X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Medidas restritivas nos condomínios

| 18/03/2021 13:59 h

Imagem ilustrativa da imagem Medidas restritivas nos condomínios

O Governador do Estado do Espírito Santo, Renato Casagrande, publicou decreto retomando uma série de medidas a serem aplicadas durante 14 dias (entre os dias 18 e 31 de março) para enfrentamento da pandemia do Coronavirus, que vem se agravando no estado.

Posições pessoais à parte, o fato é que todos devem dar cumprimento ao que estabelece o Decreto, adotando conduta compatível com o distanciamento social, que é a finalidade das medidas nele previstas.

O decreto proíbe expressamente a realização de reuniões, “... excetuadas as pertencentes ao mesmo núcleo familiar, incluindo quaisquer tipos de eventos sociais; a utilização de praças, parques, jardins públicos, campos públicos de futebol, quadras públicas de esportes públicas, ginásios públicos de esportes e outros espaços públicos equivalentes e a realização de atividades físicas coletivas, nas áreas e vias públicas”.

Tais proibições se aplicam às áreas de uso comum dos condomínios (quadras, salões de festas, churrasqueiras, etc.). O Decreto, inclusive, define que devem “Os administradores e síndicos de condomínios verticais e/ou horizontais devem limitar a utilização, simultânea, das áreas de uso comum de lazer para os moradores do mesmo núcleo familiar”.

Há no decreto proibição do funcionamento de academias (“Estão proibidos os funcionamentos de clubes de serviço e de lazer, de academias de qualquer natureza, e a realização de atividades esportivas de caráter coletivo, ainda que sem a presença de público”.), o que também se aplica às academias de condomínios.

Também não deixa dúvidas o Decreto, de que os condomínios devem exigir o uso de máscaras nos espaços de uso comum do condomínio (“As pessoas deverão adotar medidas de proteção e higiene, bem como utilizar máscaras fora do ambiente residencial.”), sendo a negativa do morador passível de multa, já que ofende o direito à salubridade dos demais moradores.

Ao mesmo tempo é importante destacar que serviços de limpeza e portaria, prestados por terceirizados ou empregados próprios, não estão suspensos nos condomínios e devem seguir sendo executados como de costume.

Tratam-se de atividades indispensáveis à organização e funcionamento do condomínio, cuja proibição seria incabível e, destaca-se, não existe no Decreto. Ao contrário, o Decreto estabelece como atividades essenciais os serviços de limpeza e segurança pública e privada, o que permite concluir que também serviços essenciais internos dos condomínios estão permitidos.

As limitações de funcionamento se dirigem a estabelecimentos comerciais que atendem ao público em geral, novamente, na intenção de evitar deslocamentos de pessoas e aglomerações.

A quarentena que será imposta a muitos moradores nos próximos dias torna necessário que os síndicos voltem a tomar medidas que permitam a preservação do sossego de quem estará obrigado a ficar em casa nesse período. As proibições previstas para finais de semana e feriados quanto à realização de obras e serviços nas unidades devem ser aplicadas nesse período.

Obras não essenciais devem ser proibidas, permitindo apenas que serviços indispensáveis sejam realizados nas unidades residenciais.

Novamente cabe ao síndico fazer valer a confiança que lhe foi depositada pelos demais condôminos no momento da eleição e dentro da realidade do seu condomínio deve tomar decisões que julgar adequadas para fazer cumprir as medidas publicadas pelo poder público, ainda que essas medidas se mostrem impopulares.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS