search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Metade das praias pode desaparecer até 2100

Notícias

Publicidade | Anuncie

Ciência e Tecnologia

Metade das praias pode desaparecer até 2100


Praia da Curva da Jurema, em Vitória (Foto: Taynara Nascimento)
Praia da Curva da Jurema, em Vitória (Foto: Taynara Nascimento)

A erosão de praias por todo o mundo levará a desastres naturais que provocarão efeitos mesmo que haja esforços em contrariá-los, de acordo com cientistas.

Novo estudo publicado na revista Nature Climate Change chegou à conclusão de que “as tendências ambientais na dinâmica costeira” e “a recessão costeira impulsionada pela subida do nível do mar” podem arrasar metade das praias do mundo até o final do século XXI.

Segundo o estudo, o nível do mar tem subido ao longo dos últimos 25 anos, e mesmo que ocorra uma mitigação moderada das emissões de gases de efeito estufa, mais de um terço das costas do planeta poderá desaparecer até o final do século, prejudicando fortemente a indústria do turismo costeiro em muitos países.

“Além do turismo, as praias arenosas muitas vezes atuam como a primeira linha de defesa contra tempestades e inundações costeiras, e sem elas os impactos de eventos climáticos extremos serão provavelmente maiores”, disse à AFP o autor principal da pesquisa Michalis Vousdoukas, que também é pesquisador do Centro Comum de Pesquisas da Comissão Europeia. “Temos que nos preparar.”

A concentração econômica e de infraestruturas como função da alta densidade populacional nas áreas costeiras à volta do mundo agrava o impacto das mudanças climáticas, indicam os cientistas.
Um relatório publicado pelo Painel de Segurança Nacional, Militar e de Inteligência do Centro de Clima e Segurança também descobriu que as mudanças climáticas podem representar graves ameaças aos “ambientes, infraestruturas e instituições de segurança.”

Brasil seria um dos mais afetados

O estudo concluiu que o México, China, Rússia, Argentina, Índia, Canadá, Chile, EUA, e também o Brasil, seriam fortemente afetados pela recessão da linha costeira devido à elevação do nível do mar, tempestades resultantes de furacões e tufões e diminuição do sedimento dos rios represados.

A Austrália seria a mais afetada, com os pesquisadores estimando que cerca de 14.500 quilômetros da costa do país poderiam desaparecer nos próximos 80 anos.

O estudo também apela à “projeção e implementação de medidas de adaptação eficazes” para evitar a erosão da linha costeira.
 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados