search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Mapa de risco pode definir quais cidades vão primeiro voltar com as aulas presenciais

Notícias

Publicidade | Anuncie

Coronavírus

Mapa de risco pode definir quais cidades vão primeiro voltar com as aulas presenciais


O Mapa de Risco, utilizado para definir estratégias em relação à pandemia do novo coronavírus, vai ser analisado para definição do retorno das aulas presenciais no Espírito Santo. A afirmação foi feita nesta quinta-feira (9) pelo secretário de Educação, Vitor de Angelo. 

Segundo o titular da pasta, os critérios que vão permear o Mapa de Risco em relação às escolas serão discutidos em uma reunião futura entre Sedu, Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), além de outras instituições e entidades ligação à educação no Espírito Santo. 

"Sabemos que o Mapa será utilizado, mas esses critérios serão definidos. Haverá uma volta conjunta de todas as redes, mas a definição de critérios é importante para saber, pelo período que perdurar a pandemia, como a abertura e fechamento de escolas poderá ocorrer eventualmente em função desses critérios a serem estabelecidos", explicou. 

Vitor de Ângelo, secretário da Educação do Estado. (Foto: Dayana Souza - 13/11/2018)
Vitor de Ângelo, secretário da Educação do Estado. (Foto: Dayana Souza - 13/11/2018)

O Mapa de Risco utilizado divide o Espírito Santo em grau de risco da cidade, podendo ser baixo; moderado; alto e extremo.

Os critérios levados em consideração para chegar a esse resultado são: coeficiente de incidência do coronavírus no município; a taxa de letalidade; taxa de isolamento e quantidade de idosos na cidade.

Esses critérios, sendo analisados, dão a decisão de como o comércio pode funcionar nas cidades.

Tendo como base essa análise, as escolas poderiam ser liberadas para funcionar de acordo com o funcionamento da cidade no Mapa de Risco. 

O secretário não detalhou como seria utilizado o Mapa de Risco em relação às escolas. Até porque a reunião que definará a questão ainda vai acontecer. Porém, tendo como base como funciona com o comércio, cidades com grau de risco baixo, poderiam ser liberadas antes. 

As cidades que se enquadram no risco baixo poderiam, por exemplo, ter o retorno de suas aulas presenciais primeiro. No entanto, caso a classificação mude, as atividades seriam interrompidas novamente.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados