search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O “intensivão” de Dome
Gilmar Ferreira
Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira


O “intensivão” de Dome

Às vésperas do clássico com o Fluminense, mais precisamente na segunda-feira, dia 7 de setembro, dois dias após a difícil vitória sobre o Fortaleza, no Maracanã, por 2 a 1, o espanhol Domènec Torrent tomou a decisão de fixar residência no Ninho do Urubu. Era o auge dos questionamentos sobre o aproveitamento de alguns titulares, polêmicas sobre o preparo físico de Arrascaeta, Everton Ribeiro e Gabriel Barbosa e insatisfação da torcida com as atuações do time que herdara do português Jorge Jesus.

O treinador, cujo maior dos predicados era o trabalho de uma década como auxiliar de Pep Guardiola, sentiu a necessidade da imersão. Da vivência mais profunda no cotidiano do elenco.

Após um mês de trabalho, com quatro vitórias em oito jogos, Domènec precisava de uma resposta que lhe fizesse sentido em meio a tanta cobrança.

“Por que o time que vencera seis dos oito títulos disputados nos últimos 12 meses tinha tanta dificuldade para se impor diante de adversários teoricamente menos qualificados?”

Pois bem... Não se pode assegurar que o “intensivão” de Dome foi determinante, diante de tantos acontecimentos imprevisíveis: a goleada vexatória no Equador, a contaminação em massa pela Covid, contusões de jogadores estratégicos, o sucesso de Pedro, substituto de Gabriel Barbosa, a rápida resposta dos jogadores da base...

Mas não é exagero supor que o empenho do treinador e seus auxiliares em entender o Flamengo foi fundamental para resgatar o espírito competitivo que parecia adormecido.

Da vitória no segundo confronto no Equador — 2 a 1 sobre o Barcelona — até os 3 a 1 imposto pelos reservas no Junior Barranquilla, da Colômbia, na última quarta-feira, pela Libertadores, são dez jogos de invencibilidade.

Mais do que isso: na goleada de 5 a 1 sobre o Corinthians, em São Paulo, o time exibiu traços da máquina de moer adversários que a todos encantou no ano passado.

E aí dessa vez não teve questionamentos sobre a inexperiência de Domènec diante de grandes exigências, tampouco discussão sobre “jogo posicional”.

O diagnóstico é muito simples: os jogadores sentiram o “para e anda” do calendário imposto pela diretoria, levaram um tempo para alcançar o ritmo que diferenciou o time em 2019 e, sem pré-temporada com o novo técnico, demoraram a jogar o futebol esperado.

A presença do treinador no CT George Helal, diuturnamente, fez nascer o carisma, então desconhecido, e o Flamengo se fez poderoso, novamente. Agora, vejamos.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas Impressões...

O final de semana não poderia ter sido melhor para as pretensões do Flamengo, no traumático pós-eliminação da Copa do Brasil. Todos os principais concorrentes na parte de cima da tabela do Brasileiro …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Drama em preto e branco...

De volta ao oceano das incertezas, Vasco e Botafogo precisam construir rotas mais seguras na travessia deste mar revolto que costuma ser o returno do Brasileirão. Porque senão suas embarcações irão a …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Ofensa ao esporte...

O veto do argentino Martin Benitez, por Covid-19, horas antes do empate de ontem entre Vasco e Fortaleza, é mais uma prova de que o protocolo de testagem da CBF não é seguro. Os vascaínos fizeram a …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

A outra Copa...

Superar o São Paulo esta noite, no Morumbi, e seguir firme na caminhada pelo título da Copa do Brasil é importante para o Flamengo – claro. Mas não apenas pelo aspecto lúdico de poder gritar "é …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

A rodada marcada pelo excessivo número de jogadores afastados dos gramados pela contaminação com a Covid-19 ganhou destaque pela recuperação dos clubes paulistas que lutam na parte de cima da tabela. …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Vivam as diferenças!

Em abril deste ano, em palestra por videoconferência organizada pela Associação Uruguaia de Treinadores de Futebol (Audef), o venezuelano César Farias, técnico da seleção boliviana, elogiado pelo …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Nau à deriva...

O Vasco entrou numa espiral tão perigosa na reta final de seu processo eleitoral que a única notícia boa em meio à avalanche de fatos ruins que desabou sobre os vascaínos acabou sendo a decisão do …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

Rodada trágica para os cariocas. O Flamengo foi goleado, de novo. Fluminense e Vasco foram derrotados em casa. E o Botafogo perdeu um jogo com gol de pênalti na última bola. Uma abertura de returno …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O ponto fraco

Apesar de dez clubes não terem jogado as 19 partidas do turno, o returno do Brasileiro começa com três cariocas fazendo confrontos dos mais interessantes. O jogo entre Vasco e Palmeiras, com o duelo …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O Vasco arde...

Doze grandes clubes do futebol brasileiro (onze da Série A e um da B) têm eleição presidencial marcada para este final de ano. Mas o Vasco surge, de novo, como um dos cenários mais complexos para …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados