search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O “intensivão” de Dome
Gilmar Ferreira
Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira


O “intensivão” de Dome

Às vésperas do clássico com o Fluminense, mais precisamente na segunda-feira, dia 7 de setembro, dois dias após a difícil vitória sobre o Fortaleza, no Maracanã, por 2 a 1, o espanhol Domènec Torrent tomou a decisão de fixar residência no Ninho do Urubu. Era o auge dos questionamentos sobre o aproveitamento de alguns titulares, polêmicas sobre o preparo físico de Arrascaeta, Everton Ribeiro e Gabriel Barbosa e insatisfação da torcida com as atuações do time que herdara do português Jorge Jesus.

O treinador, cujo maior dos predicados era o trabalho de uma década como auxiliar de Pep Guardiola, sentiu a necessidade da imersão. Da vivência mais profunda no cotidiano do elenco.

Após um mês de trabalho, com quatro vitórias em oito jogos, Domènec precisava de uma resposta que lhe fizesse sentido em meio a tanta cobrança.

“Por que o time que vencera seis dos oito títulos disputados nos últimos 12 meses tinha tanta dificuldade para se impor diante de adversários teoricamente menos qualificados?”

Pois bem... Não se pode assegurar que o “intensivão” de Dome foi determinante, diante de tantos acontecimentos imprevisíveis: a goleada vexatória no Equador, a contaminação em massa pela Covid, contusões de jogadores estratégicos, o sucesso de Pedro, substituto de Gabriel Barbosa, a rápida resposta dos jogadores da base...

Mas não é exagero supor que o empenho do treinador e seus auxiliares em entender o Flamengo foi fundamental para resgatar o espírito competitivo que parecia adormecido.

Da vitória no segundo confronto no Equador — 2 a 1 sobre o Barcelona — até os 3 a 1 imposto pelos reservas no Junior Barranquilla, da Colômbia, na última quarta-feira, pela Libertadores, são dez jogos de invencibilidade.

Mais do que isso: na goleada de 5 a 1 sobre o Corinthians, em São Paulo, o time exibiu traços da máquina de moer adversários que a todos encantou no ano passado.

E aí dessa vez não teve questionamentos sobre a inexperiência de Domènec diante de grandes exigências, tampouco discussão sobre “jogo posicional”.

O diagnóstico é muito simples: os jogadores sentiram o “para e anda” do calendário imposto pela diretoria, levaram um tempo para alcançar o ritmo que diferenciou o time em 2019 e, sem pré-temporada com o novo técnico, demoraram a jogar o futebol esperado.

A presença do treinador no CT George Helal, diuturnamente, fez nascer o carisma, então desconhecido, e o Flamengo se fez poderoso, novamente. Agora, vejamos.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Os cem dias

A prestação de contas do plano de metas elencadas para os primeiros 100 dias da gestão de Jorge Salgado na presidência do Vasco não é das mais animadoras para o torcedor. Porque em última análise o …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Deu aula!

Dos 14 jogadores utilizados pelo Manchester City ontem nos 2 a 0 sobre o PSG, com gols do franco-argelino Mahrez, apenas três eram ingleses. Do outro lado, dos 16 que foram a campo com a camisa do …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

Rogério Ceni e Roger Machado fazem das semifinais do Carioca um estratégico laboratório para a construção e aperfeiçoamento de equipes competitivas. Joga-se muito no futebol brasileiro e não há outra …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Gol e paixão

Aos 37 anos, Fred marcou na quarta-feira o oitavo gol em seu sétimo jogo na temporada. Ainda que quatro deles tenham sido contra adversários de menor expressão, um foi contra o Vasco e outros três em …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Fora da ordem

A tão esperada reestruturação da dívida do Vasco ainda não saiu do papel. Mas não é por incompetência. É mesmo pela falta de recursos financeiros para acordo com credores, algo que faz crescer o que …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões...

Não ouvi um só morteiro estourado após a conquista da Taça Guanabara na noite de sábado. Pudera: a rotina tem sido tão exaustiva em termos de comemoração que as torcedores do Flamengo já economizam …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Sabor de vitória

Dos 14 jogadores que o vitorioso Marcelo Gallardo levou a campo ontem à noite, no Maracanã, para enfrentar o Fluminense na estreia do River Plate na Copa Libertadores, nove estiveram na final da …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Não deu liga...

Aporte financeiro de US$ 4,8 bilhões garantido pelo JP Morgan e modelo de disputa repetindo premissas da NBA e da NFL. O projeto de criação da Superliga de Clubes Europeus me parecia ter mais do que …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões...

As derrotas do Vasco para Portuguesa/RJ e Volta Redonda nas duas primeiras rodadas acabaram como divisor de águas para a definição dos quatro semifinalistas do Campeonato Carioca. Como esperado, …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Primeiro estágio

Em sua palestra a profissionais matriculados no curso de aprimoramento para a Licença Pro da CBF Academy, na semana passada, o francês Arsène Wenger abriu a dissertação falando que há dois tipos de …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados