search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Jessika Alves: “Sou do time do respeito em primeiro lugar”

Entretenimento

Publicidade | Anuncie

Entretenimento

Jessika Alves: “Sou do time do respeito em primeiro lugar”


Jessika Alves: "Os padrões estão sempre mudando e, se formos seguir essa busca pela perfeição que não existe, não vai ter fim" (Foto: Divulgação/Adri Lima)Jessika Alves: "Os padrões estão sempre mudando e, se formos seguir essa busca pela perfeição que não existe, não vai ter fim" (Foto: Divulgação/Adri Lima)


Com 30 anos recém-completados, Jessika Alves garante que não trocaria a Jessika de hoje pela de 18. Ariana “em transformação”, como se define na bio do seu Instagram, a atriz reconhece que caminha carregando um certo atrevimento e uma vontade enorme de conhecer. E está pronta para mudar, se preciso for!

“Eu gosto de desbravar as coisas, como uma boa ariana, e não me sinto na obrigação de ter sempre a mesma opinião, nem de querer que todos tenham a mesma que a minha. Sou do time do respeito em primeiro lugar. Mas, se acho que estou certa, não tenho medo de expor o que penso e, cada vez mais, me desprendo da pretensão de agradar a todos, porque isso é humanamente impossível”, justifica ao AT2.

Sim! Com a mesma disposição que essa carioca parte pra cima, ela enxerga seus momentos de insegurança. “Gosto de novos desafios, ao mesmo tempo que sinto medo. E isso é normal! Mas, se tenho um objetivo em mente, eu vou em frente mesmo assim”, garante.

Jessika Alves também reconhece que suas certezas e convicções são resultados de um processo de amadurecimento alcançado com o passar dos anos.

“Gradativamente, eu venho mudando. O clichê da maturidade, a gente só entende quando chega de verdade”, salienta. Ativa nas redes sociais, a atriz defende a liberdade de ser o que quiser, de aceitar seus corpos e suas escolhas.

“Esse pensamento é resultado de um aprendizado diário para reconhecer quais julgamentos são meus e quais deles são resultado do padrão que está imposto. Eu já detestei coisas que hoje peço desculpa a mim mesma por ter pensado assim, por ter feito tantas dietas restritivas, por ter me privado de tanta coisa por algo tão pequeno. Os padrões estão sempre mudando e, se formos seguir essa busca pela perfeição que não existe, não vai ter fim”, afirma a atriz, que já postou no Instagram: “Somos lindas, independente dos atributos estéticos. Com ou sem peito, a beleza está ali”.


Jessika Alves - Atriz
“Vejo tantos velhos erros se repetirem que desanima”


AT2: São 10 anos de carreira. Está curtindo?
Jessika Alves: Muito! Quando a gente trabalha com os nossos sonhos, o trabalho não é um fardo. É uma realização.

“Ariana em metamorfose”, diz. Onde pretende chegar com essa transformação? Ou faz a linha vamos deixar rolar?
Um pouco dos dois! (Risos) Tenho minhas metas, mas aprendi, com o passar do tempo, que a gente pode até programar as coisas, mas é a vida que decide quando, onde e com quem. O legal é aprender com isso e não desistir.

Dizem por aí que os arianos são “queixo duro” e “brigões”. O que me diz: é fato ou intriga da oposição?
Eu amo falar sobre signos! Então, a fama de Áries é pior do que realmente somos. Tenho muitos amigos arianos, sou cercada por vários e amo todos! Cada um na sua intensidade. Eu mesma tenho pontos em que sou muito ariana e outros que sou mais “easygoing”.

E o que faz seu lado ariano aflorar?
Eu não sou muito paciente. Então, no trânsito, por exemplo, me irrito facilmente com pessoas mal-educadas, mas não chego a brigar, apenas imagino coisas mentalmente. (Risos)

Durante a pandemia, descobriu novas estratégias para conseguir o bem-estar?
Descobri antigos hobbies que me ajudaram a manter a mente sã. Mas não deixei de me exercitar. O exercício teve que ser adaptado e a rotina mudou, mas sempre estive em movimento.

Apesar de ter voltado a gravar, como atravessou o período de isolamento social?
Foi um misto de muitos sentimentos vindo à tona. Inseguranças, incertezas, medo, tudo isso mexe com a gente, mas tenho aprendido que não temos controle sobre quase nada. E está tudo bem. Tem coisas que precisamos enfrentar e estou torcendo para que a gente aprenda algo de bom como sociedade quando tudo isso passar, mas vejo tantos velhos erros se repetirem em looping que desanima. Ao mesmo tempo, vi a empatia e o amor se espalharem como nunca. E isso é lindo. O ser humano é complexo e a vida não é tão simples assim.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados