search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Maioria dos pacientes usa remédios de forma errada, aponta pesquisa

Notícias

Publicidade | Anuncie

Saúde

Maioria dos pacientes usa remédios de forma errada, aponta pesquisa


A automedicação é uma prática comum do brasileiro. Uma pesquisa do Conselho Federal de Farmácia (CFF), por meio do Instituto Datafolha, mostrou que 77% dos brasileiros se automedica e 57% fazem tratamento a partir de medicamentos prescritos por médicos, mas usam o remédio de maneira incorreta, alterando a dose receitada.

 (Foto: Arquivo/ Agência Brasil) (Foto: Arquivo/ Agência Brasil)

Ainda segundo a pesquisa, 44% têm o hábito de tomar remédio indicado para outra pessoa.

O psiquiatra Jairo Navarro alerta que os remédios são importantes, mas há indicações específicas que serão avaliadas pelo médico.

“Muitas vezes, quando mal utilizado, o medicamento cria mais problemas. Há muitas pessoas procurando a solução de todos os problemas em medicamentos. Querem resolver um problema que é extremamente complexo, como ansiedade e depressão, com uma única solução”.

Para a psicóloga Rubia Passamai, o desafio maior é fazer com que as pessoas não tomem remédio por conta própria, busquem ajuda especializada e sigam exatamente a prescrição médica.

O presidente da Associação Psiquiátrica do Espírito Santo (Apes), Valdir Campos, chama a atenção para os medicamentos naturais. Ele ressalta que eles não são isentos de provocar danos à saúde.

“Muitos deles podem ajudar algumas pessoas com sintomas leves de depressão ou ansiedade. Entretanto, há controvérsias se o resultado dos benefícios desses medicamentos se daria, na realidade, em função de um efeito placebo, ou seja, resultado da expectativa do paciente em melhorar”, diz.

“O diagnóstico médico e a indicação de um tratamento eficaz são fundamentais”, completa.

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.