search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Justiça manda mulher remover ofensas contra ex-marido das redes sociais

Notícias

Publicidade | Anuncie

Cidades

Justiça manda mulher remover ofensas contra ex-marido das redes sociais


A Justiça de Goiás determinou que uma mulher remova os xingamentos feitos contra o ex-marido, pai de sua filha, das redes sociais.

O homem recebeu ofensas e ataques virtuais após publicações de sua ex-mulher (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)O homem recebeu ofensas e ataques virtuais após publicações de sua ex-mulher (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

A decisão liminar obriga a mulher a remover as ofensas das redes em até 48 horas. A justiça ainda determinou que a mulher seja proibida de fazer novas publicações que ofendam os direitos à honra, à intimidade, à vida privada e à imagem do pai da criança nas redes sociais.

O casal, que viveu em união estável por aproximadamente três anos e meio, se separou em 2017 e foi estabelecida a guarda compartilhada da criança.

À princípio, a guarda da menina pertencia a mãe, entretanto, em 2020, foi definido que a a casa do pai seria o lar de referência.

Após a troca da guarda, a mulher começou a ofender o ex-marido nas redes sociais e divulgar mensagens privadas do casal em público. A exposição fez o homem começar a receber ataques virtuais, que colocavam em dúvida o papel dele como pai.

Com apoio da Defensoria Pública do Estado, o homem levou o caso à justiça, afirmando que as publicações não condiziam com a verdade e que ele era um pai presente que cumpria com as responsabilidades quanto a filha.

“Além de ter sido difamado e desrespeitado em publicações realizadas em rede social, o requerente foi exposto, julgado e xingado por inúmeras pessoas em decorrência de fatos inverídicos, razão pela qual buscou-se a prestação jurisdicional pelos danos sofridos”, disse Tiago Bicalho, defensor público responsável pelo caso, em entrevista ao portal Metrópoles.