search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Minhas Impressões...
Gilmar Ferreira
Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira


Minhas Impressões...

A temporada de 2020 ainda não terminou para Grêmio e Palmeiras que ontem fizeram a primeira das duas partidas que apontarão o campeão da Copa do Brasil. Mas a temporada 2021 já começou em vários estados, com a bola voltando a rolar amanhã à noite para os cariocas. Flamengo recebe o

Nova Iguaçu no Maracanã e mesmo com jogadores sub 23 a mesclar o time sub-20 nas duas primeiras rodadas o bicampeão do Rio não encontrará resistência para celebrar o sexto tricampeonato de sua história.

Aliás, esta deverá ser a tônica desta edição do Carioca que terá aquela versão mais enxuta: todos contra todos em pontos corridos, com o clube de maior número de pontos somados levando o título da Taça Guanabara e os quatro de melhor colocação fazendo a semifinal.

Fla-Flu

Por tudo o que vimos no Brasileirão, com as quedas de Botafogo e Vasco e a redução de receitas também para os pequenos, difícil não que seja um torneio polarizado pela dupla Fla-Flu, com jogos de baixo nível técnico, como em anos anteriores.

Mas, apesar de toda precariedade, o charme dos estaduais ainda mexe com a paixão dos torcedores.

E é em respeito a este sentimento que se busca a perpetuação de um campeonato que perdeu relevância no novo século.

Laboratório

De uns anos para cá, com o calendário futebolístico preenchido pelas competições da CBF e da Conmebol, os estaduais passaram a ser encarado como um laboratório.

E teriam maior glamour se as federações que os promovem nos grandes centros incentivassem o uso de jogadores aspirantes.

Mas, não. Pelo contrário. No caso do Rio de Janeiro, por exemplo, a entidade que o promove (Ferj) exige que a partir da terceira rodada os clubes utilizem seus principais jogadores.

Para Vasco e Botafogo, que não disputarão as copas continentais, não será problema. Flamengo e Fluminense, no entanto, envolvidos com Libertadores, terão o desconforto já vivido no segundo semestre de 2020.

Se pudessem utilizar os times sub-23, estaria se abrindo espaço para a renovação de talentos, dando novo verniz.

Transmissão dos jogos

Este ano, os clubes experimentarão a possibilidade de transmitirem os jogos por venda de assinatura em seus próprios canais.

É aposta no futuro, mas com preço muito alto a ser pago. No contrato rompido com a TV Globo, os grandes clubes garantiam receita líquida em torno de R$ 13,5 milhões.

No acordo com Rede Record, só para a TV aberta, sobrará, por ora, cerca de R$ 450 mil para cada um. Fora expectativa de incremento com patrocínios e venda de assinaturas. Os pequenos terão de se contentar com a queda de R$ 3 milhões para R$ 200 mil.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

Dos onze jogadores que Rogério Ceni levou a campo para a final da Supercopa do Brasil, na manhã de ontem, em Brasília, apenas quatro não jogaram em clubes europeus: Willian Arão, Rodrigo Caio, …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Os superclubes...

Grosso modo, levando em consideração que no Brasileirão de pontos corridos as partidas decisivas são aquelas contra os mais diretos concorrentes, sinto-me em condições de dizer que o Flamengo perdeu …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O último suspiro

O projeto de reformulação administrativa, econômico-financeira e organizacional anunciado pelo Botafogo no início da semana é sopro de esperança na retomada da capacidade de investimento. Jorge …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Euforia e depressão

Alinhar a eficiência do time com a paciência da torcida talvez seja o maior dos desafios que as diretorias de Botafogo e Vasco terão pela frente até o final deste segundo ano pandêmico. Porque a …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

A vitória por 3 a 2 sobre o Nova Iguaçu deu ao Volta Redonda a liderança provisória do Carioca. E a três rodadas do final da fase classificatória, já não se discute até onde poderá chegar o vice-camp…


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Entre flores e espinhos...

A vitória do Flamengo sobre o Bangu na sétima rodada do Carioca, no retorno do time principal, trouxe a irritante euforia desmensurada já vista em outros momentos sob o comando de Rogério Ceni. O …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Balanço negativo...

Quando Rogério Caboclo disse sem meias palavras que os clubes brasileiros estariam em maus lençóis se a CBF não peitasse o discurso da paralisação do futebol o presidente da entidade pode ter …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões...

O Botafogo foi o único dos quatro grandes do Rio a vencer na sexta rodada do Campeonato Carioca. Um torneio em que três dos chamados pequenos estão à frente do Fluminense e do próprio Botafogo, e …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

A máquina de moer...

Ainda que sejam a cada ano mais irrelevantes, os Estaduais seguem atormentando os técnicos no Brasil. Principalmente os contratados para montar trabalhos autorais e ensaiar sistemas que …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Efeitos colaterais

A decisão de limitar em dois o número de treinadores inscritos por cada clube nos Brasileiros das Séries A e B deste ano ainda não foi totalmente digerida. Mas alguns experientes profissionais já …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados