search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Minhas impressões
Gilmar Ferreira
Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira


Minhas impressões

Como espetáculo, ficou claro que o confronto entre os dois campeões nacionais de 2019 teria de ter sido jogado no mesmo ano.

Porque embora seja uma bela alternativa para a abertura da temporada seguinte, haverá sempre o risco de vermos o duelo em campo neutro entre os vencedores do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil ser realizado da forma como o que acontecera na manhã deste domingo, no Mané Garrincha, em Brasília: um time que já era forte iniciar o ano mais reforçado enfrentando um adversário desfigurado e ainda em busca de uma nova identidade.

Favoritismo

Por isso, era óbvio o favoritismo do Flamengo, teoria confirmada com os 2 a 0 em 45 minutos de jogo, gols da dupla Bruno Henrique e Gabriel Barbosa — este, com quatro em quatro partidas da temporada.

Aliás, cabe aqui uma constatação da força ofensiva do time: nos 15 últimos jogos contra clubes do País, só em cinco a equipe de Jorge Jesus deixou de fazer um mínimo de três gols — e tendo na lista adversários como Vasco, Fluminense, Athletico/PR, Grêmio, Palmeiras e Corinthians. E nos dez últimos, só não fez três gols nas vitórias sobre Madureira e Grêmio (2 a 0 e 1 a 0) e na derrota para o Santos (4 a 0).

Missão

Dorival Júnior substituiu Tiago Nunes com a missão de refazer o elenco que nos últimos dois anos conquistou a Sul-Americana de 2018 e a Copa do Brasil de 2019. E do time que eliminou o Flamengo, em julho, nas quartas da Copa do Brasil do ano passado, não estiveram em campo o lateral Jonatan, os zagueiros Léo Pereira e Bambu, o meia Bruno Guimarães, e os atacantes Marcelo Cirino e Marco Ruben — sem falar na má forma de Rony, que esteve para sair.

Ou seja: bastou o Flamengo repetir o padrão da atuação nos 30 minutos iniciais do Fla-Flu para liquidar o jogo, e sacramentar o título com o gol Arrascaeta na fase final.

Vitória tranquila

Vitória tranquila, sem sustos e que comprova a leitura que temos feito por aqui. O elenco do Flamengo ganhou conteúdo, mas o time manteve a fórmula e aprimorou o padrão.

A pressão na saída de bola do adversário, com Arrascaeta fazendo o falso centroavante faz de Gabriel Barbosa e Bruno Henrique dois pontas infernais, com condições físicas e técnicas para ocupar diversas faixas do campo.

O time paranaense não conseguiu espaços para articular seu jogo e só conseguiu subir ao ataque quando os rubro-negros tiraram o pé do acelerador.

Jogo-treino

A final da Taça Guanabara, contra o Boavista, será mais um jogo-treino para a final da Recopa, no jogo de volta, diante do Del Valle, na quarta-feira pós-Carnaval, dia 26.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Os “imorríveis”

“Os heróis do tri, apesar de serem considerados 'patrimônios nacionais e imorríveis', podem ser encontrados perdidos e filmados em qualquer esquina. Deprimidos, bêbados, loucos, mas com o coração …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Convicção e necessidade...

A precoce efetivação do auxiliar Ramon Menezes como técnico do Vasco, em substituição a Abel Braga, é apenas mais um caso do dilema que marca os dirigentes brasileiros na hora de escolher o novo …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Antônio Lopes e Zé Ricardo

José Luís Moreira, o recém nomeado vice-presidente de futebol do Vasco, já tem na cabeça o novo organograma para o principal departamento do clube. E a novidade é a presença de um diretor técnico …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

E a cota-parte?

A CBF homologou ontem o período de 20 dias de férias coletivas no futebol brasileiro, mas ainda não se manifestou quanto à ajuda solicitada pela Comissão Nacional dos Clubes (CNC) na semana passada. …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Imortal...

Vou me permitir sair um pouco da discussão em torno da pandemia que nos confina para descer a um particular que me veio a mente na terça-feira (24), data que marca os 27 anos da despedida de Roberto …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O medo do colapso

Os transtornos econômicos gerados pela paralisação do futebol trouxeram apreensão aos clubes brasileiros. E os primeiros a sentirem o baque são os que fizeram planejamento de fluxo de caixa baseado …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões...

O futebol vai parar em todo o País, o que já ocorre nos quatro cantos do mundo, e a discussão agora é saber qual será a rotina nos clubes. Há quem fale em antecipação das férias de final de ano, e há …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

A bola fora...

Mundo afora, entre todas as formas encontradas pelas autoridades esportivas para dar sequência ao calendário futebolístico, a pior delas é justamente essa de realizar uma partida de futebol com os …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

A missão de Autuori

Ficará a cargo de Paulo Autuori a missão de escolher o nome do profissional que irá exercer a função ocupada por Valdir Espinosa desde dezembro. A comissão executiva do futebol alvinegro entendeu …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O drama vascaíno

As principais referências do elenco do Vasco se reuniram com Abel Braga na tarde de segunda-feira (9) em busca de maior entendimento sobre o sistema de jogo idealizado pelo técnico. E isso me parece …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados