search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Médicas protestam pelo direito de posar de biquíni

Notícias

Publicidade | Anuncie

Cidades

Médicas protestam pelo direito de posar de biquíni


Médicas Lorena Baldotto e Ana Carolina Lopes apoiam o movimento (Foto: Dayana Souza / AT)
Médicas Lorena Baldotto e Ana Carolina Lopes apoiam o movimento (Foto: Dayana Souza / AT)

Uma onda de protestos com a hashtag #MedBikini ocorreu nas mídias sociais na última semana, após a divulgação de um estudo publicado no Journal of Vascular Surgery. A pesquisa informava que o conteúdo postado por médicos nas redes poderia afetar a escolha do paciente na hora de buscar atendimento e a reputação do profissional.

O artigo foi publicado em dezembro do ano passado, mas ganhou mais visibilidade nos últimos dias. Ele citou como conteúdos potencialmente não profissionais “trajes inapropriados”, “segurando ou consumindo álcool” e “poses provocantes em biquínis e trajes de banho”.

Apesar de ter sido voltado para médicos no geral, não explicitando gênero, o movimento #MedBikini começou com mulheres. Ele ganhou adeptas de vários lugares do mundo, em que médicas postaram fotos de biquíni ou segurando bebidas alcoólicas, como protesto.

Para a ginecologista e sexóloga Lorena Baldotto, colunista de A Tribuna, o estudo foi tendencioso. "Nós, mulheres, ainda somos muito julgadas em nossas capacidades e inferiorizadas em algumas profissões. O que eu visto ou o que faço na minha hora de lazer não determinam o quanto me empenho dentro do meu consultório”.

Lorena contou que faz lives em redes sociais, muitas vezes de assuntos polêmicos, e trata-os com tranquilidade. “Às vezes, tomando um vinho e interagindo com as pessoas. Acho que mostrar esse lado um pouco mais pessoal ajuda a falar sobre esses assuntos”.

A ginecologista e obstetra Ana Carolina Lopes também apoia o movimento. Ela afirmou usar as redes como reflexo do dia a dia.

Ana e Lorena com Júlia e o bebê (Foto: Divulgação)
Ana e Lorena com Júlia e o bebê (Foto: Divulgação)
“Em qualquer profissão, os momentos de lazer não definem a competência profissional. Acredito que eles são fundamentais para o bem-estar físico e mental e contribuem para o desempenho da nossa profissão, e não devemos nos privar de publicá-los”, disse.

A especialista em Marketing de Diferenciação, Alessandra Beserra, pontuou que as mídias sociais precisam ser humanizadas.

“É essa mistura do perfil profissional com o pessoal que engaja os seguidores. Quando o médico também publica em suas redes que foi à praia e fez exercício físico, os seguidores o acompanham ainda mais. É nesse momento que se instaura o processo de humanização”, pontuou.

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados