search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Nova versão de “Pinóquio” estreia esta semana nos cinemas

Entretenimento

Publicidade | Anuncie

Entretenimento

Nova versão de “Pinóquio” estreia esta semana nos cinemas


Um carpinteiro solitário que sonha em ser pai faz, com perfeição, um boneco de madeira. E então a mágica acontece: ele ganha vida e sonha em ser um menino de verdade.

A história escrita há 130 anos por Carlo Collodi era um pouco sombria, mas ganhou tons mais leves, virou conto infantil e até ganhou uma versão da Disney para as telas. E está de volta aos cinemas, quinta-feira, em “Pinóquio”.

Agora, na versão do cineasta italiano Matteo Garrone, a história ganha um tom mais real, mas continua encantadora. Nela, Gepeto (vivido pelo vencedor de quatro Oscars em 1999 por “A Vida é Bela”, Roberto Begnini) tem o sonho de ser pai realizado pela Fada Azul, que dá vida ao boneco de madeira que entalhou com carinho.

Desobediente ao pai, Pinóquio é manipulado por estranhos que o conduzem a uma série de confusões. (Fotos: Divulgação)
Desobediente ao pai, Pinóquio é manipulado por estranhos que o conduzem a uma série de confusões. (Fotos: Divulgação)

Mas Pinóquio é um menino levado. E muito dado a mentiras. Cada vez que mente, seu nariz cresce. E, observado pela Fada, cada vez ele fica mais distante de seu sonho: ser um garoto de verdade.

A produção italiana passou em 2020 pelo 70º Festival de Berlim, em fevereiro, e arrancou lágrimas do público.

“É um filme para o povão, um filme popular para crianças dos 8 aos 80, apoiado numa das fábulas mais famosas do mundo”, disse Roberto Begnini na época.

A trama

Desobediente ao pai, Pinóquio é manipulado por estranhos que o conduzem a uma série de confusões. Posto à prova uma e outra vez nas suas aventuras, ele terá de encontrar o caminho para concretizar o seu maior desejo: ser um menino de verdade.

Os personagens

Gepeto

Vivido por Roberto Benigni, é o criador e pai de Pinóquio, um carpinteiro solitário que cria lindas peças de madeira. Seu maior sonho é ser pai e, um dia, ele resolve fazer um boneco de madeira para lhe fazer companhia.

Fada Azul

O ser mágico é quem concede vida a Pinóquio e o ajuda nos momentos de necessidade. É ela também que tomará a grande decisão da história: se o boneco de madeira pode se tornar um menino de verdade.

Os vilões

Raposa (na foto) e Gato, seu fiel comparsa, são ladrões ardilosos. São eles que levam o pequeno Pinóquio para o Campo dos Milagres, para roubar as moedas de ouro do boneco. Massimo Ceccherini, também roteirista do filme, vive a Raposa na produção italiana.

Curiosidades

Lia para os pais

  • No ano passado, no 70º Festival de Berlim, Roberto Benigni disse que sua relação com “Pinóquio”, o livro de Carlo Collodi, vem da infância. “Eu li sozinho quando era menino porque meus pais não sabiam ler, então eu lia para eles”, contou o ator.

Federico Ielapi, de 9 anos, interpreta Pinóquio. Para isso, usa uma maquiagem protética (Foto: Divulgação)
Federico Ielapi, de 9 anos, interpreta Pinóquio. Para isso, usa uma maquiagem protética (Foto: Divulgação)
Quase faliu

  • “Eu ainda posso posar com a honra de ser o único ator do mundo que interpretou Pinóquio e Gepeto na mesma vida, ainda que com resultado diferente”, brincou Benigni, 67 anos, referindo-se ao desastre de bilheteria baseado na história do boneco de nariz grande que dirigiu e estrelou em 2002, que quase o levou à falência.

Enfim, o sucesso

  • Dessa vez, o projeto no qual Begnini se envolveu foi um sucesso. Na Itália, “Pinóquio”, de Matteo Garrone, arrecadou quase 15 milhões de euros (cerca de R$ 95,5 milhões).

Menino de verdade

  • O diretor Matteo Garrone optou por usar um menino (o ator Federico Ielapi, de 9 anos, na foto) para interpretar Pinóquio, com ajuda de maquiagem prostética. “Eram quatro horas de maquiagem todos os dias. Era divertido”, disse Ielapi no Festival de Berlim.
Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados