search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Maria Zilda recorda amizade com Jorge Fernando e diz que diretor precisava descansar

Entretenimento

Publicidade | Anuncie

Famosos

Maria Zilda recorda amizade com Jorge Fernando e diz que diretor precisava descansar


Maria Zilda, em entrevista no SBT (Foto: Gabriel Cardoso/SBT)
Maria Zilda, em entrevista no SBT (Foto: Gabriel Cardoso/SBT)

Em seu recém-lançado livro de memórias, "A Caçadora de Amor", a atriz Maria Zilda, 66, relembra aventuras de vida ao lado do ator e diretor Jorge Fernando, morto em 27 de outubro, de quem era amiga desde a juventude, e revela ao público que ele é padrinho de seu filho Raphael, 40.

"Jorginho morava no Méier [zona norte do Rio] em 1970. Sem dinheiro para comprar um carro, eu ia buscá-lo em casa de motocicleta e a dona Hilda [mãe dele] ficava brava comigo. Ele pulava na minha garupa e a gente ia para a zona sul, onde conhecíamos atores, produtores, diretores. Queríamos trabalhar. Íamos de porta em porta procurando personagem. Nossa amizade foi sempre muito boa", conta a reportagem.

Maria Zilda diz que o amigo era "um poço de energia, talento e criatividade" e destaca sua facilidade em criar boas cenas. "Se você estava em dúvida, ele fazia tudo e era só você copiar", diz. Londres, Nova Iorque e Itália foram alguns dos destinos para os quais eles viajaram juntos: "Passeamos muito, trabalhamos, nos divertimos. Era uma amizade intensa e muito boa".

A atriz revela que a última vez que teve uma boa conversa com Jorge Fernando foi em 2016, ao final da novela "Êta Mundo Bom!", dirigida por ele e escrita por Walcyr Carrasco. "Quando terminou a novela, eu sempre ligava pra ele e a gente se falava. Ele estava meio arredio e eu sentia que ele estava triste. Quem tem muita energia não pode ficar doente", diz.

"Em 2017, após o AVC, ele meio que se afastou de todo mundo, então perdi um pouco de contato. Eu ligava para saber se ele estava bem e ele dizia que sim, mas eu sabia que não. Esse ano quase não falei com ele", conta Mariz Zilda. "Ele devia estar muito bravo por estar doente. Ele tinha amor pela vida e uma energia enorme."

Apesar de lamentar o ocorrido, Maria Zilda afirma que procura ver "o lado bom" da morte do amigo que, segundo ela "estava precisando descansar". A atriz faz ponderações sobre o fim da vida e diz que não vale a pena existir quando não é mais possível "saborear a vida".

"Não digo isso como consolo nem para mim e nem para a família dele, mas acho que estava muito cansado, não parava (...) Falei pra ele que ele já estava cheio de dinheiro, tinha casa em tudo quanto era lugar do Rio e deu casas para membros da família... Disse para ele gastar o dinheiro dele se divertindo e relaxando na Europa."


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados