É um verso e ao mesmo tempo uma pergunta que faz parte do poema que Amanda Gorman leu durante a posse do presidente americano Joe Biden, e que foi …


Exclusivo
Martha Medeiros

A viagem que não fiz

Fazia 7 graus naquela sexta-feira de junho e a roupa que eu havia separado para embarcar não era quente o suficiente. Despertei às cinco e meia da manhã e precisava estar no aeroporto às 6. Vesti o …


Exclusivo
Martha Medeiros

Lugar de repouso

Outro dia uma amiga me telefonou para compartilhar uma crise. Ela escreve sobre relacionamentos há bastante tempo, é reconhecida pelo seu trabalho, e está iniciando mais uma obra. Só que, de repente, …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados