search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Mulheres são maioria em grupos religiosos, diz pesquisa

Notícias

Cidades

Mulheres são maioria em grupos religiosos, diz pesquisa


Grupo de fiéis da Paróquia Santa Rita de Cássia, na Praia do Canto, em Vitória: participação feminina (Foto: Beto Morais/ AT)
Grupo de fiéis da Paróquia Santa Rita de Cássia, na Praia do Canto, em Vitória: participação feminina (Foto: Beto Morais/ AT)

As mulheres seguem na liderança no número de fiéis na Igreja Católica e nos templos de denominação evangélica.

De acordo com pesquisa publicada pelo Datafolha, as mulheres evangélicas representam 58% do público das igrejas, seis pontos acima da parcela feminina do País (52%). As católicas somam 51%.

A pequisa também mostrou que pretos e pardos são maioria nas igrejas. Foram entrevistadas 2.948 pessoas. Os católicos representam 50% e os evangélicos, 31%.

Para o pastor Bruno Caetano, da Igreja Batista Atitude (IBA), as mulheres representam a maior parcela nas igrejas porque elas são as que mais buscam por proteção, principalmente a divina.

“No caso da mulher, existe uma tendência maior em procurar por proteção, segurança e direção, realidades que são encontradas em um relacionamento mais próximo com Deus”, afirmou.

O padre Kelder José Brandão Figueira, da Paróquia Santa Teresa de Calcutá, em Itararé, Vitória, disse que as mulheres têm papel indispensável na Igreja Católica. Muitas delas estão à frente de pastorais e coordenam as comunidades.

“Desde o início da Igreja, as mulheres assumiram um protagonismo importante. Porém, as instituições ainda não compreenderam a importância e a relevância que elas podem exercer. A abertura para as mulheres ainda está muito longe de ser o ideal”, frisou.

O doutor em Ciências da Religião Edebrande Cavalieri afirmou que o papel da mulher na Igreja Católica é insuficiente nas áreas de direção.

“Os homens assumem esses lugares. Os dirigentes são homens e os praticantes são mulheres. Esse é um problema que a Igreja Católica vem discutindo há bastante tempo”, reforçou.

A estudante Júlia Cremasco, de 14 anos, que frequenta a Paróquia Santa Rita de Cássia, na Praia do Canto, em Vitória, afirmou que se sente honrada em fazer parte da Igreja. “Como Maria, quero ser capaz de dizer meu sim para a vontade de Deus, e não para as coisas que o mundo ensina”, disse.

SAIBA MAIS

As mulheres nas igrejas
Católica

  • Representam 51% dos fiéis.
  • As mulheres podem ocupar duas instâncias: de leiga (fiel) ou de religiosa (que leva uma vida consagrada e, muitas vezes, reclusa e contemplativa).
  • Freiras e monjas são exemplos de religiosas católicas. As freiras vivem geralmente em conventos. Já as monjas vivem, na maior parte das vezes, em mosteiros.

Denominações evangélicas

  • São 58% dos participantes dos templos.
  • Em algumas denominações, mulheres podem ser ordenadas pastoras.
  • A Convenção Batista Brasileira (CBB) reconhece o pastoreio feminino desde 1999, mas quem ordena as sacerdotisas é a igreja local.
  • A Ordem dos Pastores Batistas Brasileiros (OPBB) aprovou o ingresso das mulheres na entidade em janeiro de 2014, e já são 300 exercendo o ofício.

Outros tópicos da pesquisa

  • Somados, os que se declaram pretos ou pardos são 59% são evangélicos e 55% são católicos.
  • Já os brancos, no catolicismo, são 36%, contra 30% dos evangélicos.
  • A porção de jovens evangélicos é de 19%, próximo da média nacional da população jovem (16 a 24 anos), que é de 18%.
  • Já os católicos nessa faixa etária representam 13%.

Fonte: Especialistas consultados e Pesquisa AT.
 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados