search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Justiça nega pedido de motorista para mudar placa "GAY"

Notícias

Publicidade | Anuncie

Polícia

Justiça nega pedido de motorista para mudar placa "GAY"


Trânsito no eixo monumental, próximo a rodoviaria central de Brasília (Foto: Agência Brasil)Trânsito no eixo monumental, próximo a rodoviaria central de Brasília (Foto: Agência Brasil)

Um motorista teve um pedido para mudar a placa do carro dele, composta pelas letras "GAY", negado pela Justiça do Distrito Federal. A decisão, unânime e na segunda instância, foi publicada pela 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do DF, no dia 16 de junho. As informações são do G1.

Para justificar a tentativa de obrigar o Departamento de Trânsito do DF (Detran-DF) a trocar a identificação do veículo, o homem alegou que sofria comentários homofóbicos por conta das letras da placa.

No entanto, os desembargadores que analisaram o caso entenderam que "não se é escondendo, mascarando a grafia associada a uma orientação sexual que se extirpa o preconceito, mas através de políticas de educação e conscientização da população".

Quando o caso foi julgado na primeira instância, o juiz responsável chegou a atender o pedido do autor, mas o Detran-DF recorreu e a Justiça revogou a decisão. Agora, a sentença só é passível de recurso nos tribunais superiores.

Segundo o processo, o motorista afirmou que comprou o carro usado já com essa placa, em São Paulo, e solicitou, ao Detran e ao Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), a alteração das letras quando se mudou para o Distrito Federal. No entanto, o pedido foi negado porque, de acordo com os órgãos, não existe embasamento legal para a medida.

O motorista, então, resolveu entrar na Justiça com o argumento de que era "vítima de chacota e constrangimentos de cunho homofóbico, comentários jocosos". Ele chegou a apresentar fotos de um dia em que estava na padaria e um desconhecido teria ridicularizado a placa enquanto sua mulher o esperava dentro do carro.

De acordo com ele, as letras o colocam em risco à segurança física e violação de direito de personalidade. O Detran-DF, porém, afirmou que não houve qualquer violação dos direitos dele e que o pedido "está em desconformidade com o ordenamento jurídico e em especial normas constitucionais e tratados internacionais de vedação à discriminação".

Ele dizia que, por conta das letras, havia suposto risco à segurança física e violação de direito de personalidade. Já o Detran-DF argumentou que não houve qualquer violação de direito e que o pedido do homem "está em desconformidade com o ordenamento jurídico e em especial normas constitucionais e tratados internacionais de vedação à discriminação".

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.