search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

O bom convidado
Claudia Matarazzo
Claudia Matarazzo

Claudia Matarazzo


O bom convidado

Convidado para um jantar entre amigos, será que tudo o que você tem a fazer é aparecer e comer? Não mesmo. Ora, preparar um jantar é um trabalho árduo. Seu anfitrião pode ter tirado todo o dia de folga para preparar o cenário ou passou boa parte do tempo acordado, virando a carne assada lentamente.

Portanto, acredite: ele espera algo – além da sua presença – em retorno. O bom convidado sempre vai além do óbvio, mas vamos tratar das coisas óbvias primeiro:

Responda prontamente – Se estiver livre, diga logo. Se precisar responder depois, faça-o sempre alguns dias antes da data em questão – o mais rapidamente possível.

Alergias e preferências – Se tiver alguma, informe, sem nenhum problema, mas não deixe seu anfitrião/ã constrangido no dia!

E se decidir trazer um amigo? – Nem pense. A não ser que a pessoa esteja hospedada com você. Mas ela também pode ter uma noite livre e você evita transtornos no jantar.

Pontualidade – Chegar com 15 minutos de atraso (e não mais, por favor) é aceitável. Mas, nunca, nunca mesmo, chegue antes, naquela hora frenética em que estamos acabando de nos vestir ou preparar a mesa.

Bebidas, bombons ou flores – O bom convidado sempre pergunta com bastante antecedência se pode trazer algo específico, como um pudim, e sempre ouve “oh, não, apenas vocês”.
Mas este é o código para “traga alguma coisa para complementar o cardápio”. 

Participe! – Se Elvis e Jesus não fossem tão complicados para aparecer, você provavelmente não seria convidado. Seu dever é interagir tanto quanto possível.
Isso, no entanto, não significa transformar a noite em um show pessoal ou, deliberadamente, iniciar discussões com outros convidados. Mas sim, é grosseria pura excluir alguém de uma conversa, por mais maçante que você pense que seja.

Ajude – Veja se é preciso limpar algum cinzeiro (sim, eles podem estar sujos), retirar pratos ou ainda ajudar a organizar as coisas na cozinha. Ajude no que der e se deixarem. Sem insistir demais e sem se omitir completamente

Saia na hora certa – Um bom convidado nunca excede às boas-vindas. Não importa o quão bem você conhece os anfitriões, não há desculpa para relaxar bebendo quando eles estão lutando para manter os olhos abertos. 

Ofereça-se para ajudar com a limpeza por todos os meios, mas faça as suas desculpas ao primeiro sinal de um bocejo. 

Agradecer depois – Precisa? Não é obrigatório, mas faz a maior diferença. E sempre, sempre mesmo, é apreciado e lembrado.

Pode ser com um cartão de agradecimento, mensagem de texto ou e-mail. Mas, de verdade, ligar ou deixar um áudio ainda é a melhor pedida.

Porém, no dia seguinte ou alguns dias depois, tá? Infinitamente melhor do que um elogio bêbado às duas da manhã. 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Novo olhar para receber em casa

É fato: depois da pandemia, receber em casa, estar com amigos, ir a um evento ou ter um simples encontro na rua já adquiriu outro significado. O que mudou no comportamento das pessoas? Muita coisa. …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Dicas para acertar no currículo!

Mandar o currículo não basta, mas ajuda muito se ele estiver no ponto certo de apresentação e com as informações organizadas de forma a chamar a atenção. Como está tudo muito difícil, não custa …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Farofa, farinha ou paçoca?

O título, claro, é uma provocação, uma vez que a farofa é feita com farinha e a farinha é a base de um sem-número de delícias da nossa gastronomia. Já paçoca é uma variação do nome da farofa: no …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Privacidade, um resgate urgente!

Na era dos reality shows e das redes sociais, falar em privacidade é uma ousadia, bem sei. Mas, é necessário. O conceito é bem conhecido dos verdadeiramente elegantes. Pena que, a cada dia, sejam …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

“Sofagate”, a gafe diplomática

O vídeo correu o mundo: políticos, feministas, cerimonialistas e mulheres de todo o planeta o analisaram com diferentes interpretações. Nele, um encontro entre a presidente da Comissão Europeia, …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Autossabotagem na pandemia

Só mesmo a autossabotagem para explicar a enxurrada de sentimentos contraditórios que vem nos afligindo nesta pandemia. Ok, o momento é delicado, estamos todos fartos de notícias ruins, mas nada – …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Histórias de violência no paraíso

Mergulhada que estou na História do Brasil, para um novo livro de receitas regionais e o “como comer e servi-las”, fiz uma imersão na obra “ História da Gente Brasileira”, da fantástica historiadora …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Festa de criança após pandemia

Diga que sou mal-humorada, mas, se tem uma coisa que no pós-pandemia, vou adorar ver mudar para a versão mais enxuta – e sem aglomeração – serão as festas infantis. Sempre fugi desses micos o …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Regras de etiqueta em tempos de mudanças

Muita gente me pergunta se, com a rapidez das mudanças, ainda se usa isso ou aquilo e se é preciso prestar atenção em “etiqueta”. Calma! Etiqueta ajuda sempre – e nunca faz mal. Ela simplifica e …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

A mulher e as cafajestadas

Na coluna da semana e do mês da mulher, vamos falar sobre homens – e você logo entenderá o motivo. Há uma frase anônima que diz “existem os cafajestes e existem os homens”. Verdade, embora acrescente …