search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Jovem morre ao se confundir e pular de bungee jump sem autorização

Notícias

Publicidade | Anuncie

Internacional

Jovem morre ao se confundir e pular de bungee jump sem autorização


Yecenia Morales, 25, morreu na hora (Foto: Reprodução / El Tiempo)Yecenia Morales, 25, morreu na hora (Foto: Reprodução / El Tiempo)

Uma jovem na Colômbia morreu ao se confundir e pular de uma altura de 50 metros num bungee jump. Na realidade, a instrução era para que o namorado saltasse primeiro. Ela ainda não tinha todos os equipamentos de segurança instalados.

O caso aconteceu entre os municípios de Amagá e Fredonia. Segundo o jornal El Tiempo, Yecenia Morales, 25, uma estudante, estava com seu namorado em cima de um viaduto aguardando a sua vez de pular.

Porém, ao ouvir que poderia saltar, se jogou do local. Mas acredita-se que o aviso teria sido ao namorado, pois ele já tinha todos os equipamentos.

"Ela se confundiu. A ordem era para que seu namorado se lançasse, pois já estava com o equipamento de segurança correto. Eles (instrutores) haviam apenas colocado o arreio nela, mas ela confundiu a ordem e se precipitou", disse o prefeito local, Gustavo Guzmán.

Cerca de 100 pessoas acompanhavam o momento. Um vídeo foi feito no momento da queda. É possível ouvir gritos. Outra pessoa decreta uma possível morte.

Os bombeiros foram chamados, mas a jovem já estava sem vida. De acordo com o laudo médico, ela não morreu na batida, mas antes, ainda durante a queda, quando teve uma parada cardíaca.

O prefeito Guzmán contou que as empresas que realizam o serviço de bungee jump no local não teriam autorização para a prática, mas que não haveria uma forma de barrar essa prática. "Pedi imediatamente aos investigadores que organizassem esta questão com o intuito de emitir um decreto, porque isso não é proibido nem por decreto", disse.

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.