search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Live
Martha Medeiros
Martha Medeiros

Martha Medeiros


Live

Tecnologia não é meu forte. Além da inaptidão, tem muita preguiça envolvida. Nada sei sobre cabos, operadoras e filtros. Nem mesmo sei de onde vem e quem paga a internet aqui de casa (desconfio que eu mesma), e apesar de ter um notebook novinho, de vez em quando ainda escrevo num desktop com Windows 7 sem suporte técnico: a qualquer momento, sumirão todos os meus arquivos. Até meses atrás, não tinha backup. Calma, hoje eu tenho; obrigada, filha.

Em tempos de distanciamento social, eis que surge um novo desafio: fazer lives.

A primeira foi com a jornalista Patricia Parenza, e agora que passou, já consigo lembrar sem cair no choro. Sentei no chão da minha biblioteca (não me faça perguntas difíceis como “por que no chão??”) e empilhei vários livros onde apoiei o celular e dois copos d´água: andava mal da garganta.

Quando Patricia surgiu no vídeo, estava bela e iluminada como Nossa Senhora, enquanto eu estava em meio às trevas, só se enxergavam meus olhinhos aflitos.

Então acendi as lâmpadas dicroicas do teto e fiquei parecida com o ex-ministro Nelson Teich, as olheiras vinham no pé. Como nada está tão mal que não possa piorar, um gerador explodiu na rua e caiu a energia elétrica. No breu, sabiam que eu continuava ali porque tossia entre uma frase e outra.

Patricia, que é uma lady, me presenteou no dia seguinte com um ring light: um anel de luz que faz a gente se sentir em um camarim. Meus problemas acabaram, pensei, e me animei a conversar com a querida Jackie de Botton, diretora da School of Life Brasil.

Jackie começou a transmissão 15 minutos antes do combinado para que ajustássemos alguns detalhes, e acreditei que ninguém estava nos vendo ainda – não ria, por ignorância já se fez coisa bem pior neste País.

Passei a chamar minha filha, aos gritos, para que viesse até a sala me ajudar (ela estava me assistindo do quarto, em choque), mas nada se comparou ao fato de estarmos sem conexão e eu ter achado que isso não atrapalharia o bate-papo.

Dias depois, estava dividindo a tela do meu celular com Monica Martelli, que tem quase dois milhões de seguidores – desta vez o vexame seria épico.

Sentei à mesa da sala de jantar, a alguns quilômetros de distância do meu roteador. Acho que foi por isso que a imagem travou e o áudio falhou, mas seguimos assim mesmo, aos tropeços, como se eu estivesse em Marte.

O que aprendi? Que meus leitores são um arraso. Não arredaram pé e seguiram confiando no borrão onde deveria estar meu rosto. Graças ao incentivo deles, fiz novas lives em que me saí melhor e os convites continuam chegando (inclusive na terça 26 repetirei a live com Jackie; te devo esta, amiga).

O jeito é ir em frente, sem esquecer de rir das desventuras. Não tem sido fácil – nada tem sido – mas é nosso dever seguirmos vivos no jogo. I´m alive.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Martha Medeiros

Assim como nós perdoamos

Você perdoaria uma traição amorosa? Perdoaria uma demissão injusta? Perdoaria um amigo que te insultou? Foram algumas das perguntas que me fizeram num recente programa que tinha o perdão como o tema. …


Exclusivo
Martha Medeiros

In natura

Fique em casa, fique em casa. Alguém acha que isso não interfere na nossa respiração? Tem muita gente sentindo falta de ar sem ter sido contaminada pela Covid. Eu mesma, outro dia, acordei no meio da …


Exclusivo
Martha Medeiros

Inalterável gerúndio

Saudades do particípio. De quando uma etapa era vencida. Uma crise, superada. A coisa acontecida. Agora é esta estrada que não acaba, este mistério que se alonga. Tudo se arrastando como um rio no …


Exclusivo
Martha Medeiros

Obrigada aos meus dias ruins

Se mordomia fosse mais importante para mim do que liberdade, teria morado na casa dos meus pais até casar. Se depois de 17 anos de casados, eu e meu marido não tivéssemos reavaliado nossa escolha e …


Exclusivo
Martha Medeiros

Sublinhados

Eu não parava de elogiar o livro. Afirmei que havia sido uma de minhas leituras mais desconcertantes, que vários trechos haviam mexido demais comigo, e minha amiga ali, de boca aberta, testemunhando …


Exclusivo
Martha Medeiros

E se não passar?

Estamos há quase quatro meses mergulhados numa pandemia que mudou nossos hábitos, nos impôs restrições, nos distanciou fisicamente e nos colocou frente a frente com nossas fragilidades. Vai ficar por …


Exclusivo
Martha Medeiros

Levemente pirados

Continuamos dentro de nossas casas, vivendo entre quatro paredes – espaço que costuma ser amplo para alguns afortunados, porém exíguo para a maioria dos brasileiros e suas novas rotinas. Os que …


Exclusivo
Martha Medeiros

Você não pode ter sempre o que quer

A quarentena surpreendeu a todos. Havíamos recém- entrado em março, quando 2020 começaria para valer, mas em vez de dar início ao cumprimento das resoluções de fim de ano, fomos condenados à prisão …


Exclusivo
Martha Medeiros

Em comum

Em comum O que você tem em comum com os indonésios que sobreviveram ao tsunami naquele trágico janeiro de 2004? O mesmo que eles têm com os capoeiristas da Bahia e também com a família do …


Exclusivo
Martha Medeiros

Vida em seu sentido original

Não há como não se sentir angustiado assistindo a Você não estava aqui, filme de Ken Loach, o mesmo diretor do multipremiado Eu, Daniel Blake, que tratava sobre o isolamento de idosos que não …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados