search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Lojas, serviços e construtoras lideram em criação de empregos no Espírito Santo

Notícias

Publicidade | Anuncie

Economia

Lojas, serviços e construtoras lideram em criação de empregos no Espírito Santo


 (Foto: Arquivo / AT)
(Foto: Arquivo / AT)

O Espírito Santo criou 19.537 empregos formais em 2019, de acordo com os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia, divulgado hoje. Segundo o ministério, é o melhor desempenho na criação de vagas desde 2013. O Estado criou 5,3 mil empregos a mais do que em 2018, quando foram preenchidas 14,2 mil vagas.

Os setores de serviços, com 11.018 contratações, comércio, com 4.661 e construção civil, com 1.491 empregos criados foram os que mais preencheram vagas no último ano no Estado, seguindo a tendência nacional, que também apontou crescimento nestes setores. O saldo de 19,5 mil empregados é resultado da diferença entre o número de admissões e demissões no Estado.

Entre os municípios, Vila Velha foi o que mais preencheu vagas em 2019: foram abertas 3.856 oportunidades no ano. Vitória (3.750), Cariacica (1.829) e Serra (1.742) vieram em seguida no saldo entre admissões e demissões.

Entre as cidades que terminaram o ano com saldo negativo está Aracruz, que foi o município que mais fechou vagas, com 1.546 empregos a menos. Entre os fatores que podem ter contribuído, está o fim da construção da plataforma P-68, da Petrobras, que foi entregue em setembro pelo estaleiro Jurong de Aracruz. Os municípios de Itapemirim (-196) e Viana (-79) também fecharam o ano com saldo negativo.

Retomada

Para o diretor da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Espírito Santo (Fecomércio-ES), José Carlos Bergamin, o aumento de vagas nos setores de serviços e comércio reflete uma retomada do consumo frente à pequena recuperação da economia.

“Quando a dificuldade financeira da família se estabelece, as pessoas deixam de comprar. O comércio foi o setor que mais perdeu empregos quando a crise bateu. Mas esse crescimento mostra que as famílias se reorientaram economicamente, e estão voltando a contratar os serviços que deixaram de usar pela crise”, avaliou Bergamin.

Segundo ele, a retomada de investimentos no Estado também movimentou os setores de comércio e serviços no último ano, e a expectativa é que em 2020 haja um crescimento de 30% nas vagas. “Com a economia crescendo só 1% já recuperamos muito emprego, então temos neste ano a expectativa de recuperar em 30%”, disse o diretor.

No setor da construção civil, a expectativa também é de crescimento, de acordo com o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado (Sinduscon-ES), Paulo Baraona. “Em relação ao último ano, a expectativa é de que em 2020 devemos recuperar 3 mil postos de trabalho diretos”, disse Paulo.
 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados