search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Nos 50 anos do Tri, temos pouco futebol e muita maracutaia
Tribuna Livre

Nos 50 anos do Tri, temos pouco futebol e muita maracutaia

Nesta semana comemoramos o aniversário de 50 anos do Tri. A Copa do Mundo do México, realizada em 1970, foi emblemática! O futebol brasileiro da época era inigualável, fazendo com que nossa seleção terminasse a campanha com seis vitórias, em seis jogos.

Como já havíamos sido campeões em 1958 e em 1962, o título de 1970 nos deu a posse definitiva da taça Jules Rimet. Na ocasião a Seleção Brasileira foi o primeiro time a ter 100% de aproveitamento nas Eliminatórias e na Copa do Mundo.

Também fomos os primeiros a conquistar o tricampeonato. Tínhamos muitas razões para nos orgulharmos!

O jogo da final, contra a Itália, aconteceu no dia 21 de junho. Mais de 107 mil pessoas acompanharam, no Estádio Azteca, na Cidade do México, os gols de Pelé, Gerson, Jairzinho e Carlos Alberto. Bonisegna marcou o gol de honra da Itália.

O desempenho do Brasil, na época, impressionou tanto, que a FIFA dedicou mais da metade do estudo técnico (realizado pela entidade após cada mundial) à Seleção Canarinho.

Ficaram impressionados com nossa preparação física e adaptação à altitude. Em determinado trecho do relatório a FIFA afirma: “Nenhum outro país chegou perto de igualar a abrangência e extensão do programa de treinamento e jogos de preparação do Brasil.”. Fomos altamente profissionais e o resultado, como é de se esperar nesses casos, veio.

Infelizmente, 50 anos se passaram desde aquele feito e nosso futebol, a exemplo de outras tantas coisas, tem definhado a cada dia. É bem verdade que depois do Tri, já carregamos a taça por outras duas vezes (1994 e 2002), no entanto, é fato que o profissionalismo e o comprometimento têm diminuído a cada dia.

No dia 19/12/1983, 13 anos depois do Tri, a taça Jules Rimet foi roubada do edifício da CBF, no Rio de Janeiro. Nunca mais foi encontrada. Ao que tudo indica, os ladrões a derreteram para vender os quase 4 kg de ouro, prata e pedras preciosas.

Fato interessante é que em 1966 a taça chegou a ser roubada e recuperada dias depois. Os fatos aconteceram em Londres e reza a lenda que um dos assessores da CBF, na ocasião, chegou a afirmar que o roubo da taça era um sacrilégio que jamais aconteceria no Brasil, onde até mesmo os ladrões eram apaixonados por futebol. Errou feio!

Momentos históricos que tanto nos encheram de orgulho têm ficado cada vez mais raros e cada vez num passado mais distante.

Por outro lado, temos, a cada dia, nos superado em falcatruas de todos os tipos. O roubo da taça, que tanto significou para nós brasileiros, é apenas um dos exemplos que nos enche de vergonha e indignação.

Apenas a título de ilustração, notícias recentes apontam uma estimativa de que cerca de 1,5 bilhão de reais que deveriam ser gastos no combate à pandemia já foram surrupiados por corruptos. O País que já foi exemplo no futebol, hoje é o rei da maracutaia.

Ou nos transformamos como indivíduos e sociedade, ou a vergonha que passamos ao tomar de 7, jogando em casa, será apenas uma gota d’água num oceano de desonestidade e desesperança.

Eugênio Ricas é adido da Polícia Federal nos Estados Unidos.


 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Mudanças de hábito valorizam a importância do papel

As embalagens estão cada vez mais no radar das empresas. Seja papel cartão, papelão ondulado ou nos moldes de leite longa vida, as embalagens de papel têm se tornado a menininha dos olhos no mundo …


Exclusivo
Tribuna Livre

A sociedade precisa saber mais sobre a agricultura familiar

Não há governante que, nos dias atuais, consciente do seu papel, não compreenda a necessidade de se investir num setor tão importante para o povo brasileiro. Muito se fala em manutenção do homem …


Exclusivo
Tribuna Livre

Novos modos de vida e a “economia de baixo contato”

Enquanto algumas tendências sinalizam movimentos socioculturais ou respostas para os desafios globais persistentes, outras emergiram do contexto específico da pandemia da Covid-19. A tendência da …


Exclusivo
Tribuna Livre

Trezena de Santo Antônio muda de data sem perder a vocação

Há quase oito décadas, com festivas solenidades, é pela primeira vez que a Trezena de Santo Antônio deixou de acontecer nos 13 dias do mês de junho, na Paróquia e Santuário-Basílica, em Vitória. A …


Exclusivo
Tribuna Livre

A modernização dos cartórios em tempos de Covid-19

Mesmo antes da pandemia, o sistema cartorário já tinha migrado diversos serviços para serem solicitados e feitos através das centrais online. Durante o período da quarentena, essas centrais se …


Exclusivo
Tribuna Livre

É preciso mais atenção à vida e à respiração saudável

Sabe-se que a poluição do ar pode comprometer a saúde da criança, do adulto ou do idoso. Lei ambiental a ser aplicada em prol da vida filtraria o ar em residências e nos ambientes eventuais do …


Exclusivo
Tribuna Livre

Desafios da advocacia no Brasil pós-pandemia do coronavírus

Desde o dia 11 de março, quando o governo federal decretou situação de emergência na saúde pública decorrente da Covid-19, a sociedade se viu afastada das suas rotinas afetivas e grande parte foi …


Exclusivo
Tribuna Livre

Profissional pós-pandemia terá de ser mais calmo e resiliente

Vivemos em um tempo de mudanças bruscas na relação com as pessoas, na relação profissional, familiar, ambiental. Enfim, estamos mudando radicalmente conceitos pré-estabelecidos por décadas. Essas …


Exclusivo
Tribuna Livre

Nova lei de proteção de dados traz desafios para empresas

A lei 13.709/18, que trata da proteção de dados pessoais, conhecida pela sigla LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), está para entrar em vigor. Resumidamente, ela regula como empresas, pessoas …


Exclusivo
Tribuna Livre

Você sabe com quem está falando?

No início de julho, matéria jornalística exibiu vídeo no qual uma mulher humilhava um fiscal responsável por conferir o cumprimento das normas contra a Covid-19, num bar do Rio de Janeiro. Ao ser …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados