search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Moradora de Vitória testa três vezes positivo para Covid

Notícias

Publicidade | Anuncie

Coronavírus

Moradora de Vitória testa três vezes positivo para Covid


Uma moradora de Vitória, de 42 anos, afirma ter testado positivo para Covid-19 três vezes em um período de sete meses. Ela, que pediu para não ser identificada, está isolada no quarto da casa onde mora, após receber o último diagnóstico positivo da doença na terça-feira (16).

De acordo com ela, nas três vezes foram realizados testes de RT-PCR - nos dois primeiros ela ainda estava com 41 anos. O primeiro resultado positivo foi em 22 de julho do ano passado, após ela sentir alguns sintomas da doença e realizar o exame pelo plano de saúde.

No entanto, em 30 de novembro, ela voltou a sentir sintomas da Covid-19 e foi submetida a novo teste, que constatou a infecção pelo coronavírus. No início desta semana, veio o terceiro diagnóstico.

Resultados de testes feitos pela moradora (Foto: Divulgação)
Resultados de testes feitos pela moradora (Foto: Divulgação)
“Na primeira vez, tive dor no estômago e nariz entupido. Na segunda, fiquei de cama. Fiquei com parte do pulmão comprometido, tive cansaço e falta de ar. Desta vez, estou tendo muita dor de cabeça, dor no corpo, leve febre à noite. Estou sentindo meu corpo doer mais do que nas outras vezes. Sinto os ossos doendo. Dor ao levantar e me movimentar”, relata ela.

A moradora diz que perguntou a médica o motivo dela ter tido resultado positivo pela terceira vez para a Covid-19. “Ela falou que o corpo das pessoas reage diferente de um para outro, tanto que me mandou tomar duas vitaminas diferentes e estou tomando para ver se levanta a imunidade”, contou.

De acordo com ela, após ser infectada pelo vírus na primeira vez, ela fez o exame para verificar a quantidade de anticorpos no corpo depois de se curar. “20 dias depois, fiz o teste de anticorpo e não tinha anticorpo. O resultado deu 0,02%”, revela a paciente.

Atualmente, ela é acompanhada por um enfermeiro do plano de saúde, que liga para ela a cada três dias para saber a evolução do tratamento. A moradora diz que tentou ligar para o 156, da Prefeitura de Vitória, para pedir orientações sobre o que fazer e ser acompanhada pela Secretaria de Saúde, após os três testes positivos. No entanto, não conseguiu atendimento.

Em nota, a Secretaria de Saúde de Vitória informou que, de acordo com o prontuário eletrônico, a pasta recebeu a notificação da paciente com sintomas respiratórios/suspeita de Covid-19 no dia 08/07/2020. No mesmo dia, a equipe de monitoramento dos pacientes respiratórios entrou em contato com a munícipe e continuou com o monitoramento por ligação a cada 48 horas, uma vez que ela não era do grupo de risco (idosa, hipertensa ou diabética).

“No dia 13/07, a equipe não conseguiu falar com ela e retornou a ligação no dia 14, quando a munícipe informou que o resultado do seu teste havia dado negativo, o que encerrou o monitoramento da paciente. Não há mais registros de notificações por suspeita ou confirmação de Covid-19 após esse período”, informou.

A moradora, porém, afirma que não recebeu ligação da Secretaria de Saúde do município. 

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa)  esclareceu que a investigação e monitoramento do caso cabe à Vigilância Epidemiológica Municipal.

Reinfecção pode acontecer, diz médica

A infectologista Martina Zanotti explica que entre o primeiro e o segundo resultados é possível que ela tenha sido novamente infectada pelo coronavírus. “A gente sabe que a imunidade em pacientes com coronavírus é de três meses em alguns pacientes”, disse ela.

Entre o segundo e o terceiro testes, ela acredita que pode ser que a moradora não tenha tido uma nova infecção, mas que o vírus ainda estava em seu corpo. “É o que a gente chama de Covid prolongada”, explicou.

Outra possibilidade é a infecção, já que há mutações do vírus, como é algo de se esperar, informa a especialista.

Zanotti ainda explica que nem sempre o paciente desenvolve anticorpos naturais após ser infectado pelo coronavírus. “Tem a imunidade celular, que a gente não consegue medir, e também o anticorpo. Não aparecer o anticorpo, não quer que ela não está protegida. Em casos leves, a pessoa pode não desenvolver o anticorpo”, afirma a médica.
 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados