search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Mulheres em defesa da diversão sem assédio
Carnaval 2020

Patrocínio


Mulheres em defesa da diversão sem assédio

Lívia, Adriana, Nayara, Manuela e Priscila apoiam a vinda do movimento “Não é Não!” para o Carnaval de Vitória (Foto: Dayana Souza / AT)
Lívia, Adriana, Nayara, Manuela e Priscila apoiam a vinda do movimento “Não é Não!” para o Carnaval de Vitória (Foto: Dayana Souza / AT)

A campanha “Não é Não!” contra o assédio no Carnaval vai chegar ao Espírito Santo para os festejos deste ano.

Um grupo de mulheres está à frente do movimento, que tem como objetivo criar uma rede de segurança coletiva através da distribuição de tatuagens temporárias com os dizeres “Não é Não!”.

Neste ano, o projeto estará presente no Carnaval de 15 estados brasileiros. Entre as mulheres que apoiam a vinda do movimento para o Espírito Santo durante o Carnaval de Vitória, estão Nayara Muriel, Lívia Garcia, Manuela Vieira Blanc, Adriana Pereira e Priscila Lugon, entre outras.

Embaixadora da campanha no Estado, Priscila Lugon diz que as tatuagens ajudam as mulheres a se sentirem mais empoderadas.

“O movimento funciona. Em outros estados, como no Rio de Janeiro, a experiência foi positiva. Se você está com a tatuagem e é assediada, as mulheres ao redor se impõem. A própria pessoa se sente mais empoderada para dizer 'não' às investidas indesejadas”, disse.

A campanha funciona por financiamento coletivo. No Espírito Santo, a meta é arrecadar R$ 3.500 para a confecção de duas mil tatuagens que serão distribuídas gratuitamente para mulheres nos eventos de pré-carnaval e Carnaval na região da Grande Vitória.

“Essa meta é tudo ou nada. Se não batermos a meta até domingo, o Estado não recebe as tatuagens. Aí todas que contribuíram recebem o dinheiro de volta”, salientou.

As contribuições podem ser feitas no site benfeitoria.com/naoenaoes2020, e todos os valores têm alguma contrapartida, como ecobags ou fantasias de Carnaval.

Para a sexóloga Flaviane Brandemberg, a campanha é de grande importância. “É necessária, para começar a mudar a educação social, a estruturação machista que nós temos. O homem precisa entender que a mulher não é um objeto”, afirmou.

CRIME

Importunação sexual é crime, como reforçou a delegada-chefe da Divisão Especializada de Atendimento à Mulher, Cláudia Dematté.

“O referido crime tem pena de reclusão, de um a cinco anos, se o ato não constitui crime mais grave. A importunação sexual, até 2018, era considerada contravenção, sendo cabível pena de multa. Hoje, a importunação sexual é crime. Neste Carnaval, curta a folia com respeito. Respeite o corpo, a liberdade, a dignidade sexual da mulher”, frisou a delegada.

Deputado diz que mulher gosta de ser assediada

O deputado estadual de Santa Catarina Jessé Lopes (PSL) fez críticas ao movimento “Não é Não!” em uma rede social no último sábado. Na publicação, o parlamentar afirmou que as mulheres gostam de ser assediadas e que o fato “massageia o ego”.

O coletivo de mulheres que promove a campanha “Não é Não!” em Santa Catarina divulgou uma nota de apoio às mulheres em relação à declaração do deputado.

“Para nós, que militamos pelo fim do assédio às mulheres nos espaços públicos em mais de 15 estados brasileiros, é incoerente que um homem alheio às questões que discutimos e combatemos utilize seu espaço de poder para propagar desinformação e argumentos confusos sobre a atuação do coletivo”, afirmou a nota.

O Conselho Estadual dos Direitos da Mulher (Cedim) de Santa Catarina manifestou indignação com relação às falas do deputado e informou que vai buscar vias legais para que sejam tomadas as “providências cabíveis”.

A bancada feminina da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), composta por cinco parlamentares, também está se mobilizando para responsabilizar o deputado por apologia ao crime.

A delegada-chefe da Divisão Especializada de Atendimento à Mulher, Cláudia Dematté, afirmou que a violência sexual ainda faz parte da realidade diária das mulheres brasileiras e no mundo.

“A violência contra a dignidade sexual da mulher, por exemplo, por meio de um crime de estupro ou importunação sexual, é uma das mais graves violências que se pode sofrer. A mulher tem sua dignidade, liberdade sexual e seu corpo violados. São crimes repugnantes, que devem ser punidos com todo rigor”, destacou.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados