search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Lucicreide em viagem louca a Marte

Entretenimento

Publicidade | Anuncie

Entretenimento

Lucicreide em viagem louca a Marte


A mulher nordestina criada há 30 anos e que ela chama de “orquídea com força de leão” levou a atriz Fabiana Karla longe. Muito longe. Quer dizer, até Marte!

Isso pelo menos é o que acontece nos cinemas a partir desta quinta-feira (4) em “Lucicreide Vai para Marte”, comédia protagonizada pela pernambucana na pele de sua personagem mais famosa do “Zorra Total”.

No filme dirigido por Rodrigo César, a casa de Lucicreide vira um inferno depois da chegada de sua sogra, que, despejada, resolve morar por lá. Abandonada pelo marido, Dermirrei, e sem conseguir liderar seu lar diante dos seus cinco filhos, ela só tem um desejo: ir embora para bem longe.

Sem entender direito onde está se metendo, ela aceita participar de uma missão que levará o primeiro grupo de humanos ao planeta vermelho. Para a empreitada, a atriz de 45 anos filmou dentro de um avião sem gravidade.

“Foi difícil, mas eu faria tudo de novo quando vejo as imagens. Eu não quis ficar devendo para o Tom Cruise, né? Ele também filmou naquele avião. Ele não usa dublê, pois eu também não. Adorei usar a tecnologia e oferecer cenas de verdade, mostrar que os pernambucanos sabem fazer um filme para cinema para todo mundo ver”, conta, orgulhosa.

A atriz Fabiana Karla estreia nesta quinta-feira (4) nos cinemas com a sua famosa personagem: Lucicreide. (Foto: Divulgação)
A atriz Fabiana Karla estreia nesta quinta-feira (4) nos cinemas com a sua famosa personagem: Lucicreide. (Foto: Divulgação)

A doméstica de “fala esganiçada”, como Fabiana Karla diz, é uma homenagem sincera às mulheres de sua vida. “Às lavadeiras, às tias, às avós, às vizinhas. Uma sonoridade muito familiar à minha infância, quando eu escutava as mulheres cantando ao lavar as roupas. O tom de voz vai do esganiçado para o bravo em segundos. Eu achava engraçado vê-las chorando porque era muito intenso, teatral, com caras e bocas”, descreve.


“Não deixo passar o cavalo selado”


A Lucicreide é uma personagem muito real. A gente acha que vai encontrar com ela na rua. Como você construiu a personagem?

Fabiana Karla Eu criei a Lucicreide lá pelos meus 15 anos. Meus amigos eram minha plateia. Várias vezes, estávamos reunidos em algum lugar e a coisa tomava um vulto tão grande e a risada era tão alta que a gente já tomou muito balde de água na cabeça, na porta dos prédios, na porta da balada. De tanto que a gente brincava e causava gargalhadas.

Depois, me convenceram de que eu devia ir para o Rio e eu acreditei. Lucicreide me levou longe. Meu sonho era participar da “Escolinha do Professor Raimundo”. Toda vez que o Chico Anysio ia ao Recife, eu mandava uma fita VHS. Até que Cininha de Paula sugeriu que os participantes da “Escolinha” trouxessem um personagem a mais. Me lembrei que sempre quis fazer a Lucicreide, fiz o pedido para ela, que acabou, generosamente, aceitando. Foi como pedir a bênção ao Chico.

Qual a diferença de estar no cinema?

A Lucicreide é uma personagem que veio do teatro. Fazer isso crível para o cinema foi bem difícil, do ponto de vista de figurino, de maquiagem, do cenário. A gente teve que entender a arte. O processo foi um pouco doloroso para mim, que trazia a lembrança de antes. Mas a equipe era craque. Guardei várias coisas, as garrafinhas, o foguete...

Quando entrei na casa da Lucicreide, numa casa real em Olinda, eu fiquei muito emocionada. Era muito real, me lembrava minha infância. E, naquele dia, a gente estava com todas as crianças. Na TV, a Lucicreide tem sete filhos, mas, no cinema, escolhemos reduzir para cinco. Mesmo assim, é muito filho.

Olha, eu tinha tirado a vesícula dois dias antes de começar a selecionar o elenco infantil, mas eu fui. Tive um cuidado com as crianças, um apego! Foi difícil o último dia, um chororô só!

Lucicreide sabia que a Missão Marte era sem volta?

Não sabia. Ela entende que são 100 voltas, não sem volta. (Risos) O marido vai embora, a sogra vai morar com ela, a vizinha rouba coisa, a sogra compra os meninos para eles infernizarem a sua vida.

Aí, o filho do patrão, vendo Lucicreide triste e sabendo que o pai está procurando alguém para viajar para muito longe, pensa que vai ajudar os dois e depois o pai vai dar atenção para ele. No final, a Lucicreide vira anjo da guarda dos outros candidatos a astronauta. Acaba sendo o grilo falante dessa galera.

Você já tinha ido ao Kennedy Space Center. Como foi isso?

Sim, bem antes do filme. Quando fui, por acaso, o Marcos Pontes (atual Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações) estava guiando a visita em português. Foi incrível ver um brasileiro, filho de uma faxineira, que virou astronauta.

Foi me dando um negócio e fiquei com aquilo no meu radar. Quando o Rodrigo (diretor) trouxe a ideia de levar a Lucicreide para o cinema, abracei na hora. Não deixo passar o cavalo selado. Acredito no trabalho, não acredito em sorte.

Lembra de algo inusitado na Nasa?

Muito frio, muito frio, muito frio. E lembro que, quando eu entrei no set, vi as espaçonaves e entendi que estava filmando dentro da Nasa, comecei a ficar sem fôlego. Quando o cara disse: “Lucicreide go to Mars, take one”, surtei. Eu pensei: “Tô com lencinho na cabeça e macacão da Nasa”. Era responsabilidade misturada com emoção.

Como foi filmar em um avião sem gravidade?

Fiquei como se fosse uma geleia! Lutando para voltar para o eixo da câmera, me esmerando muito para não voar o lencinho. (Gargalhadas) Acho que meus filhos ficaram orgulhosos depois que mostrei para eles.

Como foi interpretar com um macaco?

Eu tenho medo! Mas, na personagem, o meu medo se dissipa. A personagem me protege. Mas, um dia, o Rodrigo me deu um susto, correu atrás de mim no camarim com o protótipo do macaco. E eu pensei que era de verdade. Gritei muito. (Risos)

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados