search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Novo momento, novos horários
Claudia Matarazzo
Claudia Matarazzo

Claudia Matarazzo


Novo momento, novos horários

Vivemos um novo momento trazido pela pandemia de Covid-19: home office, cursos a distância e reuniões agora fazem parte do nosso dia a dia. Se em casa economizamos preciosas duas horas por dia (que antes passávamos no trânsito), com home office, a nossa jornada de trabalho não tem hora para começar ou terminar.

Todo mundo está mais cansado: estresse diário com o cenário pandêmico, mais irritação, por conta da turbulência política... e a exaustão se instala em um perverso círculo vicioso. Só pode fazer mal.

Ora, nesse novo modo de viver/trabalhar/ amar em casa, é preciso colocar um limite e repensar os horários. De tudo. Acha que não? Acompanhe o raciocínio:

Nunca antes das 9h (ou depois das 21h) – O campeão de reclamações tem sido as mensagens de chefes e colegas falando sobre trabalho às 11 da noite e até meia-noite.

Primeiro mandamento: não leia. Sequer abra! Se for urgente, urgentíssimo, e virem que não respondeu, garanto que seu telefone vai tocar. Ainda assim, atenda deixando claro que esse não é um bom momento.

Madrugada – Sei que muita gente manda mensagens supercedo, até para adiantar as coisas e por medo de esquecer. Mas nada, nada mesmo, te obriga a responder antes das 9h. Se fosse presencial, você começaria a funcionar no modo trabalho apenas a partir do momento em que chegasse, certo?

Das 12h às 14h40 – Nada de reuniões às 12 horas. As pessoas podem almoçar mais cedo e temos que pensar que, nesse momento, muita gente faz almoço para toda a família. Portanto, é importante as chefias entenderem que, das 12h às 14h30 é o “novo horário de almoço”. Mesmo quem pede delivery, precisa arrumar a cozinha, etc e... respirar certo?

18 horas – Não, ninguém está dizendo para desligar tudo nesse horário. Mas pense: marcar uma reunião virtual mais longa depois das 18 horas é sacanagem. Simples assim.

Afinal, acabando às 20 horas, por exemplo, que horas a criatura vai conseguir baixar a adrenalina e “ chegar em casa” para preparar o jantar?

Jantar esse que será degustado por volta de 21h30. Às 22h30, com sorte, ela encerrará o expediente trabalho/ casa para se jogar no sofá exausta, para qualquer coisa.

22h30 – Se ainda sobrar energia, esse é o momento do zap do grupo de familia, de dar atenção para companheiro/a, filhos ou até a ela própria. Mas será que rola?

Zero moleza – Se está achando que quero moleza, pense comigo: sim, são apenas dois intervalos de 2h30. Total de cinco horas, durante as quais, no modo doméstico, estamos com filhos, limpando, cozinhando, comendo, arrumando – e não descansando...

Agora me diz: nesse esquema (que é até camarada), a que horas você vai conseguir respirar ou criar? Sobrou pouco, certo?

Pois, há empresas exigindo muito mais que isso, com longas reuniões e acessos em qualquer horário. Repense, negocie, mas não se deixe engolir por mais essa pressão.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Mais de 100 mil mortes por Covid-19 – desculpa, aí!

O Presidente inominável vive a pedir desculpas: diariamente, é obrigado (provavelmente, aconselhado fortemente por algum assecla) a vir à frente das câmeras, sempre ao lado de sua claque de apoiadore…


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Um futuro nem tão ambicioso

Vamos falar do futuro. O futuro que, agora percebemos, foi subitamente sabotado – e está, neste exato momento, sendo repensado, ressignificado, reinventado, e uma porção de outros “res” que nos …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Lições da pandemia

Não vamos falar da finitude, de nossos medos, nem da angústia de ver nossas vidas em risco graças ao total despreparo, da boçalidade e pura teimosia dos titulares de nosso “desgoverno” – que poderiam …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

De meditação a sexo nas lives

Você entraria em uma web suruba? Pagaria para entrar? Confiaria no anonimato da organização? Se ficou perplexo com a possibilidade, saiba que não está sozinho. Mas não apenas as web surubas …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Eliminar para iluminar

A frase é da jornalista da Lilian Pacce e foi dita em uma fala sua ao se referir ao desapego. Nessa pandemia, percebemos que é muito, muito mais importante SER do que TER. Ser saudável, ser …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Líder pós-pandemia

É fato: o mundo que conhecemos ficou para trás, em todos os sentidos. Não existe nada de normal no futuro próximo, mas muito de “novo”. Porém, “novo normal”? Não aguento mais ouvir essa bobagem. …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

O que é etiqueta preventiva?

É a nova etiqueta. E se baseia, como na etiqueta tradicional, nos pilares do bom senso e afetividade, acrescentando um fator essencial nesse momento de delicada transição: a biossegurança. Isso …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Desabafo de madame

Passei grande parte da minha vida justificando o rótulo de “madame”, maldosamente aplicado a minha pessoa desde a faculdade de Jornalismo. Na ocasião, nos anos 1970, em plena abertura da ditadura e …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Para fazer diferença com cliente

Atendimento e fidelização – Hoje, palavras-chave para quem quer se diferenciar, principalmente na atividade de atendimento de alimentos e bebidas delivery –, uma das poucas que se manteve, mesmo …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Lute, se cuide e fique bem!

Vidas não se contabilizam, se preservam! A frase, da senadora Mara Gabrilli, merece reflexão mais profunda: neste momento, vemos um enorme afã em se contar mortes – ou vidas que se apagaram. Ou …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados