search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Novo coronavírus: Vacinação mais eficaz pelo nariz

Notícias

Publicidade | Anuncie

Ciência e Tecnologia

Novo coronavírus: Vacinação mais eficaz pelo nariz


Um estudo realizado por pesquisadores apresentou uma nova forma de imunização contra a Covid-19, a vacinação intranasal (pelo nariz), que pode ser mais eficaz e ter menos efeitos colaterais, de acordo com os cientistas.

Quando se pensa em vacina, logo se imagina a agulha no braço. Mas esse estudo, realizado pela Universidade de Chicago e pela Universidade Duke, nos EUA, analisou uma plataforma (base da vacina) que usa nanofibras peptídicas de montagem automática marcadas com antígenos, que vão preparar o sistema imunológico contra uma invasão em potencial.

Pesquisadora em laboratório (Foto: Arquivo / AT)
Pesquisadora em laboratório (Foto: Arquivo / AT)

Publicado na revista científica Science Advances, o estudo revela que as nanofibras podem induzir uma resposta imune e ativar células T sem o uso de adjuvantes adicionais, que podem induzir inflamação e que estão associados a efeitos colaterais comuns de vacinas, como dor no local da injeção ou febre baixa.

“Para visualizar a absorção das nanofibras, decidimos tentar a via intranasal, porque nos daria acesso às células dendríticas nos pulmões e nos permitiria rastrear seu movimento”, disse uma das autoras do estudo e professora da Universidade de Chicago Anita Chong, ao portal G1.

O objetivo principal do estudo é descobrir o mecanismo pelo qual as nanofibras podem induzir uma resposta imune. Entretanto, os resultados também mostram que a plataforma tem potencial para gerar vacinas via nasal seguras e eficazes.

De acordo com outro autor do estudo, o professor Joel Collier, da Universidade Duke, esse tipo de vacina é uma ótima alternativa, já que não envolve agulha.

Essa plataforma também permitiria aos médicos e cientistas marcar com mais precisão a resposta imunológica para fornecer a melhor proteção contra uma doença, segundo os pesquisadores.

O estudo usou o novo coronavírus, que causa a Covid-19, como um exemplo em que ser capaz de ajustar a resposta imune e entregar a vacina diretamente aos tecidos mais afetados pode ser benéfico.

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados