search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O comando...
Gilmar Ferreira
Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira


O comando...

Rogério Ceni ficará no Flamengo para mais uma temporada de vitórias. E não sei porque ainda levantam suspeitas sobre seu futuro no clube.

Afinal, antes mesmo da conquista do bicampeonato brasileiro, naquele momento de maior turbulência, o vice de futebol Marcos Braz já havia informado que o treinador seguiria até o final do contrato, em dezembro.

E chegou a se dizer incomodado com a pressão por outra troca no comando do time: “Não trabalho desta forma”, resumiu o dirigente, segurando o treinador no cargo num momento em que os resultados de campo não referendavam a continuidade.

Aqui no Brasil, depois que o futebol passou a ser atividade por onde passam rios de dinheiro, valoriza-se pouco, ou quase nada, o comando. A má fama dos cartolas, não raramente responsáveis pelas más gestões dos clubes, alguns inclusive flagrados em negócios escusos, fez com que olhássemos de soslaio para essas figuras.

Particularmente, prefiro ver o departamento mais importante do clube nas mãos de profissionais balizados por metas desportivas e financeiras. Mas não desprezo o trabalho de estatutários que conseguem os resultados. É raro, mas de vez em quando surge quem mereça o reconhecimento.

E isso ontem me chamou atenção ao ler na coluna de Ancelmo Gois que o próprio Flamengo não convidou seu vice de futebol para a solenidade de premiação do título brasileiro na sede da CBF.

Preferiu ser representado pelo presidente e pelo executivo Bruno Spindel, nome de confiança da cúpula da diretoria administrativa. A discussão política não me seduz. Mas reconhecer a competência do titular da pasta é um dever.

Braz esteve à frente do futebol rubro-negro nos três últimos títulos brasileiros — e não deve ter sido só por sorte. Nesta era da instantaneidade e do cancelamento sumário, os clubes de massa sofrem horrores para ter uma só voz de comando.

E se antes a crônica esportiva os fiscalizava e cobrava pela má condução, hoje o controle externo se dá em tempo real, e por formadores de opinião de várias matizes.

O suporte para que Rogério Ceni pudesse se impor junto a um elenco milionário e incensado pelas conquistas de 2019 foi tão decisivo quanto o gol de Gabriel Barbosa no 2 a 1 sobre o Internacional na penúltima rodada.

O trio que administra o Flamengo (Rodolfo Landim, Luís Eduardo Baptista e Rodrigo Tostes) apenas tolera Marcos Braz. E por interesses políticos o varre para debaixo do tapete. Mas, no fundo, sabe que foi a eficiência dele na montagem e na gestão do elenco que deu ao clube o tamanho que a torcida gostaria.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

Dos onze jogadores que Rogério Ceni levou a campo para a final da Supercopa do Brasil, na manhã de ontem, em Brasília, apenas quatro não jogaram em clubes europeus: Willian Arão, Rodrigo Caio, …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Os superclubes...

Grosso modo, levando em consideração que no Brasileirão de pontos corridos as partidas decisivas são aquelas contra os mais diretos concorrentes, sinto-me em condições de dizer que o Flamengo perdeu …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O último suspiro

O projeto de reformulação administrativa, econômico-financeira e organizacional anunciado pelo Botafogo no início da semana é sopro de esperança na retomada da capacidade de investimento. Jorge …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Euforia e depressão

Alinhar a eficiência do time com a paciência da torcida talvez seja o maior dos desafios que as diretorias de Botafogo e Vasco terão pela frente até o final deste segundo ano pandêmico. Porque a …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

A vitória por 3 a 2 sobre o Nova Iguaçu deu ao Volta Redonda a liderança provisória do Carioca. E a três rodadas do final da fase classificatória, já não se discute até onde poderá chegar o vice-camp…


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Entre flores e espinhos...

A vitória do Flamengo sobre o Bangu na sétima rodada do Carioca, no retorno do time principal, trouxe a irritante euforia desmensurada já vista em outros momentos sob o comando de Rogério Ceni. O …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Balanço negativo...

Quando Rogério Caboclo disse sem meias palavras que os clubes brasileiros estariam em maus lençóis se a CBF não peitasse o discurso da paralisação do futebol o presidente da entidade pode ter …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões...

O Botafogo foi o único dos quatro grandes do Rio a vencer na sexta rodada do Campeonato Carioca. Um torneio em que três dos chamados pequenos estão à frente do Fluminense e do próprio Botafogo, e …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

A máquina de moer...

Ainda que sejam a cada ano mais irrelevantes, os Estaduais seguem atormentando os técnicos no Brasil. Principalmente os contratados para montar trabalhos autorais e ensaiar sistemas que …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Efeitos colaterais

A decisão de limitar em dois o número de treinadores inscritos por cada clube nos Brasileiros das Séries A e B deste ano ainda não foi totalmente digerida. Mas alguns experientes profissionais já …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados